Menu
2019-03-20T16:24:30+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Fed mantém taxa de juros e reforça que será “paciente”. Mercado reage positivamente

Banco Central americano deixa taxa entre 2,25% e 2,5% e diz que atividade segue firme, mas em ritmo menor que o visto no fim de 2018.

20 de março de 2019
15:13 - atualizado às 16:24
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve -

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, manteve a taxa de juros entre 2,25% e 2,5%. No comunicado apresentado após a reunião, o colegiado comandando por Jerome Powell refirma que será “paciente” na condução da política monetária para garantir a expansão da economia, fortes condições no mercado de trabalho e inflação na meta de 2%.

A decisão veio dentro do esperado, mas teve impacto positivo no mercado, pois o conhecido "gráfico de pontos", que capta a expectativas do membro do colegiado não projeta mais elevação de juros agora em 2019. As bolsas americanas operavam em baixa e mudaram de rumo após a decisão. O Dow Jones caia 0,62% antes do anúncio e, há pouco, subia 0,11%. O S&P 500 saiu de baixa de 0,46% para alta de 0,33%.

Na avaliação sobre o ambiente econômico, o Fed reconhece que o mercado de trabalho permanece forte, mas que o crescimento da atividade está menor se comparado ao fim do ano passado.

Além disso, dados recentes sugerem menor crescimento do consumo e dos investimentos no primeiro trimestre. Algo que era visto como “crescendo solidamente” na reunião realizada no fim de janeiro.

Segundo o Fed, a inflação, medida em 12 meses, recuou captando, basicamente, o comportamento dos preços de energia e alimentos. Tirando esses itens, a inflação segue ao redor dos 2%.

O Fed também anunciou uma nova estratégia envolvendo seu balanço de ativos. Entre as ações está a redução no ritmo mensal de diminuição de US$ 30 bilhões para US$ 15 bilhões. A partir de outubro, o Fed também passará a reinvestir em títulos do Tesouro os pagamentos de juros e principal que recebe de outros ativos, até o limite de US$ 20 bilhões.

Em apresentação, o presidente Jerome Powell, explicou que a redução na expectativa de crescimento e aperto nas condições financeira, no fim de 2018, estão entre os fatores que garantem essa “paciência” do Fed na definição da política monetária. Outros fatores citados foram a redução do crescimento em outros países, o Brexit e as disputas comerciais globais. A projeção de crescimento, que estava na linha de 2,5% em setembro, caiu para a casa de 2,1% agora. Apesar disso, ele afirma que as perspectivas ainda são positivas para o ano. "É um bom momento para sermos pacientes", disse Powell, em conversa com jornalistas.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements