Menu
2019-03-27T23:42:37+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Brincadeiras, tempestades e tiros no Planalto Central

Relação entre Executivo e Legislativo se mostra binária: ou se chega à nova política prometida pelo presidente ou não teremos política alguma

28 de março de 2019
5:17 - atualizado às 23:42
Presidente, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia no CCBB.
Presidente, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia no CCBB. - Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Não recuar, não se render. Nós fizemos uma promessa. Nós juramos que vamos nos lembrar para sempre.

Esse é um trecho da letra “No Surrender” de Bruce Springsteen e já foi utilizada mais de uma vez pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para traduzir o lema de sua equipe nas reuniões.

Esse mesmo lema serve para embalar o que parece ser um interminável imbróglio entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que se arrasta desde a sexta-feira da semana passada.

A quarta-feira foi pródiga em troca de caneladas. Bolsonaro fala em “tempestade em copo d’água” sobre as reclamações quanto à articulação política, manda beijos aos congressistas em programa de TV e “cutuca” dizendo que Maia pode estar abalado por questões pessoais.

Maia não se faz de rogado e manda o petardo de volta, dizendo que Bolsonaro está “brincando de presidir” e que somos nós, os brasileiros, que estamos abalados, esperando desde janeiro que o Brasil comece a funcionar.

Informado da réplica do deputado, Bolsonaro diz que as declarações são irresponsáveis e que não são palavras de uma pessoa que conduz uma Casa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Encerrando o dia (ao menos até onde acompanhei), Maia fez um aceno de trégua. “Eu faço um apelo ao presidente que pare, chega, peça ao entorno para parar de criticar”. O entorno aqui é grande e inclui, certamente, Olavo de Carvalho que tem feito postagens deselegantes envolvendo Maia e partes pudendas.

Para o presidente da Câmara, o Brasil perde, a bolsa está caindo e a expectativa positiva dos investidores está ficando menor. E ele tem razão, esse atrito entre Executivo e Legislativo se soma a uma piora de ambiente externo lembrando ao povo dos 100 mil pontos que renda variável, varia...

Enquanto Bolsonaro e Maia trocavam chumbo, quem falava de tiros e balaços era o ministro Paulo Guedes, que ficou 5 horas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, depois de ter cancelado sua participação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na terça-feira.

Guedes já disse ser “direto, rasgado e transparente” e foi isso mesmo que ele foi ao falar que não foi à CCJ pois iria tomar tiro nas costas de aliados, pedradas da oposição e da base e balaços de quem deveria fazer sua escolta.

“Algo está falhando entre nós”, resumiu o ministro. Mas antes, rendeu homenagens a Maia, que “está sendo construtivo com relação a minha pessoa”.

Guedes também foi direto ao falar que a aprovação da PEC que mudou regras orçamentárias em velocidade assustadora, para Brasília, foi sim uma demonstração de poder de uma Casa, uma exibição de poder político.

O ministro sempre faz uma pose de quem pouco sabe de política, dizendo que está chegando agora, ou que veio de Marte. Mas sabe muito bem que nada acontece de graça ali no Congresso, que mandou um recado alto e claro.

Segundo o ministro, há um choque de acomodação e é exatamente isso que estamos vendo, todo choque gera ruído, calor, desgaste e somente termina com um deslocamento.

De acordo com Guedes, o grupo que chega não sabe onde está a cadeira e o grupo que está aqui dentro fala que tem de conversar para poder sentar na janela.

Antes, Guedes já tinha dito que há uma dificuldade de comunicação, pois “há uma ruptura no sistema de alianças”, no que poder ser interpretado como o fim do "Presidencialismo de Coalizão", como falamos aqui.

Bolsonaro não vai se deslocar, recuar e muito menos se render. "Não vou jogar dominó com o Lula e o Temer no xadrez", teria dito o presidente, segundo a "Folha de S.Paulo", em frase que sintetiza o "no retreat, no surrender".

Guedes sabe disso e também não deve abandonar o barco. Isso só ocorrerá, segundo ele, se o presidente parar de apoiar as agendas que servem ao país e foram propostas por uma aliança de centro-direita ainda não compreendida, depois da hegemonia da centro-esquerda nos últimos 30 anos.

Como a reforma da Previdência se coloca como algo binário (chance de um novo país ou implosão da máquina pública), a relação entre Executivo e Legislativo também está se mostrando binária: ou se chega à nova política prometida pelo presidente ou não teremos política alguma.

Traduzindo para o mundo dos investimentos, os riscos são cada vez mais assimétricos. Contrastando grandes perdas com ganhos que tenderiam ao infinito.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements