Menu
2019-12-23T10:04:42-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado à espera da folga de feriado

Pausa no mercado financeiro por causa das comemorações de Natal reduz a liquidez dos negócios globais

23 de dezembro de 2019
5:27 - atualizado às 10:04
holydaybreak
Tradicionalmente, mercados de ações sobem nos últimos dias do ano

A segunda-feira espremida entre o fim de semana e as festividades natalinas deve ser marcada pela baixa liquidez no mercado financeiro, com muitos investidores já fora das mesas de negócios. A pausa no pregão local, amanhã e quarta-feira, enquanto Wall Street e Londres funcionam parcialmente na véspera de Natal, tende a reduzir ainda mais o volume.

Mas graças ao Federal Reserve e à injeção de centenas de bilhões de dólares feita pela distrital de Nova York, o mercado financeiro deve ficar livre de choques abruptos e movimentos distorcidos em meio ao giro financeiro mais fraco, típico do período. Com isso, os recursos devem continuar fluindo nessa época do ano, sem a liquidez secar totalmente. 

Ainda assim, o mercado financeiro deve apenas cumprir tabela, com as últimas sessões de 2019 sendo arrastadas, em meio à expectativa pela chegada de 2020. Ainda mais após um ano em que os índices acionários norte-americanos (S&P, Dow Jones e Nasdaq) e brasileiro (Ibovespa) estabeleceram uma série de recordes, com valorização de até 30%, cada.

Tradicionalmente, os mercados de ações sobem nos últimos cinco dias de cada ano e nos dois primeiros do ano seguinte, levando ao fenômeno conhecido como “rali de Natal”. Nos últimos 50 anos, as ações em Wall Street subiram nesses sete dias em aproximadamente 75% das vezes.

Dia tranquilo

Hoje, porém, a sessão na Ásia já foi esvaziada pela folga de feriado em todo o mundo, enquanto algumas praças da região continuarão funcionando. Tóquio e Hong Kong tiveram leves oscilações, enquanto Xangai caiu 1,40%, liderando as perdas, após a China anunciar planos de abrir ainda mais seu sistema financeiro a empresas privadas.  

O governo chinês também anunciou o corte das tarifas de importação de uma série de produtos, incluindo carne de porco e itens usado na fabricação de smartphones, de modo a estimular a demanda doméstica. A possibilidade de um teste de míssil norte-coreano e a cúpula trilateral entre China, Japão e Coreia do Sul rechearam o noticiário do dia na região. 

Wall Street também deve ter um início de semana calmo, após encerrar a semana passada em um novo topo histórico. Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram na linha d’água, sem um viés definido, apesar dos relatos de que a fase um do acordo comercial sino-americano deve ser assinada em janeiro. As principais bolsas europeias também caminham para uma abertura sem direção.

Nos demais mercados, o petróleo recua, mas o barril do tipo WTI segue acima de US$ 60, ao passo que o dólar está de lado, medindo forças em relação às moedas rivais. Entre os bônus, o rendimento da curva de juros norte-americana segue no nível mais íngreme em mais de um ano, diante da diminuição do temor de recessão nos Estados Unidos.    

Um brinde aos BCs

Aliás, além de agradecer à torneira aberta pelo Fed e à sinalização de que deve manter a taxa juros norte-americana estável e em um nível baixo ao longo de 2020, os investidores também se apoiam na perspectiva de crescimento econômico melhor que o esperado no ano que vem - nos EUA e no mundo. 

No Brasil, os sinais de retomada mais consistente da atividade também animam, ao mesmo tempo em que elevam a cautela do Banco Central em relação a Selic. O IPCA-15 mais “salgado” em dezembro mostrou que a inflação sofre choques temporários de preço - vindos das carnes, principalmente - o que não descarta novos cortes nos juros básicos à frente. 

Mas a dúvida é: ainda há a necessidade de estímulos adicionais? Novos pisos históricos para a Selic em 2020 podem renovar a pressão sobre o dólar, que vem tentando se estabilizar ainda acima da faixa de R$ 4,00. Na última sexta-feira, a moeda norte-americana voltou a se aproximar da marca de R$ 4,10.

Agenda cheia só depois do Natal

A ver o que traz hoje o relatório Focus (8h25), com as previsões do mercado na semana seguinte à publicação de documentos relevantes do BC (ata do Copom e RTI). A agenda doméstica traz também os dados semanais da balança comercial (15h). No exterior, saem números sobre a atividade em Chicago (10h) e o setor imobiliário norte-americano (12h).

Após a pausa pelas comemorações do Natal, amanhã e depois, a quinta-feira será de agenda econômica cheia - exceto em Londres, onde a bolsa permanece fechada. Mas o destaque por aqui fica apenas para sexta-feira, quando saem o resultado de dezembro do IGP-M e os dados atualizados sobre o mercado de trabalho no Brasil até o mês passado.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Coronavírus

Brasil atinge 100 mil mortos por covid-19; STF decreta luto de 3 dias

Enquanto isso, Bolsonaro destaca 2 milhões de recuperados

Balanço

Lucro da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, sobe 87% no 2º trimestre

Recuperação do mercado de ações teve bons reflexos no balanço da companhia do megainvestidor Warren Buffett, mas no ano a empresa ainda amarga prejuízo

Às vésperas do orçamento

Ministros pedem mais recursos a Guedes

Sob pressão interna para ampliar os gastos como forma de combater os efeitos econômicos da covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa entregar o Orçamento do ano que vem até o dia 31 deste mês

Entrevista

Meirelles: ‘A raiz da pressão por aumento de gastos é sempre a mesma, eleição’

Em entrevista ao Estadão, Henrique Meirelles lembra que o País tem pouca memória e que quebrar o teto levaria a uma crise muito maior do que a de 2015

Confirmação

Acordo de exclusividade das teles com a Oi terá renovação automática

Acordo entra em vigor no dia 11 de agosto e foi confirmado por Tim e Vivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements