🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-17T13:03:41-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
EFEITO DOMINÓ

MRV (MRVE3) cai na bolsa com margens pressionadas pela inflação e arrasta ações das incorporadoras

A companhia bem que tentou reforçar os aspectos positivos do trimestre, mas os analistas desviaram o olhar direto para as margens afetadas pela alta nos insumos

17 de março de 2022
13:03
Logo da MRV (MRVE3) nas cores verde e amarelo
Imagem: Divulgação

Não está fácil a vida das incorporadoras brasileiras durante a temporada de balanços do quarto trimestre. A exemplo do que ocorreu com a Tenda (TEND3), os resultados da MRV (MRVE3) mostraram como a inflação nos materiais da construção prejudica as margens e o setor volta a registrar fortes perdas nesta quinta-feira (17).

A companhia, que divulgou os números na noite de ontem (16), bem que tentou reforçar aspectos positivos do trimestre, como os recordes históricos no lucro e receita operacional líquidos.

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui!

Mas os analistas e investidores desviaram o olhar direto para o fato de que, se não fossem as operações da subsidiária norte-americana AHS, além da Urba e Luggo, as margens da empresa estariam ainda mais pressionadas.

Com essa conclusão pesando sobre as ações, MRVE3 recua 4,05% hoje, a R$ 10,20, e o movimento de queda se estende às principais ações do setor. Veja abaixo:

  • Cury (CURY3): R$ 6,50 (-2,99%);
  • Cyrela (CYRE3): R$ 14,41 (-3,74%);
  • Direcional (DIRR3): R$ 9,97 (-6,47%);
  • Even (EVEN3): R$ 5,66 (-5,19%);
  • Eztec (EZTC3): R$ 16,55 (-0,60%);
  • Lavvi (LAVV3): R$ 4,60 (-1,92%);
  • Melnick (MELK3): R$ 3,60 (-0,83%); 
  • Tenda (TEND3): R$ 8,12 (-6,88%).

Margens e caixa da MRV (MRVE3) sofrem com os custos da construção

Como antecipamos no início do texto, a MRV registrou o maior lucro líquido ajustado da história, com R$ 914 milhões em 2021, alta de 66,2% em relação ao ano anterior.

A receita líquida operacional, que avançou 7,1% na mesma base de comparação, também alcançou um valor recorde de R$ 7,1 bilhões no ano passado.

Os números, porém, foram ofuscados pela queda trimestral de 3,3 pontos percentuais da margem bruta ajustada. O indicador ficou em 25,7% entre outubro e dezembro, contra 29% no trimestre imediatamente anterior e o recuo veio 1,3 p.p. acima do esperado pela Genial Investimentos.

“Apesar desse aumento significativo de custos, a MRV conseguiu manter suas despesas comerciais e administrativas bem controladas, o que nos indica que o único e grande problema hoje é, de fato, o aumento dos custos de construção e não uma queda na demanda”, apontam os analistas.

Além disso, a XP destaca que a inflação dos insumos construtivos levou a uma queima de caixa de R$ 236 milhões no segmento brasileiro (MRV, Urba e Luggo). A despesa foi necessária para garantir a “contínua antecipação de aquisição de materiais de construção e conter novos aumentos de preços e possíveis desabastecimentos na cadeia de suprimentos”.

E a queima de caixa talvez tenha de se repetir no futuro. Após analisar a margem REF — que representa a margem esperada dos empreendimentos vendidos —, a Genial avalia que o orçamento inicial dos novos projetos “parece considerar projeções que têm se mostrado fora da realidade inflacionária que estamos vivendo”.

No pior cenário, o descolamento entre expectativas e realidade pode pedir uma revisão orçamentária completa da empresa, como ocorreu com a Tenda.

Salva pelas operações secundárias

Mas nem tudo é motivo de decepção e alarme no balanço da MRV. A AHS, operação norte-americana da construtora, registrou a venda de mais três empreendimentos no quarto trimestre, com geração de caixa de R$ 85 milhões para a companhia.

No ano, as vendas da AHS totalizaram 1.378 unidades e Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 1,75 bilhão.

A Luggo, startup da MRV voltada para o aluguel e venda de imóveis, também foi um destaque positivo do trimestre, com a venda de dois empreendimentos e R$ 106 milhões adicionais ao caixa.

Mas, até mesmo as conquistas são celebradas com cuidado pelos analistas. “O aumento de ambas as margens é de certa forma artificial, uma vez que a venda dos empreendimentos não é contabilizada como receita no top line, já que as operações da Luggo e AHS são de locação”, argumenta a Genial.

Comprar ou vender MRV (MRVE3)?

Depois de dar tanta pancada na empresa, você deve imaginar que os analistas não recomendariam a ação MRVE3, certo? Mas o caso é exatamente o oposto: tanto XP e MRV indicam a compra e enxergam potencial de alta nos papéis.

“Apesar de um resultado core [principal] baixo, continuamos com uma visão positiva para a MRV principalmente devido às operações promovidas pela Urba e AHS”, declara a Genial.

A corretora acredita que as operações da AHS ainda não estão precificadas pelo mercado, e, por isso, estabelece um preço-alvo de R$ 18 para os papéis. A cifra é 76,47% superior à cotação atual.

A XP acredita em ganhos ainda maiores e define o preço-alvo em $19,00 por ação, com potencial de alta de 86,27%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

FII DO MÊS

Fundos de papel retornam ao topo da preferência dos analistas; veja quais são os FIIs favoritos para julho

6 de julho de 2022

Em meio ao temor de recessão global, as corretoras consultadas pelo Seu DInheiro voltaram-se novamente para a proteção do papel

ESQUENTA DOS MERCADOS

Bolsas estrangeiras patinam à espera da ata do Fed e dos dados de desemprego nos Estados Unidos

6 de julho de 2022

Investidores preparam-se para a divulgação da ata do Fed na tentativa de prever os próximos passos da política monetária norte-americana

Especiais SD

Onde investir no 2º semestre: Renda fixa, nós gostamos de você! Com juros altos, ativos mais rentáveis do ano continuam atraentes

6 de julho de 2022

No difícil primeiro semestre de 2022, ativos de renda fixa foram os únicos a se salvarem, especialmente aqueles que se beneficiam da alta dos juros; para o resto do ano, esses investimentos permanecem interessantes, e investidor não precisa correr muito risco para ganhar dinheiro

NOITE CRIPTO

Parece, mas não vai: bitcoin segue preso ao patamar de US$ 20 mil; saiba o que está no caminho do BTC

5 de julho de 2022

Investidores devem ficar atentos à divulgação da ata da reunião do junho do Federal Reserve, prevista para amanhã — documento tem potencial para aumentar a volatilidade do mercado

AGORA É PRA VALER

Petrobras (PETR4) conclui a venda de participação na Deten Química — veja quanto entrou no caixa da estatal

5 de julho de 2022

O negócio, que tinha sido anunciado em abril, encerra a presença da petroleira na fabricante das principais matérias-primas para o segmento de limpeza doméstica e comercial no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies