Menu
2019-12-26T08:20:14-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado se prepara para a chegada de 2020

Faltando apenas três pregões no mercado doméstico para o fim de 2019, investidores já se preparam para rebalanceamento de carteiras no início de 2020

26 de dezembro de 2019
5:23 - atualizado às 8:20
mercadoseprepara2020
Maior expectativa recai na assinatura do acordo de primeira fase entre EUA e China

O mercado financeiro doméstico volta da pausa de dois dias por causa do Natal já se preparando para as comemorações de ano-novo, o que tende a reduzir a oscilação dos negócios em meio à baixa liquidez. Mas nem isso tem impedido um rali de fim de ano entre os ativos de risco, em meio aos sinais de reação da atividade global.

A sessão mais curta em Nova York na terça-feira foi arrastada. Mesmo assim, o Nasdaq cravou mais um recorde de fechamento, pela nona sessão consecutiva. Já o S&P 500 e o Dow Jones fecharam com leves baixas, próximos às máximas históricas, limitando os ajustes a serem feitos nos ativos locais hoje.

Ainda mais diante de uma agenda econômica novamente esvaziada. O fato é que os investidores estão mesmo aguardando a chegada de 2020, atentos ao rebalanceamento de carteiras em nível global, após os “gringos” ficarem de fora do rali da Bolsa brasileira neste ano, com a retirada de mais de R$ 40 bilhões da renda variável (mercado secundário).

Mas a ausência do investidor estrangeiro não impediu o Ibovespa de cravar um novo recorde no pregão da última segunda-feira, espremido entre o fim de semana e o feriado. Aparentemente, os protagonistas do mercado neste ano (fundos institucionais e pessoa física) que ainda não estavam posicionados resolveram entrar na atual tendência de alta. 

Por isso, a expectativa é grande pela virada do ano, com a expectativa de mais recursos externos aportando no Brasil e acessando o mercado doméstico de ações. Se confirmado, esse movimento tende a aliviar o dólar, que começou a semana ainda próximo de R$ 4,10, enquanto os juros futuros já antecipam a discussão sobre um ciclo de alta da Selic.

Chega logo 2020

De qualquer forma, faltando três pregões em 2019, esses temas ficam adiados para 2020. No exterior, o próximo ano começa com a guerra comercial ainda dominando a cena. Desta vez, porém, é a assinatura do acordo de primeira fase entre Estados Unidos e China que concentra as atenções. A cerimônia deve acontecer em breve, quando detalhes do termo podem ser conhecidos. 

Os investidores também estão atentos ao progresso das negociações comerciais sino-americanas em direção às próximas etapas, de modo a estabilizar os pontos acertados da fase inicial e a capacidade de resolver questões sensíveis e conflitantes entre as duas maiores economias do mundo. Por ora, o alcance maior do acordo envolve apenas a compra de produtos agrícolas dos EUA pela China.  

Ainda assim, o assunto não teve forças para impulsionar as bolsas da Ásia, em meio a uma sessão esvaziada por causa do Natal, com muitos mercados da região fechados. Tóquio subiu 0,6%, enquanto Seul avançou 0,4% e Xangai teve alta de 0,9%. Já os índices futuros em Nova York amanheceram em alta, mostrando que Wall Street ainda não saiu de férias.    

No velho continente, várias praças europeias permanecem fechadas hoje, por causa do Boxing Day. A data de compras com megadescontos e grandes liquidações celebrada no dia seguinte ao Natal também mantém a Bolsa da Austrália fechada. Na Ásia, não teve pregão em Hong Kong nem na Malásia.

Nos demais mercados, o barril do petróleo é negociado em alta, com o dólar perdendo terreno para a principais moedas rivais. O iene cai, enquanto o euro e a libra avançam. O ouro também se valoriza e volta à marca de US$ 1,5 mil por onça-troy. Já o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos está de lado, rondando a faixa de 1,9%.  

Agenda sem destaque

O calendário econômico doméstico traz as sondagens da FGV sobre os índices de confiança dos setores de comércio e de serviços em dezembro, às 8h, além dos dados sobre a entrada e saída de dólares do país (fluxo cambial) até a última sexta-feira e no acumulado do ano, às 14h30. 

Já a agenda norte-americana traz dados semanais sobre os pedidos de auxílio-desemprego (10h30) e os estoques de petróleo (13h). No fim do dia, sai uma série de indicadores de atividade e inflação no Japão, além da ata da reunião do Banco Central japonês (BoJ). Na China, sai o lucro industrial em novembro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Sem medo da Disney+

Netflix surpreende e supera a projeção de crescimento da base de assinantes no 4º trimestre

A Netflix chegou ao quarto trimestre numa posição diferente da habitual. De pioneira nas transmissões via streaming, a companhia agora é uma veterana da indústria — novatas como a Disney+ e a Apple TV+ chegaram com tudo ao mercado, buscando roubar a coroa da empresa. A filosofia da aposentadoria precoce: já pensou em poder se […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Para ler hoje e daqui a dez anos

Enoch Soames é um escritor frustrado que deseja saber se terá a obra reconhecida na posteridade. Depois de fazer um pacto com o diabo, ele viaja 100 anos no futuro e descobre que a única referência sobre ele está justamente na história que estamos lendo. Assim como o personagem do conto escrito pelo britânico Max […]

PODE SUBIR MAIS

Mesmo após alta de 154% em 2019, XP ainda vê potencial de subida e aumenta preço-alvo das ações da Via Varejo

Em relatório, analista Pedro Fagundes da XP subiu o preço-alvo dos papéis da companhia em 12 meses para R$ 17 e viu potencial de alta de 21% em relação ao fechamento de ontem

Vírus na China

Com um novo fator de risco no radar, o Ibovespa caiu mais de 1,5% e o dólar subiu a R$ 4,20

A confirmação de um caso da nova variante do coronavírus nos Estados Unidos trouxe cautela aos mercados, que temem um surto da doença. Como resultado, o Ibovespa caiu forte e o dólar teve mais um dia de alta

NOVIDADES À VISTA

Guedes diz que Brasil vai liberar compras de governo a estrangeiros

“O Brasil está querendo entrar para primeira liga, para primeira divisão de melhores práticas. Isso realmente é um ataque frontal à corrupção”, argumentou

BNDES NO RADAR

Bolsonaro diz que ‘caixa-preta’ do BNDES já foi aberta e evita comentar auditoria

“A caixa-preta já foi aberta, bilhões gastos em outros países”, disse o presidente. Em seguida, encerrou a coletiva de imprensa sem responder outras perguntas

DE OLHO NA LIBERDADE FINANCEIRA

Você pode ser rico em 2030

Eu adoro fazer planos e traçar cenários futuros. Gosto de ler teses sobre como serão profissões, cidades e tecnologias nos próximos dez anos.  Eu também gosto de “brincar” com uma calculadora HP 12c e simular quanto o meu dinheiro (e o dos outros) pode render no futuro nos diferentes cenários. O mais legal dessas simulações […]

mas por enquanto sem detalhes

Para OMC, mecanismo de disputa vai ter que mudar para lidar com novas condições

Diretor-geral da instituição defendeu a importância do livre-comércio em detrimento do protecionismo, e negou que esse sistema provoque desigualdades sociais

números do setor

Vendas e compras de aço da rede de distribuição sobem em dezembro, diz Inda

Levantamento inclui os dados de seus associados e incluem chapas grossas, laminados a quente, laminados a frio, chapas zincadas, chapas eletro-galvanizadas, chapas pré-pintadas e galvalume

direito de Abu Dabi

De olho em entretenimento, fundo Mubadala vai disputar Ibirapuera

Fundo avalia participar, por meio de sua empresa IMM, da licitação de investimento que não deve sair por menos de US$ 100 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements