Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-04T13:14:51-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Credibilidade é o que importa

BC dá forte aceno de estabilidade da Selic na reunião deste mês

Em entrevista, Roberto Campos Neto volta a afirmar que não troca inflação controlada por crescimento de curto prazo e faz um importante desenho sobre a substituição do setor público pelo privado como motor do crescimento

4 de junho de 2019
11:33 - atualizado às 13:14
Roberto Campos Neto presidente do BC
Roberto Campos Neto na Sabatina na CAE do Senado. - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, voltou a afirmar que não troca crescimento de curto prazo por inflação futura e que o importante para o BC é ter credibilidade.

Campos Neto tem reafirmado isso em todas as oportunidades que tem (links abaixo) e agora fez as afirmações em entrevista ao “Valor Econômico”. A fala acontece em meio a mais uma rodada de aumento nas expectativas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) vai reagir à fraqueza da atividade voltando a reduzir a Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano.

A próxima reunião do Copom acontece nos dias 18 e 19 de junho e como já dissemos, a manutenção do juro básico não deixa de ser boa notícia para os investimentos, notadamente, bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto.

As turbinas da economia

Um ponto bastante interessante da fala do presidente foi sobre a complementariedade entre setor público e privado. Segundo Campos Neto essa interação entre os dois segmentos aumentou muito nos últimos anos e, agora, com o governo sem espaço fiscal para dar “funding” estamos vendo o que seria um período de acomodação.

Campos Neto usa o exemplo das turbinas de um avião. Uma turbina é o mundo privado e outra é o público. Estamos desligando a turbina do mundo público, “mas, com credibilidade” vamos ligar a turbina do setor privado e fazer uma transferência de energia de uma para outra.

É essa transferência de energia que não aconteceu ainda ou está acontecendo abaixo da velocidade esperada. Como o presidente falou, temos uma parada muito rápida do setor público, sem a turbina do setor privado estar na sua potência máxima.

Essa mudança de modelo, que ainda está acontecendo, ajuda a explicar, em boa parte, essa paradeira na atividade econômica. No entanto, quando ela acontecer com maior intensidade, poderemos ver uma retomada mais rápida, já que a turbina do setor privado tem maior produtividade que a do setor público. Em outras palavras, a turbina privada impulsionaria mais o avião que a turbina pública usando a mesma quantidade de combustível.

O ponto crucial entra agora, que é a questão da credibilidade tão destacada por Campos Neto ao longo da entrevista (foram 31 menções). O BC e o governo têm de sinalizar claramente ao setor privado que a turbina do setor público não será ligada novamente.

O esforço deles está em dizer (e resistir) que o governo e o BC não vão cortar juros com inflação desancorada, fazer planos de estímulo de demanda de curto prazo, liberar crédito via bancos públicos, usar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e os demais bancos públicos como instrumento parafiscal.

A substituição da turbina pública pela turbina do setor privado é ponto central dentro do desenho da equipe econômica. O problema é que passamos muito tempo dependentes da turbina pública e, agora, temos uma espécie de crise de abstinência. A turbina privada também nunca voou sem o aditivo público e está se adaptando.

A transição das turbinas passa pelo governo, mas também depende da parte política, pois quase toda a agenda de reformas, não só Previdência, passa pelo Congresso Nacional, local onde ainda prevalece a visão de que a turbina pública sempre tem de ser a maior.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

Não espere o Bitcoin encostar na ‘Cruz da Morte’ de novo: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico daqui em diante

Enquanto muitos investidores olham para as criptos como única fonte de lucros exponenciais, certas ‘pechinchas exponenciais’ seguem fora do radar de muita gente, de dólar a urânio, de urânio a carbono; indicações são de analistas que entregaram até 500% nos últimos 7 anos

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda após aumento de juros e IGP-M acima do esperado e dólar avança hoje

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

O melhor do Seu Dinheiro

Nem tudo é terra arrasada pela alta dos juros, o mercado pós-Copom e outros destaques do dia

O aperto monetário ressuscitou a renda fixa, com alguns CDBs voltando a pagar taxas de 1% ao mês ou mais.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies