Menu
2019-04-04T13:58:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esqueça os militares

Para o ex-ministro do STF Nelson Jobim, o foco do governo na reforma da Previdência deve ser o Judiciário

Jobim concedeu uma entrevista ao Broadcast/Estadão nesta semana e, para ele, os militares não oferecem riscos à reforma

14 de fevereiro de 2019
11:27 - atualizado às 13:58
nelson-jobim
Jobim foi ministro da Defesa e da Justiça e presidente do STF - Imagem: Thiago Teixeira/Estadão Conteúdo

Enquanto Bolsonaro faz o ajuste fino da reforma da Previdência, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, resolveu ser direto ao ponto sobre sua opinião em relação ao tema. Para ele, o verdadeiro foco de resistência à reforma está nas corporações do serviço público, como o Judiciário e o Ministério Público.

O ex-ministro concedeu uma entrevista ao Broadcast/Estadão nesta semana e, na sua avaliação, os militares não representarão dificuldades ao governo de Jair Bolsonaro no processo de mudanças nas regras de aposentadorias, ao contrário do que muita gente fala.

Jobim foi ministro da Defesa e da Justiça e presidente do STF. Na entrevista, ele também defendeu que o núcleo da reforma seja atingir os privilégios de corporações que têm uma "capacidade de articulação tremenda" e não apenas uma questão de "números".

"Os militares não vão ter dificuldade. O ponto é o Ministério Público, o Judiciário, enfim, as corporações que hoje se aposentam com vantagens que são estendidas à atividade", Nelson Jobim, ex-ministro do STF.

Comunicação, comunicação, comunicação

Na visão de Jobim, o governo necessitará de uma ampla capacidade de comunicação com a sociedade para explicitar as mudanças propostas. Caso contrário, a reforma corre o risco de ficar apenas no papel.

"Isso não é fácil. É preciso até dar um respaldo político aos próprios parlamentares para votarem isso. Porque esse pessoal (de corporações) vai se mobilizar", avalia. Mesmo com estas ponderações, Jobim diz ter "confiança" na aprovação da reforma da Previdência.

Vale lembrar que o governo já está de olho nessa estratégia de comunicação. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, vêm trabalhando seus discursos em defesa da reforma e já declararam guerra às "fake news da reforma".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fim de papo

Bolsonaro se irrita com questão de frete e termina conversa na saída do Alvorada

Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o “maior problema de vocês (caminhoneiros)” é o preço dos combustíveis e os tributos

Nova realidade?

UBS prevê queda nos preços de minério de ferro e rebaixa Rio Tinto

Para os analistas, problemas com oferta no Brasil, intensificados pela pandemia, e atuação do governo chinês devem pressionar cotação do insumo

Muito além do pix

Bancos Centrais da Suíça e França testam transações com moedas digitais entre países

O experimento visa investir no mercado de empréstimos de “atacado” entre bancos, ao invés de transações públicas diárias, mas será o primeiro teste com as CBDC

COLUNA DO JOJO

Carteira Universa faz dois anos com 30 mil cotistas e ‘goleando’ o CDI; conheça

Ele é um fundo que atinge, na veia, a ideia do Felipe Miranda, que também é a minha: é possível que o varejo invista de forma praticamente idêntica à major league. O público geral não precisa ficar preso às armadilhas dos investimentos ruins.

Empresa de cashback

Méliuz avalia nova oferta de ações apenas para grandes investidores

Empresa pode fazer uma nova oferta de esforços restritos, mas sua efetiva realização, bem como as condições, ainda não foram definidas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies