🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

Larissa Vitória
Larissa Vitória
27 de janeiro de 2022
6:59 - atualizado às 5:45
Ações, incorporadoras, construtoras, Tenda, Direcional, DIRR3 Cury CURY3, Bank of America, Imóvel na planta
Os números evidenciam a discrepância entre a situação financeira de boa parte das construtoras e o movimento das ações na B3Imagem: Shutterstock

As empresas brasileiras já estão esquentando os motores para uma nova temporada de balanços, com início marcado para a próxima semana. Depois de mais um ano difícil, os investidores anseiam descobrir como foi o desempenho das companhias em 2021.

Para um grupo de empresas, porém, não foi preciso esperar até o início oficial da temporada de resultados do quarto trimestre. A maioria das construtoras e incorporadoras brasileiras já divulgou as prévias operacionais de 2021.

De modo geral, os resultados mostraram que, mesmo diante de um cenário turbulento, elas foram capazes de entregar desempenhos sólidos, com altas de lançamentos e vendas na base anual.

Os números tornaram ainda mais evidente a discrepância entre a situação financeira de boa parte das construtoras e o movimento das ações na B3. 

Os papéis da maioria ganharam novo fôlego para subir após as prévias e acumulam alta neste ano. Mas, ainda assim, não apagam a queda brusca registrada no ano passado.

A MRV (MRVE3), por exemplo, bateu recorde de vendas líquidas, com R$ 8,1 bilhões vendidos em 2021, alta de 8,1% em relação ao ano anterior. A companhia também registrou o maior volume de lançamentos de sua história e, ainda assim, as ações recuaram quase 29% no período.

O caso também é parecido com a Cyrela (CYRE3), que fechou 2021 com R$ 5,5 bilhões em vendas reais contratadas, 12% a mais que em 2020. A construtora recua mais de 31% na bolsa nos últimos 12 meses.

Comprar ou correr das incorporadoras?

O quadro mostra que o temor com a situação fiscal, política e econômica do país, que contaminou o mercado de ativos de risco no geral, ainda fala mais alto que a performance positiva.

Especificamente para as incorporadoras, a alta nos insumos da construção civil e o aperto na taxa básica de juros brasileira — o que encarece um dos pilares desse mercado, os financiamentos imobiliários —, ajudaram a piorar ainda mais o cenário.

Mas, para alegria dos investidores, um copo meio vazio sempre tem potencial para tornar-se um copo meio cheio após uma mudança de perspectiva. Nesse caso, a mudança depende da resposta para as seguintes perguntas: com a performance operacional em alta e as ações em baixa, temos uma oportunidade de compra na bolsa? Ou as cotações atuais refletem o cenário mais complexo que o setor imobiliário deve enfrentar ao longo deste ano?

Aproveite o desconto

Para Caio Ventura, analista de setor imobiliário na Guide Investimentos, há sim uma oportunidade implícita de compra considerando não apenas a queda do ano passado, mas também o recuo acumulado desde o início da pandemia de covid-19 no Brasil, no primeiro trimestre de 2020. 

A oportunidade, porém, não é para quem foca em ganhos rápidos, mas sim para aqueles que pretendem inserir ações do setor em suas estratégias de longo prazo.

“O cenário atual, olhando até o final do ano, será realmente desafiador. Especialmente com a inversão do ciclo de juros, que limita bastante a capacidade de performance das construtoras”, afirma o analista.

Isso porque, com novas altas da Selic a caminho (o Banco Central prometeu um novo aumento de 1,5 ponto percentual em fevereiro) e o Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) ainda acelerado — o indicador subiu 0,64% em janeiro acumula alta de 13,7% nos últimos 12 meses —, as companhias deverão sofrer para manter os números sólidos.

Apesar dos desafios, Ventura é otimista quanto à capacidade de gestão das empresas imobiliárias. “Apesar de 2022 ser um ano mais difícil, as construtoras estão bem posicionadas e fizeram a lição de casa durante 2020 e 2021. Estão em uma posição confortável, com balanços redondos e uma capacidade de caixa boa, para lidar com os desafios.”

Mas a abordagem confiante não é unânime. O Credit Suisse mantém a visão negativa para o setor, mesmo com valuations descontados.

Os analistas do banco suíço esperam uma maior deterioração na dinâmica das construtoras, especialmente as voltadas à média e alta renda.

Incorporadoras voltadas para baixa renda são as favoritas

Mas, apesar da queda geral, nem todas as incorporadoras e construtoras de B3 são boas opções de compra. Além das particularidades em cada segmento de atuação, o modelo operacional e financeiro de cada uma das empresas também deve ser considerado na hora de escolher qual delas deve fazer parte do seu portfólio.

No quesito segmentos de atuação, por exemplo, o analista da Guide afirma que quem trabalha com faixas de renda mais altas tende a sofrer mais com os efeitos do cenário previsto para esse ano.

“Historicamente, as companhias mais focadas no setor de baixa renda têm uma performance um pouco mais resiliente em períodos conturbados.”

Isso ocorre porque, com a taxa de juros e a inflação da construção civil em alta, os custos com financiamento e insumos construtivos para os imóveis de médio e alto padrão acabam sendo ainda mais salgados.

O que comprar na B3?

Dentro do primeiro recorte, MRV (MRVE3) e Tenda (TEND3) são as duas construtoras favoritas do analista da Guide. “São companhias que têm feito esforços para manter as margens. Também desenvolvem novas fontes de receitas além de sua operação core, o que é bastante positivo porque traz um pouco mais de resiliência e diversificação para o portfólio.”

Já quando se trata de média ou alta renda, a escolha é pelas ações da Cyrela (CYRE3). Uma das gigantes da construção brasileira, a empresa conta com subsidiárias atuando em outras frentes e “consegue pulverizar um pouco o risco operacional do segmento”.

Para quem prefere arregaçar as mangas e decidir sozinho quais são as campeãs do setor, Ventura dá dicas de como incrementar a análise.

O ideal para o investidor que busca um comparativo é fazer uma análise vertical dos dados operacionais das empresas. É preciso entender qual é o modelo operacional de cada uma, ou seja, como é que a empresa ganha dinheiro, comparar os indicadores, ver quem está em melhor posição em termos de preço, endividamento e retorno ao acionista

Caio Ventura, Guide

E, para ajudar na sua análise, confira abaixo os destaques entre as prévias operacionais das construtoras no quarto trimestre de 2021 e as recomendações dos analistas para as ações.

EmpresaLançamentos em 2021 (Δ2020)Vendas em 2021 (Δ2020)Recomendações de compra*Recomendações de manutenção*Recomendações de venda*
Cury (CURY3)R$ 2,8 bilhões (+80,8%)R$ 2,6 bilhões (+90,7%)5- -
Cyrela (CYRE3)R$ 7,1 bilhões (+21,6%)R$ 5,5 bilhões (+12,2%)111-
Direcional (DIRR3) R$ 3,1 bilhões (+78%)R$ 2,4 bilhões (+45%)101-
Even (EVEN3)R$ 2,9 bilhões (+84%)R$ 1,6 bilhão (+14%)361
EZTEC (EZTC3)R$ 1,9 bilhão (+65%)R$ 1,2 bilhão (-3%)74-
JHSF (JHSF3)R$ 1,6 bilhão (+28,9%)4--
Lavvi (LAVV3)R$ 1,2 bilhão (+150,4%)R$ 942 milhões (+120%)4--
Melnick (MELK3)R$ 1,1 bilhão (+61,6%)R$ 557 milhões (+4%)4--
MRV (MRVE3)R$ 9,4 bilhões (+24,9%)R$ 8,1 bilhões (+8,01)9-
Tenda (TEND3)R$ 3 bilhões (+15%)R$ 3,1 bilhões (+21,9%)821

*De acordo com os dados compilados pelo Trademap

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar