Menu
2019-04-03T18:22:30-03:00
Estadão Conteúdo
Sem obstáculos

Suzano e MRV não veem impedimento sobre vendas de ações dos grupos por BNDESPAR

Questionamento veio após secretário geral de Privatizações do Ministério da Economia, Salim Mattar, dizer que novo governo pretende acabar com a BNDESPar

29 de janeiro de 2019
14:43 - atualizado às 18:22
Walter Schalka
Walter Schalka - Imagem: J.F. Diorio/Estadão Conteúdo

O presidente da Suzano, Walter Schalka, e o fundador e presidente da MRV, Rubens Menin, afirmaram que não veem impedimentos para que a BNDESPar venda sua participação acionária nas duas empresas. Os dois executivos foram questionados em evento do Credit Suisse, nesta terça-feira, 29, em São Paulo.

O questionamento veio depois da fala do secretário geral de Privatizações do Ministério da Economia, Salim Mattar, que, mais cedo, afirmou que o novo governo pretende acabar com a BNDESPar, a empresa de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vendendo todos os seus ativos, avaliados em R$ 110 bilhões, nos próximos quatro anos.

Segundo Mattar, o "BNDESpar é empresa que vai ser fechada muito rapidamente". Na apresentação, também no evento do Credit Suisse, Mattar disse que o governo não tem que deter participações em empresas que estão abertas e listadas na B3, como a Suzano, a MRV.

Questionado em outra palestra, o CEO da MRV, Rubens Menin, brincou e disse que nem sabia que o BNDESPar tinha participação na MVR. "A cabeça de Salim é boa. Deve estar correto o que ele falou". Segundo Menin, como qualquer investidor, "o mercado é assim: vende e compra". Segundo o executivo, "se o BNDESPar estiver descontente, que venda" os papéis.

Menin acrescentou que, ao que parece, a intenção de Mattar é acabar com o BNDESPar, o que seria positivo.

Na mesma direção, o presidente da Suzano afirmou que o BNDESPar, depois do negócio da empresa com a Fibria, passou a ter 11% de participação do negócio. De acordo com o executivo, o banco nunca mencionou o que pretende fazer com as ações que detém. "Eles não têm nenhuma cláusula de barreira. Podem vender a qualquer momento. Se eles quiserem vender, vamos apoiar. Cria mais liquidez nas ações", afirmou Schalka.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies