2019-04-17T07:12:25-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

China, Petrobras e Previdência no radar dos mercados

PIB chinês cresce mais que o esperado no 1T19, mas não empolga mercados no exterior. Aqui, episódios políticos envolvendo Petrobras e Previdência ditam rumo dos negócios

17 de abril de 2019
5:36 - atualizado às 7:12
Proximidade do feriado da Páscoa em várias partes do mundo reduz liquidez

Pode acreditar, a China cresceu mais que o esperado no primeiro trimestre deste ano, em 6,4%, mantendo o ritmo de expansão observado ao final do ano passado. Mas os números - sempre vistos com desconfiança - não chegam a empolgar o mercado internacional. A agenda econômica está carregada hoje no exterior, enquanto aqui os episódios políticos envolvendo Petrobras e a reforma da Previdência continuam ditando o rumo dos negócios.

O mercado financeiro brasileiro deve respirar aliviado com a decisão do governo de não intervir na política de preços da petrolífera. Segundo o ministro Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro entendeu como ela funciona e não vai mais interferir nessa prática. Ainda assim, a ameaça de uma nova paralisação dos caminhoneiros persiste, até porque não há novidades sobre a tabela de frete, com um valor mínimo para o transporte de carga.

Segundo lideranças de caminhoneiros, o pacote anunciado ontem pelo governo foi visto como uma “cortina de fumaça”, incapaz de adiar uma possível greve em breve. Até porque as principais reivindicações da categoria - o tabelamento do frete e a redução do preço do diesel - não foram contempladas. Ainda segundo Guedes, a Petrobras é livre para definir o reajuste dos combustíveis. E o estopim pode vir, então, no próximo aumento.

É hoje?

Outro assunto que chama a atenção dos investidores é a discussão das novas regras para aposentadoria na comissão da Câmara. Após 12 horas de discussão ontem, a CCJ encerrou o debate sobre a reforma da Previdência e pode tentar votar hoje o parecer sobre a proposta do governo. Uma nova sessão foi marcada para as 10h de quarta-feira e os deputados querem iniciar a votação antes do feriado.

Mas a tarefa não deve ser fácil. Ainda mais, diante da desarticulação política do governo, que tem ficado cada vez mais evidente e começa a assustar. Enquanto a oposição usa todo o tempo a que tem direito para discursar, em uma tentativa de arrastar ao máximo a votação e obstruir a sessão, aliados do presidente, como PSL e Novo, tem tentado defender abertamente as propostas, impedindo que as deliberações sejam mais rápidas.

É preciso, portanto, economizar horas de debate, abrindo caminho para o andamento da reforma da Previdência na Câmara. Aos poucos, os governistas se dão conta disso, mas não se trata de uma garantia de que a votação irá se concretizar hoje. A oposição deve seguir obstruindo a pauta, tentando avançar o máximo possível para jogar o debate para depois da Páscoa, sendo que o feriado prolongado no Congresso começa amanhã.

No exterior, China conduz

O Produto Interno Bruto (PIB) chinês cresceu 6,4% nos três primeiros meses de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, acima da previsão de +6,3%. O número repetiu a expansão registrada ao final do ano passado, na mesma base de comparação, mas, mesmo assim, é o ritmo mais lento de crescimento do país desde 2009.

Os números, porém, sugerem que os esforços de Pequim para reverter a desaceleração da segunda maior economia do mundo estão ganhando tração. Apenas em março, a produção industrial chinesa cresceu 8,5%, em base anual, enquanto as vendas no varejo avançaram 8,7% e os investimentos em ativos fixos acumulam alta de 6,3% no início deste ano.

Todos os indicadores vieram acima do esperado. As bolsas na Ásia, porém, não se animaram muito. Hong Kong fechou de lado, com um leve viés negativo, ao passo que Tóquio e Xangai tiveram ligeiros ganhos. Em Wall Street, os índices futuros em Nova York também exibem altas moderadas, deixando a abertura do pregão europeu na linha d’água.

As ações de mineradoras pesam na Europa, reagindo ao tombo nos preços do minério de ferro negociados na China. O petróleo, por sua vez, volta a subir forte, beneficiado pelo dólar mais fraco, que perde terreno para as moedas de países desenvolvidos. Nos bônus, o juro projeto pelo título norte-americano de 10 anos (T-note) está na máxima em um mês.

Dia de agenda cheia

A agenda econômica desta quarta-feira está carregada de indicadores, porém sem grandes destaques. No exterior, as atenções se voltam para a leitura final do índice de preços ao consumidor (CPI) na zona do euro em março, logo cedo, e também para o Livro Bege do Federal Reserve, à tarde (15h).

Além disso, o calendário externo traz também dados de atividade no Japão, índices de preços no Reino Unido e sobre as contas externas na região da moeda única. Nos EUA, destaque ainda para a balança comercial (9h30) e os estoques no atacado (11h), ambos referentes ao mês de fevereiro, além dos estoques semanais de petróleo (11h30).

Já no Brasil, a agenda econômica perde força e traz apenas a prévia do IGP-M deste mês (8h) e os números parciais sobre a entrada e saída de dólares do país até a sexta-feira passada (12h30). O levantamento será importante para aferir a reação do investidor estrangeiro à decisão do governo de suspender o reajuste do diesel pela Petrobras.

Na última sexta-feira, dia em que as ações da petrolífera registraram forte queda, reagindo à postura intervencionista do presidente Jair Bolsonaro, os “gringos” retiraram mais de R$ 2 bilhões da renda variável nacional. Foi a segunda maior saída diária de capital externo na Bolsa em 2019.

Eventos como o envolvendo a Petrobras e o atraso da reforma da Previdência na Câmara elevam a tensão no mercado doméstico, adiando o retorno maciço dos recursos externos. Afinal, o “gringo” ainda não voltou ao Brasil por causa do ceticismo com a gestão Bolsonaro e da desconfiança com a Previdência, dada a frustração no governo Temer. A conferir.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional