Menu
2019-12-26T08:20:14-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado se prepara para a chegada de 2020

Faltando apenas três pregões no mercado doméstico para o fim de 2019, investidores já se preparam para rebalanceamento de carteiras no início de 2020

26 de dezembro de 2019
5:23 - atualizado às 8:20
mercadoseprepara2020
Maior expectativa recai na assinatura do acordo de primeira fase entre EUA e China

O mercado financeiro doméstico volta da pausa de dois dias por causa do Natal já se preparando para as comemorações de ano-novo, o que tende a reduzir a oscilação dos negócios em meio à baixa liquidez. Mas nem isso tem impedido um rali de fim de ano entre os ativos de risco, em meio aos sinais de reação da atividade global.

A sessão mais curta em Nova York na terça-feira foi arrastada. Mesmo assim, o Nasdaq cravou mais um recorde de fechamento, pela nona sessão consecutiva. Já o S&P 500 e o Dow Jones fecharam com leves baixas, próximos às máximas históricas, limitando os ajustes a serem feitos nos ativos locais hoje.

Ainda mais diante de uma agenda econômica novamente esvaziada. O fato é que os investidores estão mesmo aguardando a chegada de 2020, atentos ao rebalanceamento de carteiras em nível global, após os “gringos” ficarem de fora do rali da Bolsa brasileira neste ano, com a retirada de mais de R$ 40 bilhões da renda variável (mercado secundário).

Mas a ausência do investidor estrangeiro não impediu o Ibovespa de cravar um novo recorde no pregão da última segunda-feira, espremido entre o fim de semana e o feriado. Aparentemente, os protagonistas do mercado neste ano (fundos institucionais e pessoa física) que ainda não estavam posicionados resolveram entrar na atual tendência de alta. 

Por isso, a expectativa é grande pela virada do ano, com a expectativa de mais recursos externos aportando no Brasil e acessando o mercado doméstico de ações. Se confirmado, esse movimento tende a aliviar o dólar, que começou a semana ainda próximo de R$ 4,10, enquanto os juros futuros já antecipam a discussão sobre um ciclo de alta da Selic.

Chega logo 2020

De qualquer forma, faltando três pregões em 2019, esses temas ficam adiados para 2020. No exterior, o próximo ano começa com a guerra comercial ainda dominando a cena. Desta vez, porém, é a assinatura do acordo de primeira fase entre Estados Unidos e China que concentra as atenções. A cerimônia deve acontecer em breve, quando detalhes do termo podem ser conhecidos. 

Os investidores também estão atentos ao progresso das negociações comerciais sino-americanas em direção às próximas etapas, de modo a estabilizar os pontos acertados da fase inicial e a capacidade de resolver questões sensíveis e conflitantes entre as duas maiores economias do mundo. Por ora, o alcance maior do acordo envolve apenas a compra de produtos agrícolas dos EUA pela China.  

Ainda assim, o assunto não teve forças para impulsionar as bolsas da Ásia, em meio a uma sessão esvaziada por causa do Natal, com muitos mercados da região fechados. Tóquio subiu 0,6%, enquanto Seul avançou 0,4% e Xangai teve alta de 0,9%. Já os índices futuros em Nova York amanheceram em alta, mostrando que Wall Street ainda não saiu de férias.    

No velho continente, várias praças europeias permanecem fechadas hoje, por causa do Boxing Day. A data de compras com megadescontos e grandes liquidações celebrada no dia seguinte ao Natal também mantém a Bolsa da Austrália fechada. Na Ásia, não teve pregão em Hong Kong nem na Malásia.

Nos demais mercados, o barril do petróleo é negociado em alta, com o dólar perdendo terreno para a principais moedas rivais. O iene cai, enquanto o euro e a libra avançam. O ouro também se valoriza e volta à marca de US$ 1,5 mil por onça-troy. Já o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos está de lado, rondando a faixa de 1,9%.  

Agenda sem destaque

O calendário econômico doméstico traz as sondagens da FGV sobre os índices de confiança dos setores de comércio e de serviços em dezembro, às 8h, além dos dados sobre a entrada e saída de dólares do país (fluxo cambial) até a última sexta-feira e no acumulado do ano, às 14h30. 

Já a agenda norte-americana traz dados semanais sobre os pedidos de auxílio-desemprego (10h30) e os estoques de petróleo (13h). No fim do dia, sai uma série de indicadores de atividade e inflação no Japão, além da ata da reunião do Banco Central japonês (BoJ). Na China, sai o lucro industrial em novembro.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies