O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-19T18:05:05-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
SETOR EM APUROS

MRV (MRVE3) e Tenda (TEND3) recuam após prévias operacionais; veja o que pensam os analistas sobre os números das construtoras

Os números das companhias mostraram mais uma vez como o cenário macroeconômico, especialmente a inflação, tem atrapalhado as construtoras

19 de abril de 2022
13:44 - atualizado às 18:05
Prédio em construção MRV Cyrela Tenda EZTec Even Direcional MRVE3
A terça-feira foi marcada pela divulgação das prévias operacionais da MRV e da Tenda. - Imagem: Shutterstock

Ao contrário do que ocorre com os acionistas de outras empresas brasileiras, quem detém ações de construtoras e incorporadoras não precisa esperar o balanço para ter uma ideia de como foi o trimestre. E, nesta terça-feira (19), o mercado se debruçou sobre duas empresas que constroem imóveis para o segmento de baixa renda: a MRV (MRVE3) e a Tenda (TEND3).

Afinal, as duas rivais divulgaram suas prévias operacionais do primeiro trimestre de 2022 — tipicamente, o setor divulga esses documentos algumas semanas antes dos resultados financeiros. E foi nesse sentido que MRV e Tenda apareceram entre os destaques (negativos) do pregão de hoje.

Os números das companhias — conhecidas principalmente pelos empreendimentos voltados às famílias de baixa renda — mostraram mais uma vez como o cenário macroeconômico, especialmente a inflação, tem atrapalhado as construtoras. 

A MRV continuou se apoiando nos resultados da AHS, sua subsidiária nos Estados Unidos, para evitar um desempenho pior. Já a Tenda sacrificou velocidade de vendas em nome de preços maiores para tentar compensar o impacto da alta nos preços dos insumos da construção civil em suas margens.

Com esse quadro nada animador, as ações das empresas chegaram a apresentar um desempenho bem fraco nesta terça-feira (19), com quedas superiores a 2%. Contudo, conseguiram recuperar terreno. As ações TEND3 conseguiram virar o sinal e fechar em alta 2,55%, a R$ 6,83%. As ações MRVE3, no entanto, ainda fecharam em baixa de 0,81%, a R$ 11,07.

MRV (MRVE3) busca diversificação

De volta às prévias, a MRV (MRVE3) registrou o maior volume de vendas líquidas de sua história para um primeiro trimestre: R$ 1,7 bilhão. A cifra cresceu 7,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Outro ponto digno de nota, segundo a XP Investimentos, foi que 47,7% de suas vendas nos últimos 12 meses vieram de fora do programa Casa Verde e Amarela.

O percentual é importante porque faz parte da estratégia de diversificação da MRV. O objetivo é reduzir a exposição da empresa ao programa — que não permite o repasse total da alta dos preços dos insumos — até a aprovação de novas curvas de subsídio.

A muleta norte-americana

A AHS voltou a ser o destaque da prévia com a venda de mais um empreendimento, por R$ 221 milhões. Enquanto no Brasil a margem bruta da MRV (MRVE3) sofre, a operação norte-americana superou em 10 pontos percentuais as projeções iniciais.

A subsidiária ainda tem três outros projetos em negociação, totalizando aproximadamente US$ 300 milhões em vendas potenciais.

Para a XP, os negócios da AHS “devem continuar a sustentar o desempenho da empresa nos próximos trimestres”.

Queima de caixa da MRV (MRVE3) acende alerta

Do lado negativo da prévia operacional da MRV (MRVE3), a nova queima de caixa de R$ 834 milhões voltou a acender o alerta para os analistas.

Parte desse dinheiro teve um destino que é bem visto: sustentar o crescimento da AHS. Outra parte — cerca de R$ 354 milhões — foi utilizada pela operação central, voltada ao segmento de baixa renda, e serviu novamente à antecipação da compra de materiais para tentar driblar os efeitos da inflação.

Considerando esse elemento, o JP Morgan já previa uma reação negativa das ações. Para o banco de investimentos, a elevada queima de caixa da empresa “deve compensar suas vendas líquidas sólidas e velocidade de vendas saudável de 14,6%”.

Ainda assim, os analistas recomendam compra para o papel, com preço-alvo de R$ 16 — potencial de alta de 46,4% em relação à cotação atual. A XP, que também indica a compra, projeta uma alta ainda maior, de 73,8%, com preço-alvo de R$ 19 para MRVE3.

Tenda (TEND3) aperta preços para desafogar margens

Já a Tenda (TEND3), que não tem uma subsidiária norte-americana para salvar o balanço, aposta em um “profundo” ajuste em sua estratégia de precificação para compensar os custos elevados e aliviar a pressão nas margens.

O preço médio do primeiro trimestre foi de R$ 162,6 mil, valor 14,3% superior ao registrado nos primeiros três meses de 2021, e 3,3% maior do que o do trimestre imediatamente anterior.

O valor deve subir ainda mais a partir dos próximos meses, quando entra em vigor a nova estratégia.

Queda nos indicadores da Tenda (TEND3)

Ainda assim, a XP considera que a Tenda (TEND3) apresentou “números operacionais fracos em todas as frentes”. As vendas líquidas recuaram 18% na comparação anual, para R$ 578,6 milhões. 

O indicador de vendas sobre as ofertas líquidas (VSO), que dá pistas sobre a velocidade de comercialização dos empreendimentos imobiliários, também caiu 5,4 pontos percentuais, ficando em 26,1%.

Apesar da queda, o BTG Pactual considera que o percentual ainda é forte, enquanto os demais resultados foram “suaves”, mas alinhados com as projeções.

O banco de investimentos argumenta que o cenário continua difícil para todas as incorporadoras de baixa renda. “A inflação da construção ainda não está desacelerando, o que significa que as margens devem permanecer apertadas”, escrevem os analistas.

Com isso em mente, o banco deve revisar seu modelo de avaliação, mas, por enquanto, mantém a recomendação de compra para a Tenda e um ambicioso preço-alvo de R$ 40. Se atingido, representará uma alta de 515% das ações TEND3.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies