Menu
2019-02-21T11:08:59-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Alguém sempre paga a conta

Quer se aposentar mais cedo? Quem pagará a conta são seus filhos e netos

Foi esse o recado que o ministro Paulo Guedes deu para ilustrar de forma prática que não existe almoço grátis na reforma da Previdência

21 de fevereiro de 2019
11:08
Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Com o texto da reforma da Previdência apresentado falamos que a grande dúvida agora é qual será o grau de diluição da proposta, que prevê uma economia de R$ 1,1 trilhão nos seus primeiros dez anos. E o ministro da Economia, Paulo Guedes, lançou mão de uma importante figura para defender a proposta do governo, que agora será discutida pelo Congresso.

Em entrevista à “NBR/TV Brasil” ontem à noite, Guedes usou uma interessante tradução do adágio liberal “não existe almoço grátis” para ilustrar que qualquer benesse feita hoje terá sua fatura apresentada amanhã.

Segundo o ministro, cada vez que os diferentes grupos de interesse que atuam no Congresso fizerem mudanças no texto, reduzindo a economia projetada, estamos sacando contra o futuro de nossos filhos e netos.

“Você quer alguma coisa para você, seja trabalhador rural, militar, urbano, vá lá e saque contra o futuro dos seus filhos e netos. Reduza o número. Você prejudica seus filhos e netos naquele número. Se você reduzir a economia em R$ 100 bilhões, você acaba de sacar R$ 100 bilhões de seus filhos e netos lá na frente”, afirmou.

Guedes deu o exemplo da idade mínima de 62 anos para as mulheres, mas o raciocínio serve para qualquer grupo contemplado pela reforma. Alguém pode pensar: coitada das mulheres, vamos baixar um pouco a idade. “Ok, baixa a idade e vocês estarão sacrificando os filhos e netos dessas mulheres”, disse o ministro.

Para Guedes, se perguntarem para essas mulheres o que elas acham disso, certamente elas dirão que preferem ficar com idades sugeridas na proposta para que seus filhos e netos tenham mais segurança no futuro.

Segundo o ministro, essa economia projetada é a garantia de que poderemos acelerar a transição do sistema previdenciário, criando “novas opções para gerações futuras”.

Além de mostrar que não existe almoço grátis, a figura usada pelo ministro ilustra o pouco palpável conflito intergeracional do sistema Previdenciário atual, no qual quem está trabalhando hoje garante a renda dos mais velhos. Quanto mais gastamos e nos endividamos hoje para garantir aposentadorias e pensões, maior a fatura a ser paga pelas próximas gerações.

O ministro vem usando outra imagem para ilustrar a falência do regime atual, de repartição, e defender a adoção do regime de capitalização, a tal nova opção para gerações futuras.

Segundo Guedes, o jovem entra no avião que está para cair (sistema previdenciário atual) levando um paraquedas para o pai dele. “Só que quem vai cair com o avião é o jovem! Não achamos isso correto. Isso é moralmente injusto e economicamente ineficiente”, afirmou em entrevista na semana passada.

Na entrevista de ontem, Guedes voltou a falar dessa “responsabilidade moral” de permitir que as novas gerações escapem dessa armadilha. O sistema tem de ser reformado para que os compromissos antigos (sistema de repartição) sejam sustentados e que o jovem desfrute de um mercado de trabalho formal e de maiores aposentadorias, acumulando recursos (sistema de capitalização).

O ministro disse que as primeiras conversas são encorajadoras, que o tema está acima de partidos e que a classe política percebeu que a reforma é incontornável.

“Estou bastante otimista. Acho que não está havendo grande resistência do ponto de vista da classe política esclarecida”, disse.

Ao longo das próximas semanas vamos descobrir qual o tamanho dessa “classe política esclarecida” e se ela supera a outra banda, a classe política obscurantista, nas negociações em torno de mais de 80 pontos técnicos que estão na propostas da reforma.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

fechamento do dia

Lá em cima, de novo: Ibovespa é puxado por bancos, alívio fiscal e NY e fecha acima dos 100 mil pontos

Principal índice acionário da B3 avança quase 2% e fecha acima da importante marca psicológica após mais de um mês. Dólar registra queda durante maior parte da sessão, mas vira em minutos finais com indefinição sobre pacote de estímulos

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies