🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-06-23T16:26:20-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
AS FAVORITAS DO BOFA

As ações das incorporadoras ainda vão sofrer com a alta de juros. Mas duas delas ainda têm potencial para subir quase 90%, diz analista

Bank of America corta estimativas para principais construtoras da B3 com perspectiva de Selic ainda em níveis elevados no ano que vem, mas vê oportunidades no setor

23 de junho de 2022
16:20 - atualizado às 16:26
Prédio em construção MRV Cyrela Tenda EZTec Even Direcional MRVE3 construtoras bank of america ações Tenda TEND3
O setor de construção civil tem um longo caminho pela frente e o credit Suisse não vê motivo para otimismo (ainda) - Imagem: Shutterstock

O final de junho se aproxima a passos rápidos e marcará o final de mais um trimestre para as empresas brasileiras. O mercado ainda precisará aguardar um pouco para conferir os resultados do período. Mas, no caso das construtoras da B3, haverá um spoiler em breve.

As prévias operacionais começam a ser divulgadas em julho e dão pistas de como foi o desempenho das companhias.

O Bank of America, no entanto, não quis esperar pelo spoiler de como foi o segundo trimestre antes de promover um corte geral em seus preços-alvo para as principais empresas do setor.

Segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (23), o banco de investimentos analisou dados históricos das ações em períodos similares ao atual e concluiu que uma revisão de projeções era necessária.

Análise histórica mostra dificuldades à frente

Os analistas do BofA verificaram que as companhias — especialmente as voltadas à média e alta renda — costumam apresentar um desempenho inferior ao Ibovespa quando a Selic está próxima de 10,5% ao ano. Esse é o patamar que o banco projeta para a taxa básica de juros no próximo ano.

“Reconhecemos que o início de um ciclo de flexibilização pode despertar algum otimismo, mas achamos que é muito cedo para se posicionar, considerando a meta ainda elevada para Selic e ventos operacionais contrários em ambos os segmentos”, escrevem os analistas.

O banco afirma que a taxa de juros deve ser o principal vilão da construção no próximo ano, mas alerta que a inflação também seguirá pressionando as margens.

 “A dinâmica de custos segue se deteriorando com a alta no preço do aço e com a mão de obra acrescentando outra camada de pressão ao ambiente inflacionário.”

Passando a faca nos preços-alvos das construtoras

Com os dados históricos e atuais em mãos, o Bank of America não poupou nenhuma das incorporadoras cobertas por seus analistas e promoveu um corte geral nas estimativas. A queda foi de 15,4% a 30,8% para os preços-alvo.

No topo dessa faixa ficou a Tenda (TEND3), para quem os analistas enxergam maior incerteza de ganhos dos próximos trimestres.

Cury (CURY3) e MRV (MRVE3): as construtoras favoritas do BofA

A empresa que sofreu o menor corte nas estimativas de preço foi a Cury (CURY3), uma das favoritas do banco no setor. O BofA segue recomendando a compra da ação da incorporadora, agora com preço-alvo de R$ 11. Ainda assim, o papel tem um potencial de alta de 87,4% em relação ao fechamento de ontem. 

Vale relembrar que a Cury tem apostado na estratégia de subir seu preço para compensar a pressão inflacionária nas margens. No primeiro trimestre, por exemplo, o custo médio por unidade avançou 20,7%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

A segunda ação com maior potencial de alta pelas projeções dos analistas é a MRV (MRVE3), que possui indicação de compra e um preço alvo de R$ 15 — um upside de 84%. 

“No macro desafiador, continuamos favorecendo players com catalisadores de curto prazo como a MRV (MRVR3) —  a AHS Residential ainda não foi precificada e qualquer capitalização pode ser um gatilho — ou que forneçam crescimento nos lucros e retorno em dividendos, como a Cury”, explica o banco de investimentos.

A MRV já admitiu que o gatilho da AHS pode ser acionado em breve. A construtora revelou que há possibilidades tanto de entrada de um parceiro na empresa quanto de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da subsidiária norte-americana.

Veja abaixo o novo preço-alvo, o potencial de alta e a recomendação do BofA para cada uma das empresas:

EmpresaRecomendaçãoNovo preço-alvoPotencial de alta
Cury (CURY3)CompraR$ 11,0087,4%
Cyrela (CYRE3)CompraR$ 18,0048,8%
Direcional (DIRR3)CompraR$ 14,0041,4%
Even (EVEN3)VendaR$ 5,0010,2%
EzTec (EZTC3)VendaR$ 16,004,5%
MRV (MRVE3)CompraR$ 15,0084%
Tenda (TEND3)VendaR$ 4,509,8%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Taxas gordas

Com risco fiscal, retorno de 6% + IPCA volta a ser comum entre títulos Tesouro IPCA+ de longo prazo

6 de julho de 2022

Todos os vencimentos de títulos públicos Tesouro IPCA+ a partir de 2035 já voltaram a pagar a rentabilidade “mágica” desse tipo de ativo

QUEDA DE APORTES

Crise dos unicórnios e demissões em massa têm explicação: investimentos em startups caíram 44% no primeiro semestre

6 de julho de 2022

Inflação global, escalada da alta de juros e a Guerra da Ucrânia geraram incertezas no mercado e “seguraram” os investimentos; as mais afetadas são as startups de late stage e unicórnios

CARA CADÊ MEU DEFI?

Roubo de criptomoedas com ataque hacker levou US$ 1,3 bilhão de plataformas de DeFi em 2022; maior crime foi de US$ 180 milhões

6 de julho de 2022

Mesmo com a alta do dia, os investidores acompanham os desdobramentos do pedido de falência da Voyager Digital

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies