Menu
2019-03-25T15:39:05-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
BRIGA COM MAIA

Paulo Guedes: Não tem caos nenhum

Ministro diz que Congresso deve aprovar reforma e este pode ser um ano extraordinário para o parlamentares

25 de março de 2019
15:18 - atualizado às 15:39
Paulo Guedes FGV 15 03 19

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse estar confiante que o Congresso sabe o tamanho do desafio e atuará construtivamente. O ministro reconheceu que há um evidente problema de comunicação em um governo que está chegando, mas que as lideranças políticas vão superar eventuais problemas de comunicação.

Segundo Guedes, “não tem caos nenhum”, tem um pessoal chegando cheio de ideias e outro que já está lá dentro. “Não pode ter toma lá, dá cá. Mas tem que tem conversa”, disse.

Guedes disse que se o presidente (Bolsonaro) não quer dançar de rosto colado porque está uma confusão aí dentro (Congresso), o par diz, “tudo bem, não querer dançar de rosto colado, mas tem que dançar”.

“Bolsonaro sabe que é uma reforma difícil, mas que vai libertar as futuras gerações”, disse Guedes.

Segundo Guedes, este pode ser um ano extraordinário para o Congresso, na definição da nova política, pois aquele sistema antigo ruiu.

O ministro também disse que “na hora de colocar o votinho lá, acredito que teremos a reforma aprovada”, pois o tema interessa a todos, Estados, municípios e a União.

Guedes participa de evento na 75ª reunião geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Pela manhã, Guedes esteve reunido com o presidente Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni (Casa Civil ), general Santos Cruz (ministro da secretaria de governo), e o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Agora à tarde, Guedes tem duas novas reuniões no Palácio do Planalto.

Apagando incêndio

A manifestação do ministro é a primeira fala pública desde o aumento da tensão entre Executivo e Legislativo, que começou na semana passada e entrou pelo fim de semana, com o Bolsonaro trocando farpas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre a articulação política do governo.

Guedes fez menção de falar sobre certas “práticas políticas”, mas disse que não iria fazer uma avaliação e voltou a repetir a sua tese de que o modelo econômico no qual o governo comanda 50% do recursos, por definição, ele corrompe a política. Algo que aconteceu em Cuba, Venezuela e União Soviética.

Ainda de acordo com Guedes, a classe política tem que assumir seu protagonismo via comando dos orçamentos públicos. O ministro questionou se é inteligente da parte da classe política passar um ano discutindo o que tirar da reforma da Previdência.

Para Guedes, seria melhor discutir o “US$ 1 trilhão de dólares que vai sair do chão em barril em petróleo”, em referência aos leilões do pré-sal.

O ministro também voltou a falar que uma economia menor de R$ 1 trilhão ao longo de 10 anos é um "saque contra" as gerações futuras. "Quem votar contra está contra gerações futuras e está a favor do colapso fiscal. É simples assim, você pode colocar a roupa política que quiser", disse o ministro.

O presidente da FNP, Jonas Donizette, disse a Guedes que os prefeitos declaram apoio público e expressivo à reforma da Previdência. Com reforma aprovada, segundo Donizette, municípios terão economia de R$ 32 bilhões em quatro e em 10 anos, a economia vai a R$ 150 bilhões.

Donizette também manifestou, em nome dos prefeitos, preocupação as declarações desencontradas do Executivo e Legislativo, dizendo que esse trabalho político é muito importante.

“Temos muita confiança no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que tem propósito de aprovar o projeto, compreende a importância do projeto e temos preocupação desse ambiente político”, disse Donizette.

'Inteligente, sofisticada e sábia'

Guedes disse estar “absolutamente confiante” e deitou elogios à classe política, que é “inteligente, sofisticada e sábia”, por ter se adaptado a um sistema de financiamento que colapsou. Para Guedes a classe política “vai se adaptar” ao novo momento.

Ele se diz otimista pelos sinais que recebe da própria interação que tem com os parlamentares. Para Guedes, dentro de três a quatro meses tudo pode estar resolvido e “vocês [prefeitos] poderão ir para uma eleição com um ano de notícias positivas para frente. Todos na classe política vão se beneficiar”.

Guedes disse que “precisamos de muita ajuda, todos tem de ajudar, estamos pedindo ajuda para todo mundo, para parente do presidente, pedindo que vocês conversem com os deputados”.

Vencida a etapa da reforma da Previdência, Guedes disse que o próximo passo é a PEC do Pacto Federativo, que vai fazer “algo dramático”, transferindo até 70% das receitas para Estados e municípios ao longo do tempo.

Depois da explanação do ministro, Donizette voltou a destacar a importância da afinidade com o Congresso. Segundo Donizette, Bolsonaro pode manter a postura que ele quiser, mas ele não pode “não interagir” com os parlamentar, e achar que seu papel acaba com o envio da proposta.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, pediu para que Guedes seja um articulador político, por mais que o perfil do ministro seja mais técnico. “Com um Congresso que não tem como dizer não, ou aprova ou racha”, disse Virgílio.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

espaço para mais ganhos

Credit Suisse vê Totvs protegida contra inflação e aponta impulso com PIB

Analistas do banco lembram que empresa repassa a alta dos preços para os contratos anuais; papéis TOTS3 já subiram mais de 80% no último ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies