Menu
2019-12-18T06:24:44-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado em pausa reavalia cenário

Agenda econômica fraca do dia abre espaço para investidor reavaliar cenário, após fim das incertezas sobre guerra comercial e Brexit

18 de dezembro de 2019
5:17 - atualizado às 6:24
pausa
Ativos de risco aproveitam pausa para recompor fôlego

O mercado financeiro deve aproveitar a pausa na agenda econômica hoje para recompor o fôlego, após a recente esticada nos ativos de risco, na esteira do fim das incertezas sobre a guerra comercial e o Brexit. Os investidores aproveitam para reavaliar o cenário para 2020, diante das perspectivas de melhora no crescimento econômico global.  

A fase um do acordo entre Estados Unidos e China levou muitas instituições financeiras a revisarem marginalmente para cima suas estimativas para o PIB mundial no ano que vem. Contudo, os investidores ainda mostram cautela em relação ao progresso da negociação comercial em direção às próximas etapas, após o cessar-fogo recente. 

Da mesma forma, as idas e vindas na novela britânica trazem dúvidas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) no fim de janeiro. Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) ficou em cima do muro, dividido entre projeções ainda confortáveis para a inflação e uma postura mais cautelosa na condução da Selic - sem indicar se cabem novos cortes ou se o ciclo já chegou ao fim.

Tudo vai depender, então, do ritmo da atividade real, em meio aos sinais crescentes de acúmulo de pressão inflacionária - via o mercado de crédito e o choque de preços. Diante de um Copom menos afável, a curva a termo de juros futuros recompôs prêmios, ao passo que o dólar orbitou ao redor de R$ 4,05 e o Ibovespa cravou o 35º recorde histórico de fechamento do ano. 

Hoje, os negócios locais podem até ensaiar uma correção, diante do sinal negativo que tenta prevalecer entre os índices futuros das bolsas de Nova York. Na Ásia, a sessão foi de leves baixas, sendo que Tóquio caiu um pouco mais (-0,55%). As principais bolsas europeias também amanheceram ligeiramente no vermelho. 

Nos demais mercados, destaque para o yuan (renminbi), que cai após o Banco Central chinês (PBoC) injetar US$ 29 bilhões em liquidez no sistema financeiro no curto prazo e reduzir a taxa de recompra reversa de 14 dias de 2,70% para 2,65%. Já a taxa mais curta, de 7 dias, foi mantida em 2,5%.

O dólar, por sua vez, ganha terreno em relação aos rivais, com a mais recente rodada de indicadores norte-americanos elevando a confiança sobre a saúde da economia dos EUA. A postura do Federal Reserve, de que deve manter os juros baixos por um tempo, também ajuda a estabilizar o dólar. Já o petróleo cai, mas o preço do barril segue acima de US$ 60. 

Agenda faz uma pausa

A agenda econômica desta quarta-feira está sem grandes destaques. No Brasil, sai a segunda prévia de dezembro do IGP-M (8h) e os dados parciais sobre a entrada e saída de dólares do país, o chamado fluxo cambial (14h30). 

Lá fora, o calendário norte-americano traz apenas os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (12h30). Pela manhã, na Europa, serão conhecidos vários índices de preços na Alemanha e no Reino Unido, além da leitura final da inflação ao consumidor (CPI) na zona do euro em novembro e do índice alemão IFO sobre a confiança do empresariado. 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Reposicionamento

BNDES não tem pressa de vender ações e quer fomentar indústria de fundos

Presidente do banco, Gustavo Montezano, disse que BNDESPar venderá ações aos poucos durante três anos, à medida que mercado for absorvendo; objetivo é que carteira chegue perto de zero

OLHO NOS JUROS

FED decide manter juros entre 1,50% e 1,75%

No comunicado, o banco ressaltou que a atual política monetária é “apropriada para suportar a expansão econômica, condições mais fortes do mercado de trabalho e o retorno da inflação para perto da meta de 2%”

Privatização à vista

Objetivo é privatizar Eletrobrás no 2º semestre de 2020, diz o presidente Wilson Ferreira

Meta para o primeiro semestre é aprofundar a conversa com o Senado e aprovar capitalização no Congresso.

Rebatendo as críticas

Nenhum governo tem prática tão liberal quanto este, diz Salim Mattar

Secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro disse que gasta 80% do tempo para “descontruir o legado” que foi deixado por gestões anteriores

Nova cartada do bilionário

Warren Buffett vende seu império de jornais por US$ 140 milhões e deixa o setor de imprensa

A Berkshire Hathaway, conglomerado de investimentos administrado por Warren Buffett, vendeu hoje sua divisão de jornais à Lee Enterprises

Caixa vai fazer “road show” de IPO da Caixa Seguridade em todos os Estados

O banco pretende fazer a abertura de capital das subsidiárias de seguridade e de cartões neste ano. As outras duas unidades – loterias e gestora de fundos – devem demorar um pouco mais

martelo batido

CVM fecha acordo de R$ 450 mil em caso envolvendo executivos da Biosev

Processo era movido contra três ex-executivos da processadora de cana-de-açúcar; cada um vai ter que pagar R$ 150 mil

pingos os is

Investigação não encontrou irregularidades e não há mais nada a esclarecer, diz presidente do BNDES

Auditoria custou R$ 42,7 milhões; investigações internas do banco não encontraram nenhuma irregularidade nas operações

hora do balanço

Bancos liberam mais crédito no Brasil, mas custo segue elevado

Taxas de juros cobradas de empresas e famílias seguiram em níveis elevados. segundo dados do BC

Painel com gestores

Stuhlberger vê bolha se formando na bolsa, mas segue aplicado

Lendário gestor da Verde Asset diz que “olha porta de saída” da bolsa, mas vê boas perspectivas com avanço do PIB de consumo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements