Menu
2019-03-29T10:06:02-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
All-IN

Por que Paulo Guedes precisa ter uma longa conversa com Joaquim Levy

Se ministro da Economia assumir mesmo a articulação política com o Congresso não há mais espaço para erro

29 de março de 2019
7:23 - atualizado às 10:06
O presidente do BNDES, Joaquim Levy, e o ministro da Economia Paulo Guedes,
Joaquim Levy e Paulo Guedes - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O mercado se animou com a notícia dando conta de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai assumir a articulação política com o Congresso em torno da reforma da Previdência. É um legítimo “all-in”, só que as cartas não estão tão claras assim.

Guedes poderia aproveitar a sexta-feira no Rio de Janeiro e conversar longamente com o agora presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, que já esteve na mesma cadeira de Guedes aqui no quinto andar do Bloco P da Esplanada dos Ministérios e se viu obrigado a ir negociar com o parlamento (escrevo do comitê do Ministério).

Isso aconteceu lá no (des)governo Dilma Rousseff, que andava às turras com o então presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que engendrava as famigeradas “pautas-bomba” e dificultava as medidas de ajuste fiscal do então ministro.

Encurtando uma longa história, Levy tentava até sorrir nas reuniões que tinha com deputados e senadores, mas aquele não era o seu ambiente e o que ele costurava de dia, o governo Dilma e seu partido desfaziam à noite. O fim da história todo mundo sabe...

Guardadas todas as diferenças com o momento atual, mas lembrando que, se a história não se repete, ela ao menos rima, a ida de Guedes para o front de batalha político é um movimento com mais riscos que oportunidades.

O ministro é um homem de ideias, um planejador, excelente formador de equipes, mas não parece ter o perfil para o varejo político, nem a paciência necessária para lidar com parlamentares que acham que o juro composto deveria ser abolido do país.

Além disso, a grande questão é qual o grau de autonomia que foi ou será dado a Guedes para fazer negociações e barganhas em nome de Bolsonaro.

O risco é vermos Paulo Guedes sendo desautorizado pelo presidente. Risco que não existia até esse momento.

Ao contrário do que lemos e ouvimos em alguns lugares, Guedes nunca pensou em deixar o governo. Ele e o presidente são da turma “não se render, não recuar”.

Bolsonaro está disposto a colocar um fim ao “Presidencialismo de Coalizão” e não vai ceder, por mais que faça gestos de paz e fale que agora o “céu está lindo”.

Note que ele sempre fala em “dialogar”, “conversar” e não vai além disso, pois tem um compromisso com seu eleitorado, além de não o querer jogar dominó no xadrez.

Guedes reconhece que há um problema de comunicação, algo que ele pode, de fato, ajudar a melhorar, mas não está claro qual será seu raio de ação.

Se a estratégia funcionar e Guedes conseguir encantar o Congresso e explicar a nova política da aliança de centro-direita, veremos uma mudança de paradigma que entra nos livros de história. Se der errado, o governo rifou seu principal ativo, sua “ilha de sensatez”, antes mesmo de completar 100 dias.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

negócio em foco

BofA vê negócio entre Linx e Totvs com sinergias de R$ 3,8 bi

Acionistas da Linx receberiam diretamente 40% do valor das sinergias da fusão com Totvs, diz banco

seu dinheiro na sua noite

Vitória do Ibovespa (no segundo tempo)

“O time no segundo tempo ganhou de 2 a 1.” Foi assim que Fernando Diniz, o técnico do São Paulo, reagiu depois da derrota por 4 a 2 para a LDU no meio da semana e que praticamente eliminou a equipe da Libertadores. Diniz preferiu ignorar os 3 a 0 que o time levou na […]

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements