A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-02-21T11:08:59-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Alguém sempre paga a conta

Quer se aposentar mais cedo? Quem pagará a conta são seus filhos e netos

Foi esse o recado que o ministro Paulo Guedes deu para ilustrar de forma prática que não existe almoço grátis na reforma da Previdência

21 de fevereiro de 2019
11:08
Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Com o texto da reforma da Previdência apresentado falamos que a grande dúvida agora é qual será o grau de diluição da proposta, que prevê uma economia de R$ 1,1 trilhão nos seus primeiros dez anos. E o ministro da Economia, Paulo Guedes, lançou mão de uma importante figura para defender a proposta do governo, que agora será discutida pelo Congresso.

Em entrevista à “NBR/TV Brasil” ontem à noite, Guedes usou uma interessante tradução do adágio liberal “não existe almoço grátis” para ilustrar que qualquer benesse feita hoje terá sua fatura apresentada amanhã.

Segundo o ministro, cada vez que os diferentes grupos de interesse que atuam no Congresso fizerem mudanças no texto, reduzindo a economia projetada, estamos sacando contra o futuro de nossos filhos e netos.

“Você quer alguma coisa para você, seja trabalhador rural, militar, urbano, vá lá e saque contra o futuro dos seus filhos e netos. Reduza o número. Você prejudica seus filhos e netos naquele número. Se você reduzir a economia em R$ 100 bilhões, você acaba de sacar R$ 100 bilhões de seus filhos e netos lá na frente”, afirmou.

Guedes deu o exemplo da idade mínima de 62 anos para as mulheres, mas o raciocínio serve para qualquer grupo contemplado pela reforma. Alguém pode pensar: coitada das mulheres, vamos baixar um pouco a idade. “Ok, baixa a idade e vocês estarão sacrificando os filhos e netos dessas mulheres”, disse o ministro.

Para Guedes, se perguntarem para essas mulheres o que elas acham disso, certamente elas dirão que preferem ficar com idades sugeridas na proposta para que seus filhos e netos tenham mais segurança no futuro.

Segundo o ministro, essa economia projetada é a garantia de que poderemos acelerar a transição do sistema previdenciário, criando “novas opções para gerações futuras”.

Além de mostrar que não existe almoço grátis, a figura usada pelo ministro ilustra o pouco palpável conflito intergeracional do sistema Previdenciário atual, no qual quem está trabalhando hoje garante a renda dos mais velhos. Quanto mais gastamos e nos endividamos hoje para garantir aposentadorias e pensões, maior a fatura a ser paga pelas próximas gerações.

O ministro vem usando outra imagem para ilustrar a falência do regime atual, de repartição, e defender a adoção do regime de capitalização, a tal nova opção para gerações futuras.

Segundo Guedes, o jovem entra no avião que está para cair (sistema previdenciário atual) levando um paraquedas para o pai dele. “Só que quem vai cair com o avião é o jovem! Não achamos isso correto. Isso é moralmente injusto e economicamente ineficiente”, afirmou em entrevista na semana passada.

Na entrevista de ontem, Guedes voltou a falar dessa “responsabilidade moral” de permitir que as novas gerações escapem dessa armadilha. O sistema tem de ser reformado para que os compromissos antigos (sistema de repartição) sejam sustentados e que o jovem desfrute de um mercado de trabalho formal e de maiores aposentadorias, acumulando recursos (sistema de capitalização).

O ministro disse que as primeiras conversas são encorajadoras, que o tema está acima de partidos e que a classe política percebeu que a reforma é incontornável.

“Estou bastante otimista. Acho que não está havendo grande resistência do ponto de vista da classe política esclarecida”, disse.

Ao longo das próximas semanas vamos descobrir qual o tamanho dessa “classe política esclarecida” e se ela supera a outra banda, a classe política obscurantista, nas negociações em torno de mais de 80 pontos técnicos que estão na propostas da reforma.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

IMPASSE CONTINUA

Vitória do governo ameaçada? FUP vai à Justiça para anular resultado de assembleia que elegeu novo conselho da Petrobras (PETR4)

19 de agosto de 2022 - 20:20

A FUP vai centrar argumentação contra a eleição a conselheiros de dois nomes barrados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal

1ª troca em 20 anos

Americanas (AMER3) anuncia Sergio Rial, ex-CEO do Santander, para o comando da companhia no lugar de Miguel Gutierrez

19 de agosto de 2022 - 19:17

Trata-se da primeira troca no cargo de diretor presidente da varejista em 20 anos; Rial assumirá cargo no início do ano que vem

Acionistas felizes

Dividendos: Telefônica (VIVT3) e Marfrig (MRFG3) pagam nova rodada de proventos. Veja as condições para receber

19 de agosto de 2022 - 19:14

A Telefônica não fixou data para o pagamento dos dividendos, mas segundo a companhia, os créditos serão realizados até 31 de julho de 2023

VAI DISPARAR?

Polo Capital aumenta participação na Tenda (TEND3) e se aproxima do gatilho para “poison pill”; construtora discutirá fim do mecanismo em assembleia

19 de agosto de 2022 - 18:36

O movimento ocorre poucos dias após a companhia anunciar que, atendendo a um pedido da gestora, vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir a exclusão da “poison pill” de seu estatuto social

FECHAMENTO DO DIA

Frente fria chega ao Ibovespa e índice recua 1,12% na semana; dólar vai a R$ 5,16

19 de agosto de 2022 - 18:33

Apesar da semana calma, o Ibovespa refletiu a cautela com os juros americanos e a queda das commodities

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies