Menu
2019-06-19T10:07:59-03:00
Presença ilustre

CCJ do Senado recebe o ministro Sergio Moro nesta quarta-feira para esclarecimento sobre mensagens vazadas

Mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram mostram conversas entre Moro, então juiz, e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, sobre procedimentos e decisões em processos da operação

19 de junho de 2019
8:52 - atualizado às 10:07
Sérgio Moro
Sérgio Moro - Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado recebe nesta quarta-feira (19) o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para esclarecimentos sobre as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil.

As mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram, que tiveram sua primeira divulgação no dia 9 de junho, mostram conversas entre Moro, então juiz, e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, sobre procedimentos e decisões em processos da operação.

Novas mensagens

Em nova série de reportagens divulgadas nesta terça-feira (19) pelo site The Intercept Brasil, o atual ministro da Justiça aparece questionando o procurador da República Deltan Dallagnol sobre uma investigação envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).  Nas mensagens, Moro afirma que a apuração poderia "melindrar" alguém cujo apoio era importante para a operação.

O diálogo teria acontecido em 13 de abril de 2017, após a imprensa divulgar que a força-tarefa havia enviado à Procuradoria da República em São Paulo dados sobre supostas doações eleitorais via caixa 2 para campanhas eleitorais de FHC em 1994 e 1998.

O TIB também publicou troca de mensagens entre procuradores nos quais eles concluem que a investigação sobre doações de Grupo Odebrecht para o Instituto Fernando Henrique Cardoso se resumiria a um crime tributário. O argumento poderia enfraquecer a acusação contra o Instituto Lula e a Lils, a empresa de palestras e eventos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), também investigados pela força-tarefa. Segundo o site, FHC foi citado em nove oportunidades pelos procuradores.

Estratégia

O ministro Sergio Moro terá 30 minutos para fazer uma exposição inicial do caso e após o tempo, cada senador terá 5 minutos para fazer perguntas. Moro terá o mesmo tempo para a réplica, além de mais dois minutos para a tréplica.

Os membros governistas da CCJ planejam atacar a invasão de celulares e defender os contatos entre magistrados e procuradores.  A oposição, no entando, planeja focar no conteúdo das mensagens divulgadas

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

caso de fevereiro

Guedes ‘excedeu barbaramente’ limites ao comparar servidor a parasita, diz juíza

Cláudia da Costa Tourinho Scarpa, da 4ª Vara Federal Cível da Bahia, afirmou que o ministro da Economia ‘insultou’ os servidores públicos

em recuperação judicial

Justiça dos EUA libera empréstimo de US$ 2,4 bi da Latam

Nova proposta retirou cláusula questionada por minoritários

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements