Menu
2019-12-18T06:24:44-03:00
A Bula do Mercado

Mercado em pausa reavalia cenário

Agenda econômica fraca do dia abre espaço para investidor reavaliar cenário, após fim das incertezas sobre guerra comercial e Brexit

18 de dezembro de 2019
5:17 - atualizado às 6:24
pausa
Ativos de risco aproveitam pausa para recompor fôlego

O mercado financeiro deve aproveitar a pausa na agenda econômica hoje para recompor o fôlego, após a recente esticada nos ativos de risco, na esteira do fim das incertezas sobre a guerra comercial e o Brexit. Os investidores aproveitam para reavaliar o cenário para 2020, diante das perspectivas de melhora no crescimento econômico global.  

A fase um do acordo entre Estados Unidos e China levou muitas instituições financeiras a revisarem marginalmente para cima suas estimativas para o PIB mundial no ano que vem. Contudo, os investidores ainda mostram cautela em relação ao progresso da negociação comercial em direção às próximas etapas, após o cessar-fogo recente. 

Da mesma forma, as idas e vindas na novela britânica trazem dúvidas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) no fim de janeiro. Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) ficou em cima do muro, dividido entre projeções ainda confortáveis para a inflação e uma postura mais cautelosa na condução da Selic - sem indicar se cabem novos cortes ou se o ciclo já chegou ao fim.

Tudo vai depender, então, do ritmo da atividade real, em meio aos sinais crescentes de acúmulo de pressão inflacionária - via o mercado de crédito e o choque de preços. Diante de um Copom menos afável, a curva a termo de juros futuros recompôs prêmios, ao passo que o dólar orbitou ao redor de R$ 4,05 e o Ibovespa cravou o 35º recorde histórico de fechamento do ano. 

Hoje, os negócios locais podem até ensaiar uma correção, diante do sinal negativo que tenta prevalecer entre os índices futuros das bolsas de Nova York. Na Ásia, a sessão foi de leves baixas, sendo que Tóquio caiu um pouco mais (-0,55%). As principais bolsas europeias também amanheceram ligeiramente no vermelho. 

Nos demais mercados, destaque para o yuan (renminbi), que cai após o Banco Central chinês (PBoC) injetar US$ 29 bilhões em liquidez no sistema financeiro no curto prazo e reduzir a taxa de recompra reversa de 14 dias de 2,70% para 2,65%. Já a taxa mais curta, de 7 dias, foi mantida em 2,5%.

O dólar, por sua vez, ganha terreno em relação aos rivais, com a mais recente rodada de indicadores norte-americanos elevando a confiança sobre a saúde da economia dos EUA. A postura do Federal Reserve, de que deve manter os juros baixos por um tempo, também ajuda a estabilizar o dólar. Já o petróleo cai, mas o preço do barril segue acima de US$ 60. 

Agenda faz uma pausa

A agenda econômica desta quarta-feira está sem grandes destaques. No Brasil, sai a segunda prévia de dezembro do IGP-M (8h) e os dados parciais sobre a entrada e saída de dólares do país, o chamado fluxo cambial (14h30). 

Lá fora, o calendário norte-americano traz apenas os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (12h30). Pela manhã, na Europa, serão conhecidos vários índices de preços na Alemanha e no Reino Unido, além da leitura final da inflação ao consumidor (CPI) na zona do euro em novembro e do índice alemão IFO sobre a confiança do empresariado. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

é bra de casa

Bradesco fecha acordo com funcionários para regulamentar home office

O Bradesco fechou um acordo com seus funcionários para regulamentar o home office, algo que cresceu de forma obrigatória por conta da pandemia de covid-19, mas que valerá de forma permanente

sem apoio, sem emprego

United alerta para risco de corte de 16 mil empregos caso não tenha ajuda

Em carta endereçada ao secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e a lideranças no Congresso americano, o CEO da United Airlines, Scott Kirby, alertou que a aérea poderá ter que cortar até 16 mil empregos caso o governo e o Legislativo não aprovem novo pacote de apoio financeiro ao setor

veja ao vivo!

Podcast Touros & Ursos: Onde investir após a ressaca de juros?

Overdose de decisões de política monetária movimentou a semana dos mercados. Onde pôr o dinheiro em um mundo de taxas reais negativas? Veja no nosso podcast ao vivo

diga lá, presidente

Agronegócio evitou que Brasil entrasse em colapso econômico, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro voltou a enaltecer a participação do agronegócio na manutenção da economia brasileira durante o período da pandemia da covid-19

Gênios bilionários

Seria Elon Musk o próximo Steve Jobs? Veja a resposta de Bill Gates

Fundador da Microsoft foi perguntado se o CEO da Tesla seria parecido com o fundador da Apple; ele respondeu apontando diferenças entre os executivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements