Menu
2019-12-09T06:13:31-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Agenda define rumo dos mercados

Expectativa por decisão do Fed e do Copom, na quarta-feira, e por acordo comercial entre EUA e China antes do dia 15 marcam início da semana

9 de dezembro de 2019
5:25 - atualizado às 6:13
agendadefinefuturo
Enquanto aguardam definição, mercados têm oscilações estreitas, sem rumo único

O mercado financeiro inicia a semana de modo arrastado, com os investidores em compasso de espera pelas decisões dos bancos centrais do Brasil (Copom) e dos Estados Unidos (Fed), na quarta-feira. Até lá, os ativos globais devem ter oscilações laterais, em meio à expectativa também pelo desfecho da guerra comercial, diante da proximidade do prazo final para uma nova rodada de tarifas norte-americanas contra produtos chineses.

Juntos, esses eventos irão determinar o cenário para a economia mundial no novo ano, mas boa parte dessas questões já estão precificadas no mercado. Os investidores acreditam que tudo vai caminhar bem, com a postura dos BCs e a relação entre EUA e China se alinhando corretamente, o que permitiria tirar do caminho os obstáculos que ainda impedem uma corrida desenfreada por ativos mais arriscados.

Enquanto aguardam um encaminhamento desses eventos, os mercados internacionais ainda repercutem os números robustos do payroll, divulgados na última sexta-feira. As principais bolsas asiáticas tentaram pegar carona nos ganhos em Wall Street ao final da semana passada, mas prevaleceu a apreensão quanto à possibilidade de EUA e China chegarem a um acordo antes do dia 15, quando novas tarifas entram em vigor.

Com isso, Xangai e Hong Kong tiveram oscilações laterais, ao passo que Tóquio e Seul  subiram 0,3%, cada. Em Nova York, os índices futuros das bolsas estão na linha d’água, mostrando fôlego curto para seguir em alta na esteira do dados de emprego nos EUA, diante das dúvidas quanto aos riscos que a ausência de um acordo comercial pode trazer à economia norte-americana. As principais praças europeias amanheceram com leve baixa.     

Após a criação de vagas acima do esperado em novembro combinada com a inesperada queda na taxa de desemprego e a desaceleração no ganho médio por hora trabalhada, o Federal Reserve deve ficar em “stand-by” por um período muito mais prolongado. As chances de corte na taxa de juros norte-americana em 2020 caíram drasticamente, com os investidores se dando conta de que o risco de uma recessão nos EUA é cada vez menor.

E a Selic?

No Brasil, a melhor percepção sobre a economia, após os dados de atividade na semana passada, combinada com os choques inflacionários recentes e o real mais depreciado elevam as chances de pausa no ciclo de cortes na Selic neste mês. Mas o processo de recuperação econômica, que deve ser reforçado por novos indicadores domésticos nesta semana, e a queda do dólar para abaixo de R$ 4,15 na sexta-feira calibram as apostas.

Há quem diga que ainda há espaço para o juro básico cair a até 4%. De qualquer forma, os sinais de retomada do crescimento econômico brasileiro impulsionam a Bolsa, com os fluxos locais (fundos de pensão e pessoais físicas) mantendo o apetite por ações, o que garantiu ao Ibovespa cinco sessões seguidas de alta neste início de dezembro - renovando a pontuação recorde (de fechamento e intraday) nos últimos três pregões. 

Com isso, merecem atenção as revisões nas estimativas do mercado financeiro para as principais variáveis macroeconômicas, trazidas no boletim Focus (8h25). Um pouco antes, sai o resultado de novembro do IGP-DI (8h). À tarde, é a vez dos dados preliminares da balança comercial em dezembro. Já no exterior, a agenda está vazia durante o dia e traz, à noite, os números da inflação ao consumidor e ao produtor chinês no mês passado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

na agenda

Projetos de autonomia do BC e lei cambial serão prioridades no primeiro semestre, diz Maia

O presidente da Câmara afirmou que a intenção é aprovar as propostas “o mais rapidamente possível”

gostinho do balanço

Carrefour tem alta de 11% nas vendas brutas consolidadas, apontam prévias

Cifra chegou a R$ 17,6 bilhões no período. No acumulado do ano, as vendas chegaram a R$ 62,220 bilhões, alta de 10,4%

De cisne a patinho feio

O que esperar para os resultados e para as ações dos grandes bancos?

Resposta deve ficar mais clara a partir da próxima semana, quando começa a temporada de divulgação de balanços. Os lucros bilionários estão garantidos, mas a previsão é que os bancões naveguem por mares bastante turbulentos ao longo deste ano (e dos próximos)

RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo no Brasil cresce 7,78% em 2019, diz ANP

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

OLHO NO VAREJO

XP diz que ações de varejistas não estão caras e coloca Lojas Renner, Via Varejo e Vivara entre as apostas para setor

Para o analista, a alta nos múltiplos é reflexo do aumento das expectativas dos investidores com a melhora do consumo e expansão das varejistas. Mas ponderou que, ao mesmo tempo, tal fato diminui a margem de erro por parte das empresas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements