Menu
2019-04-20T14:02:38-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Guedes não recua e não se rende na CCJ

Ministro foi com um objetivo, defender a constitucionalidade do pretendido regime de capitalização. Foi agredido e revidou, levando a ferro e fogo o lema de sua equipe

4 de abril de 2019
5:07 - atualizado às 14:02
Paulo Guedes na CCJ
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Já falei outro dia que o lema do ministro da economia Paulo Guedes é não recuar e não se render. E foi exatamente a isso que assistimos ao longo de pouco mais de 6 horas, ontem, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O epílogo, com o bate-boca envolvendo “tigrão”, “tchutchuca”, “mãe”, “avó” e quase vias de fato, pode acabar por eclipsar o que foi o gesto político mais relevante.

A chegada do ministro à comissão com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e com uma penca de deputados do chamado centrão. Guedes chegou com os votos, todo o resto é um jogo de cena.

Nesse jogo de cena, a percepção é de que a oposição levou a melhor. De fato, a oposição montou esse cenário e soube pilotar boa parte do espetáculo. Fez os requerimentos da audiência, colocou os seus para serem os primeiros na lista de inscrição, entrou na fila pouco antes das 13 horas para pegar os primeiros lugares na CCJ.

Por isso, quem assistiu às primeiras horas da audiência ficou com a clara impressão de que Guedes estava sozinho. No fim, cerca de 40 deputados falaram, sendo pouco menos da metade da base.

Guedes, no entanto, se disse seguro e otimista, pois sabe que tem apoio e que o Congresso, mesmo fazendo cortes e correções, vai votar a medida.

Cenas ou rounds

O ministro também soube se colocar em cena. Reagiu ao primeiro ataque, mas logo recuou, falando que estava errado ao interagir, pois os deputados tornam a discussão técnica sobre as vantagens da mudança de sistema “em outra coisa”.

“Não cabe a mim entrar no debate político. Tenho que dar explicações técnicas e os senhores decidem. Não preciso me exaltar, desculpem”, disse.

Do segundo ato, ou round, para frente, Guedes soube se colocar, entendeu que ninguém está muito preocupado com os fatos, mas com fazer cena ou falar com seu eleitorado. A primeira lição no mundo dos investimentos, do qual Guedes é egresso, é sobreviver. E foi isso que ele fez.

Intercalando toques técnicos, com pancadaria para cima do PT e outros partidos de oposição, o ministro falou que o partido esteve por 16 anos no poder e não fez as medidas que cobrava, como tributação de dividendos, além de aumentar gastos com subsídios e financiar empresários riscos. A plateia aplaudiu.

Em um dos pontos altos, rebateu a crítica sobre o modelo proposto aos militares, que além de assistência também veio com uma revisão de carreiras. “Militares? Cortem vocês. Vocês são o Congresso Nacional. Vocês estão com medo?”

Conselho a Arminio Fraga

Ao longo de boa parte da fala dos deputados, seja da base, independentes ou de oposição, me vinha à mente um conselho que o ex-presidente Fernando Henrique Cardos (FHC) deu ao então postulante ao cargo de presidente do Banco Central, Arminio Fraga, que seria sabatinado pelo Senado.

“O Brasil não gosta do sistema capitalista. Os congressistas não gostam do capitalismo, os jornalistas não gostam do capitalismo, os universitários não gostam do capitalismo. Eles não sabem que não gostam do sistema capitalista, mas não gostam. Eles gostam do Estado, eles gostam de intervenção.”

Mas aí fui surpreendido pela colocação do próprio Guedes, de que o presidente e a tentativa de um modelo liberal chegaram até aqui por meio do voto. Como diz Guedes, o pessoal falou “pera aí”, depois dos 30 anos de centro-esquerda, ponto que ele sempre aborda em suas apresentações. Será que desta vez será diferente?

Ponto objetivo

Guedes tentou mostrar aos deputados que não há escolha, o atual sistema já faliu. Ou se refunda o sistema previdenciário ou em três ou quatro anos estaremos, novamente, discutindo uma “reforma”.

No seu plano, esse arranjo passa por reformar o sistema atual de repartição, que é solidário, para um regime de capitalização. O ponto aqui é a solidariedade, Guedes tentou mostrar que o que se pede é solidariedade nossa para com filhos e netos e não apenas com os idosos que já trabalharam.

Guedes pede, no entanto, a coisa mais difícil para os parlamentares: fazerem uma escolha entre o voto certo ou quase certo na próxima eleição por um futuro que pode se mostrar brilhante.

Pragmático, Guedes disse que ser contra uma reforma, não necessariamente a atual, é “caso para internação” e que se o Congresso optar por não fazer uma reforma ou fazer um ajuste muito tímido, ficará clara a opção por comprometer as gerações futuras.

“Somos solidários, mas não podemos ser contra a aritmética, contra o juro composto”, disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements