⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-09T14:35:51-03:00
Beatriz Azevedo Pinto
DE OLHO NAS REDES

Lula vs. Bolsonaro: no ‘vale tudo’ das redes sociais, quem está vencendo? Descubra qual dos candidatos domina a batalha e como isso pode influenciar o resultado das eleições

A corrida eleitoral começou e a batalha por votos nas redes sociais está à solta; veja quem está ganhando

11 de setembro de 2022
7:00 - atualizado às 14:35
Lula vs Bolsonaro como homem de ferro e capitão américa
Montagem mostra Lula vs Bolsonaro como Homem de Ferro e Capitão América - Imagem: Shutterstock / Filme Capitão América Guerra Civil / Marcos Corrêa-PR / montagem Brenda Silva

“Ele não iria mentir, eu o conheço há anos.” Ouvi essa frase de um motorista de aplicativo há alguns meses. Ele falava sobre como uma série de vídeos que recebeu de um conhecido pelo WhatsApp o ajudou a decidir em quem votar para presidente nas eleições de 2018. 

Ele também disse que “todo mundo só falava dele”, referindo-se ao então candidato Jair Bolsonaro. Quando eu perguntei como ele chegou a essa conclusão, a resposta foi: “era só abrir o Facebook que já dava pra ver. Não tinha jeito, o homem ia ganhar”.

O motorista não foi o único. De acordo com uma pesquisa do DataSenado, 45% dos eleitores afirmaram que a decisão de voto foi tomada levando em consideração algum conteúdo visto nas redes sociais

A pesquisa indica ainda que a principal fonte de informação do brasileiro hoje é o WhatsApp. Das mais de 2 mil pessoas que participaram, quase 80% disseram que sempre utilizam a rede para se informar. Para você ter uma noção, a televisão aparece como fonte primária para 50% dos entrevistados, bem ao lado do YouTube. 

As redes sociais que tiveram maior impacto nas eleições de 2018 foram o Facebook (31%), o WhatsApp (29%), o YouTube (26%), o Instagram (19%) e o Twitter (10%). Estamos falando de um campo fértil para políticos, já que o brasileiro gasta em média 41 anos na internet, o que equivale a 54% do tempo de vida médio da população, de acordo com um levantamento da NordVPN. 

Não dá para negar que essas plataformas são uma verdadeira potência na hora de convencer o eleitor. Os candidatos ao pleito deste ano estão bem cientes disso e já entraram no “vale tudo” por votos — principalmente os dos mais jovens, que são mais influenciados pelas redes e fogem dos meios tradicionais para se informar. 

Bolsonaro que o diga. Afinal, ele venceu as eleições de 2018 contando com apenas 8 segundos de televisão, enquanto Geraldo Alckmin teve 5 minutos e mesmo assim não ultrapassou os 5% de votos no primeiro turno. O atual presidente também não contou com o modelo clássico: alto financiamento, estrutura partidária ou palanques estaduais. 

Por outro lado, os adversários acusaram a campanha de Bolsonaro de se beneficiar de disparos em massa de notícias falsas contra o Partido dos Trabalhadores (PT), supostamente financiados por empresários — o que é vedado pela legislação eleitoral pois se trata de doação de campanha por empresas. 

O ano de 2018 marcou uma importante mudança para a campanha eleitoral nesse ambiente: a possibilidade do impulsionamento de publicações. Antes, de acordo com a legislação eleitoral, só era permitido contar com o desempenho orgânico nas redes, o que restringia o alcance em potencial. 

Desde então, várias batalhas vêm sendo travadas nas redes com o objetivo de alavancar os candidatos. Aqui vamos analisar o ‘poder de fogo’ dos dois candidatos que lideram a corrida de acordo com as últimas pesquisas de intenção de voto: Lula e Bolsonaro.

Anitta vs. ‘Veio da Havan’

No ringue das redes sociais, ter um grande influenciador ao seu lado pode ser uma boa carta na manga. De acordo com cientistas políticos consultados pela BBC, as celebridades não são capazes de mudar o resultado de uma eleição, mas são relevantes para a construção do eleitorado, já que contam com milhares de seguidores nas redes sociais.

Com mais de 100 milhões de seguidores no TikTok, Instagram e Twitter, Anitta tem o poder de mobilizar uma avalanche de pessoas e trazê-las para o debate político. Mesmo aqueles que se consideram ‘neutros’ se sentem mais à vontade de retuitar alguma publicação da cantora — que já deixou claro que não é petista e só apoia Lula por ser contrária a Bolsonaro.

O ex-presidente ainda conta como apoio declarado de outros grandes influencers, como Felipe Neto, Pabllo Vittar, Mano Brown, Bianca Andrade (a Boca Rosa) e etc. Todos eles contam com mais de 40 milhões de seguidores no Instagram.

Do outro lado, o influenciador mais fiel do campo bolsonarista é Luciano Hang que, apesar de estar suspenso nas redes sociais por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, também contava com milhões de seguidores nas plataformas e está constantemente ligado a Bolsonaro.

O empresário foi visto, inclusive, ao lado de Bolsonaro durante o discurso em Brasília para o 7 de setembro. O atual presidente também mobiliza outras personalidades, como Gusttavo Lima, Zé Neto, Ronaldinho Gaúcho e outros.

Lula ou Bolsonaro: quem está ganhando no ‘palanque’ das redes?

Cabe lembrar que esta é apenas uma análise da estratégia de redes sociais dos dois políticos e não significa que o vencedor será o campeão das eleições deste ano. Um exemplo disso é o presidente Joe Biden, que tinha cerca de 10% do total de seguidores de Donald Trump em 2020 e mesmo assim levou a faixa presidencial. 

Dito isso, vamos aos números: enquanto Jair Bolsonaro tem 36 milhões de seguidores somados em todas as suas redes, Lula conta com 12 milhões. Claro que alguns se repetem pois podem ser seguidores em mais de uma plataforma, mas a contagem serve para dimensionar o poder de cada um. 

Enquanto Lula ainda engatinha, Bolsonaro já é um ‘macaco velho' nas redes. Ele  conta com uma equipe que sabe bem como mobilizar o público, direcionada por Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, e chamada pelos adversários de ‘gabinete do ódio’. 

Em um breve giro pelas redes sociais do presidente, é possível identificar que ele e a equipe têm uma capacidade impressionante de ‘virar o jogo’. Quando uma pessoa ou instituição publica algo que o contradiz, ele logo se apressa para transformar em piada para seus seguidores. 

Essa estratégia conversa muito com uma das principais estratégias que grandes influenciadores vêm adotando há ao longo dos últimos anos: transformar informação em entretenimento, da maneira mais rápida possível. 

Em especial após o fortalecimento do TikTok, que fez com que outras redes adotassem o modelo de vídeos curtos focados em chamar a atenção, o que gera menor tolerância por parte dos usuários a conteúdos densos e com menor apelo de engajamento. 

Outra estratégia adotada pelas redes de Bolsonaro é bater de frente com influenciadores contrários ao presidente, como Anitta. A cantora havia usado o Twitter para afirmar que as cores da bandeira do Brasil pertencem aos brasileiros e não a um partido político.  

Ele logo a caçoou em uma publicação com tom irônico. A popstar então decidiu  bloquear Bolsonaro nas redes sociais, o que não impediu a conta do presidente de “repercutir” as postagens, mesmo sem conseguir responder diretamente. 

Lula: ruim de Instagram, bom no TikTok

Enquanto isso, Lula ainda parece estar replicando conteúdos feitos para a televisão e com menor potencial de engajamento. Um exemplo está em alguns vídeos de seu Instagram, veja a seguir: 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Luiz Inácio Lula da Silva (@lulaoficial)

Claramente, trata-se de um conteúdo que foi apenas reproduzido nas redes, com baixo apelo no formato que tem bombado na plataforma: o reels.

Enquanto Mark Zuckerberg estiver tentando derrubar o TikTok, os vídeos do Instagram devem seguir a mesma linguagem da rede das ‘dancinhas’. Ou seja, tela preenchida, foco em informações rápidas, fala acelerada e assim por diante.

Inclusive é uma recomendação da própria rede social a priorização de imagens na vertical. Isso porque, como a esmagadora maioria dos conteúdos por lá é feita dessa forma, o usuário se adapta e tende a rechaçar nos primeiros segundos algo que esteja fora do padrão, o que pode prejudicar a distribuição do material. 

Por outro lado, o ex-presidente está se adaptando melhor ao TikTok, onde produz conteúdos com foco nas tendências da rede. No vídeo abaixo, por exemplo, ele usa os influenciadores que o apoiam para gerar engajamento, em um vídeo rápido e divertido, o foco da plataforma e que conversa em especial com os jovens.

@lulaoficial

Descubra qual apoiador do Lula é você! Pausa a tela e comenta aqui👇 #brasildaesperança #lula

♬ MYSTERY GIRL - James Holt

Porém, fica claro que, apesar do esforço de Lula, Bolsonaro ainda leva o prêmio, ao contar com a melhor estratégia de redes sociais, de acordo com o público e a linguagem de cada plataforma.

Enquanto Lula e Bolsonaro brigam nas redes e fora delas, as redes sociais do Seu Dinheiro trazem os highlights da corrida eleitoral

Enquanto a corrida eleitoral está a todo vapor, as redes sociais do Seu Dinheiro trazem os momentos mais importantes em vídeo.

Durante as sabatinas no Jornal Nacional, por exemplo, nós publicamos a cobertura em tempo real das entrevistas com os pontos mais importantes. O mesmo aconteceu no primeiro debate presidencial. 

Então aproveite para nos seguir na página do Instagram (basta clicar aqui), assim você fica por dentro de tudo que está movimentando a disputa pela presidência em 2022.

De quebra, você ainda recebe análises de mercado decisivas para o seu patrimônio, alertas com insights de investimentos e a opinião dos principais analistas e gestores consultados pelos nossos repórteres especiais. Clique aqui e nos siga. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NÃO VAI COLAPSAR?

Ressuscitou? Credit Suisse tenta tranquilizar investidores sobre risco de calote e ações avançam em NY

7 de outubro de 2022 - 12:49

Entre as soluções anunciadas, a instituição financeira recomprará bilhões em dívidas e venderá um famoso hotel de quase 200 anos de história

RECALIBRANDO A CARTEIRA

Rali recente da bolsa brasileira limita potencial de ganhos do Bradesco (BBDC4) e JP Morgan rebaixa ações

7 de outubro de 2022 - 12:38

Com a alta recente e a perspectiva mais conservadora para os resultados do terceiro trimestre, os analistas do JP MOrgan rebaixaram as ações do Bradesco (BBDC4)

CRYPTOSTORM

Ethereum (ETH) killers: três criptomoedas têm chances de vencer a segunda maior moeda do mundo — e duas apostas para o futuro

7 de outubro de 2022 - 12:07

Solana (SOL), Polygon (MATIC) e Cosmos (ATOM), três criptomoedas de infraestrutura ou Layer 2 (L2) que podem superar o ethereum nos problemas das blockchains

geração mais sustentável

Copel (CPLE6) pretende ter 25% de seu portfólio composto por energias renováveis, diz diretor-presidente

7 de outubro de 2022 - 11:48

Para ajudar com essa meta, a Copel (CPLE6) comprou os complexos eólicos Santa Rosa e Mundo Novo (RN) por R$ 1,8 bilhão

Concorrência

Itaú (ITUB4) zera taxa de corretagem para ações, BDRs, ETFs e opções para todos os clientes

7 de outubro de 2022 - 11:21

A zeragem das taxas pelo Itaú pode ser considerada uma resposta às corretoras, que ganharam muitos clientes usando essa tática

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies