Menu
2019-04-04T13:58:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esqueça os militares

Para o ex-ministro do STF Nelson Jobim, o foco do governo na reforma da Previdência deve ser o Judiciário

Jobim concedeu uma entrevista ao Broadcast/Estadão nesta semana e, para ele, os militares não oferecem riscos à reforma

14 de fevereiro de 2019
11:27 - atualizado às 13:58
nelson-jobim
Jobim foi ministro da Defesa e da Justiça e presidente do STF - Imagem: Thiago Teixeira/Estadão Conteúdo

Enquanto Bolsonaro faz o ajuste fino da reforma da Previdência, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, resolveu ser direto ao ponto sobre sua opinião em relação ao tema. Para ele, o verdadeiro foco de resistência à reforma está nas corporações do serviço público, como o Judiciário e o Ministério Público.

O ex-ministro concedeu uma entrevista ao Broadcast/Estadão nesta semana e, na sua avaliação, os militares não representarão dificuldades ao governo de Jair Bolsonaro no processo de mudanças nas regras de aposentadorias, ao contrário do que muita gente fala.

Jobim foi ministro da Defesa e da Justiça e presidente do STF. Na entrevista, ele também defendeu que o núcleo da reforma seja atingir os privilégios de corporações que têm uma "capacidade de articulação tremenda" e não apenas uma questão de "números".

"Os militares não vão ter dificuldade. O ponto é o Ministério Público, o Judiciário, enfim, as corporações que hoje se aposentam com vantagens que são estendidas à atividade", Nelson Jobim, ex-ministro do STF.

Comunicação, comunicação, comunicação

Na visão de Jobim, o governo necessitará de uma ampla capacidade de comunicação com a sociedade para explicitar as mudanças propostas. Caso contrário, a reforma corre o risco de ficar apenas no papel.

"Isso não é fácil. É preciso até dar um respaldo político aos próprios parlamentares para votarem isso. Porque esse pessoal (de corporações) vai se mobilizar", avalia. Mesmo com estas ponderações, Jobim diz ter "confiança" na aprovação da reforma da Previdência.

Vale lembrar que o governo já está de olho nessa estratégia de comunicação. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, vêm trabalhando seus discursos em defesa da reforma e já declararam guerra às "fake news da reforma".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies