Menu
2019-05-08T07:41:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sem tigrão e tchutchuca

PSL se prepara para blindar Guedes na Comissão Especial

O plano é tentar “monopolizar” o início do debate e evitar a impressão de que a reforma tem mais opositores do que apoiadores

8 de maio de 2019
7:41
Ministro Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Isac Nóbrega/PR

A bancada do PSL se prepara para blindar o ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão Especial que debate a reforma da Previdência. Os deputados do partido de Jair Bolsonaro planejam ocupar as primeiras fileiras no plenário e colocar seus nomes no topo das inscrições para o debate.

A estratégia é chegar bem cedo à Câmara mesmo que isso renda horas de espera aos parlamentares, já que a sessão está prevista para começar somente no início da tarde. O plano é tentar "monopolizar" o início do debate e evitar a impressão de que a reforma tem mais opositores do que apoiadores. Ao longo da sessão, a estratégia é alternar falas com as da oposição.

Os deputados do PSL acreditam que, desta vez, estarão mais bem preparados para a discussão, já que vêm tendo aulas com técnicos do governo sobre a reforma.

Sem tigrão e tchutchuca

A preocupação do grupo de parlamentares é não repetir os erros de articulação que levaram Guedes a sofrer com um bombardeio da oposição quando foi falar à Comissão de Constituição e Justiça.

A audiência no início de abril acabou em briga. As primeiras cinco horas foram completamente dominadas pela oposição. Ao final, o ministro caiu na provocação do deputado Zeca Dirceu (PT-PR) que o acusou de ser "tigrão" com os aposentados, idosos de baixa renda e agricultores, mas "tchutchuca" com privilegiados do Brasil.

Na época, a bancada do PSL e a articulação do governo foram criticadas por falta de traquejo para lidar com a oposição. Agora, na Comissão Especial, a responsabilidade dos parlamentares governistas é maior. É nessa etapa que a reforma da Previdência pode ser "desidratada", o que coloca em risco a meta do governo de economizar ao menos R$ 1 trilhão em dez anos.

Líder de Bolsonaro no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP) disse que Paulo Guedes estará "blindadíssimo com uma turma ao redor dele". Presidente da CCJ e membro da Comissão Especial, Felipe Francischini (PSL-PR) afirmou que a bancada estará organizada: "Não permitiremos bravatas".

O coordenador da bancada na Comissão Especial, Alexandre Frota (PSL-RJ), chegou a pedir na sessão de ontem para que os deputados não xinguem o ministro. "Guedes é extremamente preparado", disse. "O que ele precisa é ter tranquilidade."

Sem desaforo 

A equipe econômica também traçava estratégias às vésperas da audiência. Guedes se reuniu com seu time de comunicação ontem para falar sobre a comissão. Um assessor disse que a ideia é ele manter-se tranquilo diante de provocações, mas que não levará "desaforo para casa".

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, também vai à comissão hoje e recebeu treinamento da comunicação. Marinho tentou ontem, inclusive, encorpar a articulação para blindar a equipe econômica. No Congresso para falar sobre a medida provisória antifraudes, aproveitou para arregimentar tropas. Ao deputado João Roma (PRB-BA), por exemplo, disse que seria importante a presença dele na comissão, apesar de Roma nem estar no colegiado.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Prévia da semana

B3, Cosan, Suzano, JBS e mais de 20 empresas do Ibovespa divulgam resultados; veja o que esperar

Efeitos da crise do coronavírus devem se manifestar de formas diferentes nos balanços das gigantes da bolsa previstos para esta semana

Gestão na crise

Ouro e euro: a combinação do BTG Pactual para proteção e reserva de valor na crise

Fundamentos para alta do ouro continuam válidos, mas não espere um “boom” do metal após valorização recente, diz José Lúcio do Nascimento, sócio e gestor da BTG Asset

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements