Menu
2019-09-24T15:39:03-03:00
Mais um adiamento

Votação da reforma na CCJ e no plenário do Senado é adiada para semana que vem

Em uma reunião realizada nesta manhã com líderes até mesmo da oposição e a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), ficou acertado que a pauta será votada pelo colegiado na próxima terça-feira (1º de outubro) e pelo plenário da Casa, na quarta-feira

24 de setembro de 2019
11:59 - atualizado às 15:39
CCJ Senado Previdência
Imagem: Marcos Oliveria/Agência Senado

Em resposta à operação da Polícia Federal realizada contra o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), na semana passada, líderes da Casa decidiram cancelar a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) desta terça-feira, 24, que votaria a nova versão do relatório da reforma da Previdência e liberaria a proposta para ser votada em plenário. A articulação pela derrubada da reunião foi antecipada pelo Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

  • Importante: Fausto Botelho, um dos maiores especialistas de análise gráfica do Brasil, está reunindo um grupo para ganhar ao lado dele. Você pode conseguir um lugar. Veja como aqui.

A cúpula do Senado considerou a ação como "abuso de autoridade" e decidiu reagir.

Em uma reunião realizada nesta manhã com líderes até mesmo da oposição e a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), ficou acertado que a matéria será votada pelo colegiado na próxima terça-feira (1º de outubro) e pelo plenário da Casa, na quarta-feira, 2.

"O calendário será mantido. Os líderes se comprometeram a votar o segundo turno da proposta em plenário até o dia 10 de outubro, como estava acordado anteriormente", afirmou Simone Tebet.

A senadora, no entanto, considerou a manobra um "erro de estratégia" por considerar que a comissão poderia deliberar sobre o tema ainda nesta terça, mesmo que os líderes quisessem ir ao STF. Durante a reunião, ela e o relator da proposta, Tasso Jereissati (PSDB-CE), discordaram da decisão da maioria.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e outros senadores devem ir daqui a pouco ao Supremo Tribunal Federal para conversar com o presidente da Corte, Dias Toffoli, sobre a suspensão da liminar contra a busca e apreensão realizada no Congresso Nacional, no gabinete de Bezerra.

De acordo com a assessoria de Alcolumbre, o trajeto entre o Senado e o STF será realizado a pé.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

para enfrentar a crise

Embraer quer implementar PDV para funcionários em licença remunerada

Desde março, a fabricante de aeronaves já adotou trabalho remoto integral (home office), concessão de férias coletivas, suspensão de contratos de trabalho e redução de jornada, por conta da crise causada pela pandemia

questões do emprego

Governo estuda novo marco do trabalho com menores custos de contratação

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse que o governo está trabalhando em um novo marco do trabalho, com redução de custos para contratação

meta da infraestrutura

Governo quer fazer três concessões e 11 arrendamentos portuários até fim do ano

Entre as concessões planejadas, está a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), cujo edital deve ser publicado até o fim do 3º trimestre, segundo a pasta

contas públicas

Ministério da Economia passa a estimar déficit do setor público de R$ 828,6 bilhões

Em maio, a estimativa era de resultado negativo de R$ 708,7 bilhões

ECONOMIA INTERNACIONAL

EUA deve ampliar estímulos; Trump pede corte de impostos ‘com urgência’

O presidente Donald Trump pediu cortes de impostos “com urgência”, enquanto o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciou mais apoio fiscal a empresas atingidas pela crise do novo coronavírus, embora não tenha detalhado prazos ou valores.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements