🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Quatro demissões e um tsunami de incertezas

Três generais e presidente do BNDES deixam governo; troca de mensagens arranha Sergio Moro e economia capenga compromete Paulo Guedes

17 de junho de 2019
6:57 - atualizado às 7:01
Presidente da República Jair Bolsonaro
Lembrei do tsunami do Oceano Índico quando, no começo de maio, o presidente Jair Bolsonaro previu que um tsunami atingiria o governo. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Escalada para o plantão de Natal de 2004 cheguei à redação da agência Reuters em São Paulo, onde era colunista, no horário previsto. O meu editor lá estava acompanhando atenciosamente o noticiário internacional. Walter Brandimarte, hoje editor da Bloomberg para América Latina, se apressou a contar: ocorrera um tsunami na Indonésia. Deveríamos selecionar as informações que seriam reproduzidas em português. Ficaríamos atentos, mas o ocorrido parecia ser uma dessas tragédias naturais que, não raro, surpreendem a imprensa em fim de ano. Walter previa dias tranquilos à frente. Nossa folga chegaria! “Não sabemos bem o que é um tsunami... mas onze ou doze mortos é um número baixo de vítimas se as ondas são gigantes”, calculou. Mas em poucas horas o riso cativante do Walter deu lugar a um silêncio apreensivo. Nos dias seguintes noticiamos que o tsunami havia devastado 14 países e provocado mais de 200 mil mortes.

Nunca esqueci o plantão de 2004. Duas vezes nos últimos 40 dias, me lembrei daquela tragédia e dos seus efeitos retardados, sendo um deles a paralisia que a incerteza provoca quanto ao número de vítimas de um desastre natural ou quanto aos rumos de um governo de onde desembarcam figuras-chave.

Lembrei do tsunami do Oceano Índico quando, no começo de maio, o presidente Jair Bolsonaro previu que um tsunami atingiria o governo referindo-se à possibilidade de ter de ampliar o ministério de 22 para 29 pastas, caso o Congresso não aprovasse a MP 870 da reforma administrativa, o que não aconteceu porque o texto foi aprovado; no domingo, lembrei novamente das incertezas com a demissão de Joaquim Levy da presidência do BNDES. Levy e os generais Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), Franklimberg Freitas (Funai) e Juarez de Paula Cunha (Correios) deixaram o governo na semana passada, em meio à escalada de tensão protagonizada inicialmente pelo ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e, na sexta-feira, pelo ministro da Economia Paulo Guedes.

Moro esteve no foco da divulgação – pelo site The Intercept – de mensagens trocadas com o procurador Deltan Dallagnol no âmbito da Lava Jato. Guedes reagiu vigorosamente contra o parecer do relator da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), e provocou, na tarde de sexta-feira, um revertério nos mercados. Guedes pretendia reduzir privilégios de servidores e adotar a capitalização como um novo regime de Previdência no país, o que não foi contemplado no relatório de Moreira.

Moro e Guedes são chamados “superministros” de Bolsonaro e é para eles que os agentes econômicos olham sempre que o tempo esquenta na administração pública ou quando o presidente dá uma repaginada em seu discurso.

Rei morto, rei posto

E isso também aconteceu no fim de semana em relação a Sergio Moro. O presidente, que na sexta-feira afirmou ser “zero” a possibilidade de demitir o ministro [em decorrência da troca de mensagens entre Moro, quando juiz, e o procurador Deltan Dallagnol no âmbito da Lava Jato], no sábado lembrou que confiar 100% só em seu pai e em sua mãe. O comentário foi entendido como uma ressalva à afirmação feita na véspera.

Também no sábado, Bolsonaro declarou que Joaquim Levy estava "com a cabeça a prêmio há algum tempo". "Levy nomeou Marcos Pinto para função no BNDES. Já estou por aqui com o Levy", disse o presidente. "Falei para ele: (Levy) demite esse cara na segunda ou eu demito você sem passar pelo Guedes", afirmou Bolsonaro no sábado.

No domingo, ao mesmo tempo em que Joaquim Levy informava sua demissão, apresentada ao ministro Paulo Guedes, tinha início o ciclo de apostas sobre a sucessão no comando do BNDES.

Os nomes mais cotados, ontem, eram Salim Mattar, secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, e Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central que assumiu a presidência do conselho do BNDES neste ano. Também estão no páreo Carlos Thadeu de Freitas, ex-diretor do Banco Central e do BNDES, e Solange Vieira, funcionária de carreira do BNDES e atual presidente da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

É altamente provável que o mercado financeiro soltará rojões se Mattar for nomeado presidente do BNDES, que poderia se tornar o catalisador das privatizações no país.

Só a sucessão no banco de fomento já renderia assunto para a semana, que será mais enxuta pelo feriado de Corpus Christi na quinta-feira. Contudo, a agenda é mais alentada. Amanhã, terça-feira, a comissão especial deve iniciar as discussões sobre o relatório da reforma das aposentadorias. E o plenário do Senado deverá votar, também amanhã, os projetos aprovados pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e que derrubam o decreto do presidente Bolsonaro que flexibiliza o porte e a posse de armas de fogo.

Amanhã tem início as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) no Brasil e do Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (FOMC, na sigla em inglês). Os mercados seguem apostando no corte dos juros aqui e lá, mas é improvável que os dois BCs tomem essa decisão neste mês.

Mais polarização

As manifestações nas redes sociais sobre o vazamento das mensagens trocadas entre o então juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, impactaram negativamente a imagem o atual ministro da Justiça. As manifestações positivas sobre o Moro recuaram de 51% em maio para 42% em junho, informa a .Map – Mapeamento, Análise e Perspectiva, agência proprietária do IP Brasil Opinião, um indicador desenvolvido para traduzir as opiniões da sociedade sobre a agenda nacional em três subdivisões: Política, Economia e Bem-Estar. A base de apuração corresponde a 1,2 milhão de posts diários de formadores de opinião e opinião pública.

A repercussão do episódio The Intercept – site que divulgou as mensagens de Moro e Dallagnol registradas no aplicativo Telegram – superou em 85% o impacto provocado pela confirmação do nome do ministro para compor o Ministério, anunciado em novembro passado, pelo então presidente eleito Jair Bolsonaro.

“As manifestações sobre o vazamento das mensagens são marcadamente polarizadas”, afirma Marilia Stabile, diretora geral da .Map. “A militância de esquerda mostra maior ativismo nas redes sociais e se impõe e, assim, sobressai a argumentação de que Lula é um preso político e condenado sem provas. Militantes da direita intensificaram sua atuação nos últimos dois dias. E, nesse caso, como principal argumento está a crítica à busca, por petistas e aliados, da fragilização da Lava Jato”, informa Marilia.

Na semana passada, a Lava Jato respondeu por 58% dos debates travados entre os internautas e o apoio à operação (avaliada pelo Índice de Positividade construído pela agência) ficou em 47%. Essa pontuação mostra disputa equilibrada entre apoiadores da investigação e críticos.

Ainda durante a semana, as redes sociais repercutiram a queda do PIB, de 0,2% no primeiro trimestre, e o resultado levou ao recuo das manifestações positivas sobre o ministro Paulo Guedes. Em maio, o grau de apoio das redes ao ministro da Economia era de 68%; em junho, até a quarta-feira passada, de 52%. Giovanna Masullo, responsável pela pesquisa da .Map, informa que o público cobra resultados e ações do ministro Paulo Guedes. “Cresce a percepção de que a reforma da Previdência não levará o pais ao crescimento econômico imediato”, acrescenta.

Compartilhe

ÀS VÉSPERAS DA ELEIÇÃO

Entrada da casa própria vai sair de graça? Governo libera verba para que parlamentares quitem parte de imóveis do Casa Verde e Amarela em suas regiões

11 de setembro de 2022 - 13:04

Uma brecha na lei de criação do programa habitacional permitirá o uso de emendas parlamentares para reduzir ou quitar a entrada nos financiamentos

IMPASSE CONTINUA

Vitória do governo ameaçada? FUP vai à Justiça para anular resultado de assembleia que elegeu novo conselho da Petrobras (PETR4)

19 de agosto de 2022 - 20:20

A FUP vai centrar argumentação contra a eleição a conselheiros de dois nomes barrados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal

A CONTRAGOSTO

Indicados pelo governo — incluindo dois nomes barrados pela Petrobras (PETR4) — são aprovados para conselho de administração da estatal

19 de agosto de 2022 - 16:22

Jônathas Castro e Ricardo Soriano foram rejeitados pelos órgãos de governança da companhia, mas eleitos hoje com os votos da União

Alguém tem que pagar...

Governo vai baixar preço do diesel e da gasolina com novo decreto, mas medida atrasará cumprimento de metas ambientais

22 de julho de 2022 - 13:08

A notícia é ruim para o meio ambiente, mas boa para os caminhoneiros: segundo o ministro de Minas e Energia o decreto provocará um queda de mais de R$ 0,10 na gasolina e no diesel

PRÉVIA DO BALANÇO

Petrobras (PETR4) registra queda na produção do segundo trimestre — veja o que atrapalhou a estatal

21 de julho de 2022 - 18:24

Considerado uma “prévia” do balanço, o relatório mostra que a petroleira produziu 2,65 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboed)

SUGESTÃO REJEITADA

Governo ignora parecer da Petrobras (PETR4) e indicará dois nomes barrados pela estatal para o conselho de administração

20 de julho de 2022 - 20:00

Jônathas de Castro, secretário da Casa Civil e Ricardo Soriano de Alencar, Procurador-Geral da Fazenda Nacional, foram bloqueados por conflito de interesses

MAIS UM FIASCO?

Bolsonaro promete 50 embaixadores em reunião para falar de fraude em urnas eletrônicas, mas Estados Unidos, Japão e Reino Unido não confirmam presença

17 de julho de 2022 - 17:16

Os presidentes do STF e TSE também devem faltar ao encontro, convocado pelo presidente para discutir a nunca comprovada fraude nas eleições de 2014 e 2018

ELEIÇÕES 2022

As alianças se consolidam: Rodrigo Garcia e Tarcísio selam acordos na disputa por um lugar no segundo turno em São Paulo

8 de julho de 2022 - 11:55

Tarcísio de Freitas (Republicanos) consegue apoio de Kassab; Rodrigo Garcia (PSDB) fecha com União Brasil

DESESTATIZAÇÃO NA B3

Barrados no baile: com IPO suspenso pela justiça, Corsan e governo do RS estudam medidas para retomar privatização

7 de julho de 2022 - 19:33

Os planos da estatal de saneamento do Rio Grande do Sul foram barrados pelo Tribunal de Contas do Estado, que pede ajustes na modelagem da oferta

POLÊMICA NA ESTATAL

Caixa revela que sabia de denúncia de assédio contra Pedro Guimarães desde maio e aponta presidente interina

30 de junho de 2022 - 20:14

A Corregedoria aguardou até que o denunciante apresentasse um “conjunto de informações” suficiente para prosseguir com a investigação contra Pedro Guimarães

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies