Menu
2019-12-23T10:04:42-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado à espera da folga de feriado

Pausa no mercado financeiro por causa das comemorações de Natal reduz a liquidez dos negócios globais

23 de dezembro de 2019
5:27 - atualizado às 10:04
holydaybreak
Tradicionalmente, mercados de ações sobem nos últimos dias do ano

A segunda-feira espremida entre o fim de semana e as festividades natalinas deve ser marcada pela baixa liquidez no mercado financeiro, com muitos investidores já fora das mesas de negócios. A pausa no pregão local, amanhã e quarta-feira, enquanto Wall Street e Londres funcionam parcialmente na véspera de Natal, tende a reduzir ainda mais o volume.

Mas graças ao Federal Reserve e à injeção de centenas de bilhões de dólares feita pela distrital de Nova York, o mercado financeiro deve ficar livre de choques abruptos e movimentos distorcidos em meio ao giro financeiro mais fraco, típico do período. Com isso, os recursos devem continuar fluindo nessa época do ano, sem a liquidez secar totalmente. 

Ainda assim, o mercado financeiro deve apenas cumprir tabela, com as últimas sessões de 2019 sendo arrastadas, em meio à expectativa pela chegada de 2020. Ainda mais após um ano em que os índices acionários norte-americanos (S&P, Dow Jones e Nasdaq) e brasileiro (Ibovespa) estabeleceram uma série de recordes, com valorização de até 30%, cada.

Tradicionalmente, os mercados de ações sobem nos últimos cinco dias de cada ano e nos dois primeiros do ano seguinte, levando ao fenômeno conhecido como “rali de Natal”. Nos últimos 50 anos, as ações em Wall Street subiram nesses sete dias em aproximadamente 75% das vezes.

Dia tranquilo

Hoje, porém, a sessão na Ásia já foi esvaziada pela folga de feriado em todo o mundo, enquanto algumas praças da região continuarão funcionando. Tóquio e Hong Kong tiveram leves oscilações, enquanto Xangai caiu 1,40%, liderando as perdas, após a China anunciar planos de abrir ainda mais seu sistema financeiro a empresas privadas.  

O governo chinês também anunciou o corte das tarifas de importação de uma série de produtos, incluindo carne de porco e itens usado na fabricação de smartphones, de modo a estimular a demanda doméstica. A possibilidade de um teste de míssil norte-coreano e a cúpula trilateral entre China, Japão e Coreia do Sul rechearam o noticiário do dia na região. 

Wall Street também deve ter um início de semana calmo, após encerrar a semana passada em um novo topo histórico. Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram na linha d’água, sem um viés definido, apesar dos relatos de que a fase um do acordo comercial sino-americano deve ser assinada em janeiro. As principais bolsas europeias também caminham para uma abertura sem direção.

Nos demais mercados, o petróleo recua, mas o barril do tipo WTI segue acima de US$ 60, ao passo que o dólar está de lado, medindo forças em relação às moedas rivais. Entre os bônus, o rendimento da curva de juros norte-americana segue no nível mais íngreme em mais de um ano, diante da diminuição do temor de recessão nos Estados Unidos.    

Um brinde aos BCs

Aliás, além de agradecer à torneira aberta pelo Fed e à sinalização de que deve manter a taxa juros norte-americana estável e em um nível baixo ao longo de 2020, os investidores também se apoiam na perspectiva de crescimento econômico melhor que o esperado no ano que vem - nos EUA e no mundo. 

No Brasil, os sinais de retomada mais consistente da atividade também animam, ao mesmo tempo em que elevam a cautela do Banco Central em relação a Selic. O IPCA-15 mais “salgado” em dezembro mostrou que a inflação sofre choques temporários de preço - vindos das carnes, principalmente - o que não descarta novos cortes nos juros básicos à frente. 

Mas a dúvida é: ainda há a necessidade de estímulos adicionais? Novos pisos históricos para a Selic em 2020 podem renovar a pressão sobre o dólar, que vem tentando se estabilizar ainda acima da faixa de R$ 4,00. Na última sexta-feira, a moeda norte-americana voltou a se aproximar da marca de R$ 4,10.

Agenda cheia só depois do Natal

A ver o que traz hoje o relatório Focus (8h25), com as previsões do mercado na semana seguinte à publicação de documentos relevantes do BC (ata do Copom e RTI). A agenda doméstica traz também os dados semanais da balança comercial (15h). No exterior, saem números sobre a atividade em Chicago (10h) e o setor imobiliário norte-americano (12h).

Após a pausa pelas comemorações do Natal, amanhã e depois, a quinta-feira será de agenda econômica cheia - exceto em Londres, onde a bolsa permanece fechada. Mas o destaque por aqui fica apenas para sexta-feira, quando saem o resultado de dezembro do IGP-M e os dados atualizados sobre o mercado de trabalho no Brasil até o mês passado.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Prévia do terceiro trimestre

Grandes bancos começam a olhar crise pelo retrovisor, mas com lucro ainda em queda

Lucro combinado de Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander deve aumentar em relação ao trimestre anterior, mas ainda ficará bem abaixo dos patamares de 2019

Coluna do Mioto

Vinte conselhos não óbvios de carreira

Estes são conselhos de carreira para jovens profissionais que tenham a ambição de serem promovidos e terem relevância dentro das suas empresas

balanços 3º tri

Hypera Pharma atinge maior receita da história e lucro cresce 29,4% no terceiro trimestre

Além da evolução de dois dígitos no segmento de ‘sell-out’ (vendas em farmácias), o período também fechou a conclusão de dois grandes negócios para a Hypera Pharma

Mudanças no time

BB Seguridade anuncia Marcio Hamilton Ferreira como novo diretor-presidente

Ferreira é graduado em Administração de empresas e desde janeiro ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Brasilprev, empresa investida da BB Seguridade.

Multa de US$ 40 milhões

Justiça dos EUA aprova acordo para encerramento de ação coletiva, diz BRF

A empresa pagou a quantia de US$ 40 milhões para encerrar todas as demandas pendentes e que possam vir a ser propostas por pessoas ou entidades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies