Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-16T06:14:41-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

China segue no radar, agora com dados de atividade

Crescimento da indústria e do varejo chinês acima do esperado em novembro mantém o apetite por risco no mercado financeiro

16 de dezembro de 2019
5:36 - atualizado às 6:14
CHINASALVA
Mas a última semana cheia do ano deve perder ritmo, com proximidade das festas

Dados fortes sobre a atividade na China abrem a semana, que promete ser mais lenta, com o mercado financeiro perdendo ritmo à medida que se aproximam as festas de fim de ano. Os investidores tendem a deixar as mesas de operações, enxugando a liquidez dos negócios. Com isso, os últimos dias deste ano deve ser dedicados aos ajustes finais, ainda digerindo o encaminhamento das duas principais incertezas geopolíticas no mundo.

As principais bolsas asiáticas nem festejaram o acordo comercial da China com os Estados Unidos, anunciado na sexta-feira passada. A sessão na região foi mista, com Tóquio e Hong Kong cedendo, ao passo que Xangai subiu 0,6%, com muitos ainda se perguntando se é possível chamar mesmo de acordo os compromissos assumidos por Pequim, em relação às compras agrícolas e à tecnologia. 

Afinal, o caminho para um tratado abrangente ainda é distante e incapaz de restaurar completamente a confiança dos mercados. Seja como for, o governo chinês informou ontem o adiamento de tarifas punitivas contra automóveis e outros produtos fabricados nos EUA, após a fase um do acordo. Com isso, a escalada da tensão entre as duas maiores economias do mundo fica fora de questão.

Agora, os investidores iniciam a contagem regressiva para 2020. E os números melhores que o esperado da atividade chinesa mostram a resiliência da economia do país, alimentando perspectivas favoráveis em relação ao crescimento global no novo ano. A produção industrial chinesa cresceu 6,2% no mês passado em relação a um ano antes, acelerando-se após a alta de 4,7% em outubro, na mesma base de comparação.

A previsão era de aumento de 5,0% da indústria chinesa. Já as vendas no varejo avançaram 8,0% no mês passado, de +7,2% no mês anterior e ante estimativa de +7,6%. Por fim, os investimentos em ativos fixos nas áreas urbanas acumulam aumento de 5,2% nos 11 meses deste ano, conforme previsto. Esses números, juntamente com o acordo comercial entre Washington e Pequim, aliviam as preocupações em relação à China.

Essa sensação sustenta os índices futuros das bolsas de Nova York em alta, embalando a abertura do pregão europeu, antes de uma série de indicadores sobre a atividade nos dois lados do Atlântico Norte, ao longo da manhã (leia mais abaixo). À espera desses números, o petróleo oscila em baixa.  

Entre as moedas, a libra estende os ganhos, diante do otimismo em relação a um desfecho para o Brexit, e o yuan chinês (renminbi) sobe, após o Banco Central chinês (PBoC) fixar a mais forte taxa de referência diária em quatro meses. Entre os bônus, o rendimento (yield) dos títulos norte-americanos segue firme, com a trégua na guerra comercial favorecendo a pausa prolongada no juro pelo Federal Reserve.

Semana de agenda cheia

Novos indicadores preliminares sobre a atividade nos setores industrial e de serviços em dezembro nos EUA e na zona do euro serão conhecidos já nesta segunda-feira. No Brasil, a semana começa com as tradicionais publicações do dia: o relatório de mercado Focus (8h25) e os dados semanais da balança comercial (15h). 

Também será conhecido o resultado do primeiro IGP de dezembro, o IGP-10 (8h). Nos próximos dias, no exterior, saem números sobre o setor imobiliário norte-americano, a confiança do consumidor nos dois lados do Atlântico Norte e a leitura final do PIB nos EUA. Também merece atenção a reunião do Banco Central da Inglaterra (BoE).  

Por aqui, os destaques ficam com as publicações do Banco Central. Amanhã, será conhecida a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom). Na quinta-feira, é a vez do Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Juntos, ambos os documentos devem calibrar as expectativas em relação ao rumo da Selic. 

Ainda no Brasil, também merece atenção a prévia de dezembro do índice oficial de preços ao consumidor brasileiro, que sai na sexta-feira. O IPCA-15 deve continuar mais “salgado”, diante da alta nos preços das carnes (bovinas, frango etc.). Ainda assim, o IPCA deve encerrar 2019 em 4,0% - portanto abaixo do alvo perseguido pelo BC, de 4,25%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

FINAL DE ANO TURBINADO

Cosan (CSAN3) vai pagar R$ 700 milhões em dividendos e você tem apenas mais uma semana para garantir a bolada; entenda

O pagamento deverá cair na conta dos acionistas até o dia 28 de novembro; veja o que é preciso fazer para ter direito ao montante

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa emplaca mais um dia de alta, Brasil se destaca entre os países mais desiguais do mundo e surge uma nova estrela no mundo cripto; confira os principais destaques do dia

Depois de livrar o Ibovespa de muitos apuros no primeiro semestre e sustentar o índice no azul mesmo diante dos problemas político-fiscais e econômicos enfrentados pelo país, a alta histórica do minério de ferro se transformou em um movimento de queda livre. Não por acaso, nos últimos meses a bolsa brasileira renovou as mínimas do […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa aproveita alta das commodities e do mercado internacional para emplacar quarto pregão de alta; dólar recua mais de 1%

O alívio com a variante ômicron e a calmaria no noticiário político ajudam o Ibovespa a buscar recuperação na reta final de 2021

Oportunidade animal

Seu bichinho de estimação pode render na bolsa: Petz (PETZ3) vai acelerar aquisições após oferta de ações

Depois de colocar R$ 700 milhões no bolso, a empresa tem uma série de ativos sendo analisados, segundo o fundador e presidente da empresa, Sergio Zimerman

EXPORTAÇÕES MAIS CARAS

Gasolina mais barata? Projeto de lei quer estabilizar preço dos combustíveis; medida não assusta e ações da Petrobras (PETR4) sobem

Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou, nesta terça-feira, projeto de lei estabelecendo alíquotas mínimas para o imposto de exportação que incide sobre o petróleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies