Menu
2019-12-04T06:12:24-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Não vai ter acordo

4 de dezembro de 2019
5:33 - atualizado às 6:12
semacordo
Nova rodada de tarifas contra produtos chineses deve entrar em vigor no dia 15

As investidas protecionistas da Casa Branca, com o presidente norte-americano, Donald Trump, usando a artilharia das tarifas contra vários parceiros comerciais, assustam o mercado financeiro. Os investidores alimentavam esperanças de que Estados Unidos e China iriam assinar um acordo antes do fim do ano, mas já se dão conta de que uma nova taxação contra US$ 160 bilhões em produtos chineses deve entrar em vigor no dia 15.

Mais que isso, o mercado financeiro tenta entender o significado de um cenário sem acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo. O prolongamento da batalha tarifária sino-americana ao longo de todo o ano que vem mina as expectativas por um cessar-fogo, apontando para um fim de ano conturbado para os ativos de risco e recuando o otimismo anterior dos investidores em relação ao crescimento da economia global.   

Aparentemente não houve um consenso entre Washington e Pequim sobre pontos preliminares, que seriam tratados na fase um, em meio à exigência da China de retirada das tarifas existentes e suspensão das programadas. É bom lembrar que essa pré-condição do lado chinês era conhecida desde o início das negociações entre os dois países.

Percebe-se, então, que a segunda maior economia do mundo não se curvou à maior potência estrangeira, desagradando a Casa Branca. Tanto que Trump vem dizendo que só irá assinar um acordo que beneficie e atenda aos interesses dos EUA e admite esperar até o fim das eleições presidenciais norte-americanas, em novembro de 2020, para fazer um acordo - como parecia ser a intenção da China, desde o início.  

Além disso, o mercado financeiro sabe que, mesmo se houver um acordo preliminar, a guerra comercial entre EUA e China está longe acabar. Um termo provisório apenas mudaria a fase da disputa, passando a ser focada menos em tarifas e mais em questões relacionadas à tecnologia e à estratégia industrial. Com isso, a economia global deve perder tração em 2020 quando comparado ao padrão anterior de crescimento - inclusive nos EUA. 

Exterior deprimido

O sinal negativo prevalece entre as bolsas no exterior, na esteira dos comentários de Trump ontem. As principais bolsas asiáticas fecharam em queda, com as perdas lideradas por Hong Kong (-1,2%). Xangai recuou 0,2%, digerindo uma nova resolução aprovada pelo Congresso norte-americano sobre a repressão da minoria islâmica na China, irritando novamente Pequim, que alertou os EUA para parar de interferir em questões internas.  

Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, pressionando a abertura do pregão europeu, em meio às incertezas sobre o rumo que a guerra comercial irá tomar. Wall Street também digere o resultado das investigações do processo de impeachment contra Trump, que mostrou que o presidente norte-americano subverteu a política externa dos EUA em benefício próprio e cometeu obstrução.

Nos demais mercados, percebe-se certa busca por proteção em ativos seguros. Ainda assim, o petróleo é negociado em alta, antes da reunião do cartel dos maiores países produtores e exportadores da commodity, que pode decidir por novos cortes na produção. Entre as moedas, destaque novamente para o dólar australiano, que tem fortes perdas, após a decepção com o crescimento do país (PIB) no trimestre passado. 

Nem Pibinho, nem Pibão

Já o mercado financeiro doméstico tentou se desvencilhar ontem da escalada da tensão comercial no exterior, usando como escudo o crescimento acima do esperado da economia brasileira no terceiro trimestre deste ano. Os investidores comemoraram a alta de 0,6% do PIB como se o número fosse invertido, nos moldes de um PIB chinês.  

Olhando de forma isolada, o resultado foi fraco, mas a revisão nos números de 2017 e 2018 somada aos indicadores antecedentes do quarto trimestre de 2019 sugerem que o crescimento deve continuar. E, por esse lado, os dados são animadores, sinalizando que o país entrou na rota de expansão, enquanto o mundo teme uma desaceleração. 

Tanto que várias instituições financeiras melhoraram a estimativa de alta da economia brasileira neste ano e no próximo ano, na esteira dos dados divulgados ontem. Ainda assim, os números estão longe das previsões mais otimistas, entre +2,5% e +3% - ou mais, sinalizando que o país pode ter dificuldade de gerar taxas de crescimento acima de 2,0%.

Por isso, o mercado financeiro deve comemorar a alta do PIB brasileiro no trimestre passado com parcimônia. Afinal, os dados ainda são confrontados com uma base de comparação muito baixa e os investidores acreditam que a agenda de reformas precisa continuar para colocar a economia de volta aos trilhos, rumo a um crescimento sustentável. 

Só assim, os ativos brasileiros devem se descolar do cenário externo de maior incerteza. À medida que se tornar sólida a percepção de diferencial do crescimento doméstico, em aceleração, frente ao restante do mundo, diante da perda de tração da economia global, é que a vinda do investidor estrangeiro deve ficar mais evidente - se o “gringo” vier.

Agenda traz dados de atividade

Aliás, novos dados sobre a atividade no Brasil e no exterior recheiam a agenda econômica desta quarta-feira. Por aqui, o destaque fica com os números da produção industrial em outubro, que deve ter ganhado tração e crescido 0,8% em relação a setembro, na terceira alta mensal consecutiva. 

Já na comparação com o mesmo mês do ano passado, o aumento da indústria nacional deve ser de 1,5%, no segundo resultado positivo seguido. Os dados efetivos serão conhecidos às 9h. Depois, às 14h30, saem os dados de novembro do Banco Central sobre a entrada e saída de dólares (fluxo cambial) do Brasil.

No exterior, logo cedo, serão conhecidas as leituras revisadas de novembro dos índices dos gerentes (PMI) dos setores industrial e de serviços na zona do euro. Nos EUA, os índices PMI e ISM do setor de serviços saem a partir das 11h45. Destaque ainda para os números da ADP sobre a geração de vagas no setor privado norte-americano em novembro (10h15).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Você está cometendo esses erros nos seus investimentos?

Milhões de pessoas perderam trilhões de dólares porque violaram as leis da natureza. Uma das principais leis ou princípios que elas violaram é a Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual em direção oposta

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements