🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-09-06T17:48:53-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Volatilidade à frente

A gasolina mais barata está com os dias contados? BofA lista 8 riscos que podem fazer o petróleo disparar ou desabar nos próximos meses

Analistas veem forte volatilidade no futuro da commodity, que está entre a cruz da recessão global e a espada da crise energética na Europa

6 de setembro de 2022
17:48
petróleo caindo sobre notas de dólar afeta bolsas hoje
Fatores de risco devem direcionar as decisões futuras da Opep+ sobre aumentar ou reduzir a oferta da commodity. Imagem: Shutterstock

Após superar os US$ 120 nas máximas do ano, no fim de maio, o barril de petróleo tipo Brent, aquele que dita os preços da gasolina e outros combustíveis, passou por um forte alívio, que se refletiu nas bombas, na inflação brasileira e no bolso do consumidor.

A queda dos últimos meses, entretanto, não significa que o pior já passou. Segundo analistas do Bank of America (BofA), o futuro próximo do petróleo é de muita volatilidade - e os preços podem tanto voltar a disparar quanto desabar de vez, dependendo do que acontecer nos próximos meses.

Os riscos no horizonte da commodity são tantos, segundo o banco, que os preços podem subir ou cair entre US$ 5 e mais de US$ 20, a depender dos fatores que pesem mais - se aqueles que pressionam as cotações para cima ou para baixo.

Atualmente, o BofA prevê que o preço do Brent termine 2022 em US$ 100 - hoje, o barril é negociado na faixa dos US$ 90.

No entanto, caso os fatores de risco que pressionam o preço para baixo tenham mas peso - como o risco de recessão global, por exemplo -, o petróleo pode terminar o ano negociado perto dos US$ 75, acreditam os analistas; por outro lado, se sobressaírem os fatores que puxam o preço para cima - como a crise energética na Europa -, o preço do Brent poderia voltar à faixa dos US$ 120.

Esse verdadeiro cabo de guerra no meio do qual se encontra o preço do Brent deve ditar as decisões da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de aumentar ou cortar a oferta de petróleo no mercado.

A entidade decidiu cortar a oferta em 100 mil barris por dia ontem, mas concordou que poderia se reunir a qualquer momento para ajustar a produção antes da próxima reunião, agendada para 5 de outubro.

Em relatório publicado recentemente, o BofA listou os oito fatores de risco que podem pressionar o preço do petróleo para cima ou para baixo nos próximos meses, influenciando as decisões da Opep+ e possivelmente ditando se a gasolina vai ficar ainda mais barata ou se vai voltar a estrangular o consumidor. Veja a seguir:

1. Recessão global pode derrubar preços em 20%

O risco de recessão global, com o aperto monetário generalizado para controle da inflação, seria capaz de levar o preço do Brent para perto de US$ 75 o barril, diz o BofA.

2. Acordo nuclear do Irã pode aumentar a oferta

Uma retomada do acordo nuclear iraniano poderia levar as exportações de petróleo do país persa a lançarem mais 1 milhão de barris por dia no mercado, o que poderia derrubar o preço da commodity entre US$ 10 e US$ 15 temporariamente. O BofA acredita, no entanto, que a Opep+ tomaria alguma atitude em relação a esse aumento de oferta.

3. Crise energética na Europa pode fazer preço disparar

Por outro lado, a crise energética europeia em razão da guerra entre Ucrânia e Rússia, justo quando o inverno se aproxima, pode pressionar fortemente os preços do petróleo para cima.

A disparada no preço do gás pode levar a uma desaceleração da economia europeia, o que é um fator de baixa para a demanda e o preço do petróleo, mas também pode pressionar por uma substituição do gás pelo óleo.

Essa substituição pode ocorrer até mesmo na Ásia, dizem os analistas, a fim de liberar a produção de carvão e gás da região para atender ao mercado europeu.

4. Gargalos no refino

A perda da capacidade global de refino está deixando a Opep+ numa saia justa, alerta o BofA. O aumento da oferta de óleo cru pode, por um lado, esbarrar nesse gargalo; o corte da oferta, por outro lado, pode levar os preços do diesel e do querosene de aviação a dispararem novamente para a casa dos US$ 200.

5. Aumento do spread entre derivados e óleo cru também pressiona preços para cima

Com o gargalo na indústria de refino, o BofA alerta que o spread entre os preços dos derivados mais leves e os preços do óleo cru disparou, o que também pode dificultar um aumento de oferta pela Opep+, ainda que esta se mostre necessária.

6. Disrupção na oferta em razão de eventos geopolíticos

Para além da guerra entre Ucrânia e Rússia, outros eventos geopolíticos no mundo, notadamente na Líbia e no Iraque, podem acabar afetando a cadeia de produção de petróleo, reduzindo a oferta e pressionando os preços para cima.

7. Queda das reservas estratégicas de petróleo

Os EUA estão prestes a concluir a liberação das suas reservas estratégicas de petróleo em outubro. Com a forte queda dos inventários governamentais nos últimos meses, o fim da liberação das reservas americanas pode levar a uma lacuna no mercado.

8. Dúvidas acerca da demanda chinesa em razão da covid-19

Por fim, ainda há dúvidas acerca da demanda chinesa por petróleo. Por um lado, o Gigante Asiático recentemente decretou novos lockdowns em cidades economicamente importantes em razão da covid-19, fator que tende a diminuir a demanda por petróleo.

Por outro, diz o BofA, o Congresso do Partido Comunista no fim de outubro pode sinalizar mudanças nessa política, e Hong Kong já está trabalhando para eliminar exigências de quarentena para se entrar na região.

Os analistas acreditam que, como o tráfego aéreo ainda está baixo na Ásia, a queda das medidas restritivas pode aumentar a demanda por querosene de aviação rapidamente.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Eleições 2022

Pesquisa Ipespe/Abrapel mostra Lula oscilando para cima e Bolsonaro estável

24 de setembro de 2022 - 11:41

Pesquisa mostrou que votos brancos e nulos também subiram, assim como o número de eleitores que não souberam ou preferiram não responder

Tax the rich!

Imposto sobre heranças vai aumentar? Saiba quais candidatos à presidência são a favor de tributá-las ou de taxar grandes fortunas

24 de setembro de 2022 - 10:00

A discussão sobre o aumento de impostos sobre os ricos ou os “super-ricos” é tendência mundial, e no Brasil não é diferente. Mas nem todos os candidatos à presidência têm propostas nesse sentido

Banho mais caro

Tarifa de energia elétrica deve subir mais do que toda a inflação projetada pelo Banco Central em 2023, dizem especialistas

24 de setembro de 2022 - 9:47

Reajuste das tarifas chegaria a 5% em 2023, enquanto a projeção do Banco Central para a inflação é de 4,6%

Irregularidades

TSE vê indício de fraude em R$ 605 milhões em gastos das campanhas eleitorais

24 de setembro de 2022 - 9:22

Na lista de casos suspeitos estão gastos que teriam sido feitos por parentes e empresas de fachada, além de doações feitas por pessoas mortas

ESPECIAL SD 4 ANOS

Bolsa vai andar bem depois das eleições e sem o risco de ruptura política, diz Felipe Miranda, da Empiricus

24 de setembro de 2022 - 7:19

Fundador e estrategista-chefe da Empiricus vê Bolsonaro mais liberal caso seja reeleito ou um governo “Lula 1.3”, mais próximo do primeiro mandato do que do segundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies