Menu
2019-12-12T06:34:28-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

12 de dezembro de 2019
5:28 - atualizado às 6:34
decolar
Enquanto isso, exterior vai na contramão, à espera de desfecho da guerra comercial

O dia seguinte à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) deve ser agitado no mercado financeiro doméstico. Além de reagir à porta aberta deixada pelo Banco Central para cortes mais modestos na Selic em 2020, antes de encerrar o ciclo de queda, os investidores também digerem a melhora na perspectiva da nota de crédito (rating) soberano do Brasil pela Standard & Poor’s (S&P), para positiva.  

Trata-se do cenário perfeito para uma nova corrida rumo a ativos locais mais arriscados, o que tende a beneficiar o Ibovespa, que há três dias vêm andando de lado, mas sempre acima dos 110 mil pontos. Atenção especial deve ser dada às ações de saneamento básico, após a aprovação do texto-base do novo marco regulatório na Câmara. A renda variável brasileira aguardava a decisão do BC e, principalmente, a sinalização dos próximos passos. Novas quedas no juro básico mantêm a renda fixa pouco atrativa, sendo que os DIs devem enxugar prêmios hoje.

Ainda assim, o Copom recomendou cautela em relação ao plano de voo, indicando que as decisões futuras vão depender da evolução da atividade econômica e das expectativas para a inflação, em uma típica abordagem de “esperar para ver”. Por isso, é importante estar atento ao comportamento do dólar, que se aproximava de R$ 4,10, diante da perspectiva de pausa no ciclo de cortes na Selic já neste mês. 

Hoje, porém, a moeda norte-americana pode ser pressionada pela sinalização do BC, uma vez que a taxa básica pode renovar o piso histórico no início do ano que vem, antes de parar de cair, o que diminui ainda mais o diferencial dos juros domésticos. Também é importante estar atento à inflação, com as leituras recentes de índices de preços vindo mais “salgadas”, por causa da alta do dólar (pass-through) e da carne bovina.

E a possibilidade de novos repiques no indicador oficial (IPCA) em dezembro e em janeiro, contaminando a taxa acumulada, poderia acender a luz amarela do BC. Porém, o Copom informou, no comunicado ontem, que o cenário básico para a inflação apresenta fatores de risco em ambas as direções, ainda sem comprometer os alvos para 2020 e, em menor grau, para 2021. 

Upgrade

Ao mesmo tempo, permanece a perspectiva de entrada de recursos externos em direção aos ativos brasileiros, o que tende a aliviar a cotação do dólar no curto prazo e também a conta financeira, que já acumula retiradas de US$ 45 bilhões desde o início do ano, segundo dados do próprio BC. Essa perspectiva ganha força com a sinalização da S&P de que pode melhorar a nota de crédito do Brasil, de BB-, em breve.

Segundo comunicado da agência de classificação de risco, as medidas de consolidação fiscal combinadas com baixas taxas de juros e a adoção gradual de uma agenda de reformas deve contribuir para um crescimento econômico mais forte do país, atraindo investimentos - e os investidores estrangeiros. A elevação da nota pode ocorrer em até dois anos. Atualmente, o Brasil está dois níveis abaixo da escala de grau de investimento.

Porém, de uma forma geral, a dinâmica positiva do mercado doméstico já vinha precificando uma melhora no rating do Brasil, com muitos ativos sendo negociados em níveis equivalentes ao de países mais bem classificados. É o caso do risco-país, por exemplo. De qualquer forma, a sinalização dada pela S&P chancela esse cenário mais favorável do país, reforçando a tese de que o Brasil tem a melhor história entre os emergentes para 2020. 

E o mercado financeiro, como se sabe, antecipa movimentos e é movido por sentimentos. 

Exterior na marcha ré

Enquanto isso, no exterior, os mercados internacionais estão na marcha ré, ecoando a decisão do Federal Reserve ontem, de manter os juros norte-americanos estáveis entre 1,50% e 1,75% após três cortes seguidos, indicando que a taxa deve permanecer neste nível por um período prolongado, sem indicar direção quando algum passo for dado.

A autoridade monetária não prevê nenhuma alteração na chamada Fed Funds rate (FFR) ao longo de 2020 e sinalizou que continua atenta, principalmente, aos desdobramentos da guerra comercial. Ao que tudo indica, apenas uma escalada da tensão no comércio entre as duas maiores economias do mundo pode fazer o Fed voltar a agir - como novos cortes. 

Aliás, faltando apenas três dias para a vigência de tarifas adicionais sobre US$ 160 bilhões em produtos chineses a ausência de novidades sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China em relação à fase um do acordo intriga os investidores. O temor é de que novas taxas a partir de domingo levem Pequim a retaliar, na mesma medida, prolongando o conflito.

Relatos de que o presidente norte-americano, Donald Trump, deve se reunir hoje com conselheiros para decidir sobre as tarifas de importação à China programadas para o dia 15 mantêm os mercados internacionais em suspense. A Bolsa de Xangai caiu 0,3%, na contramão do sinal positivo que prevaleceu nas demais bolsas asiáticas, por causa do Fed. 

Os ganhos foram liderados por Hong Kong (+1,3%), ao passo que Tóquio oscilou em alta (+0,1%). No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York e das principais bolsas europeias estão à deriva, com o foco dos investidores na questão comercial. A expectativa é por um adiamento das novas tarifas, o que seria um sinal de progresso nas negociações. 

Mas, como se sabe, Trump é imprevisível. Por isso, os mercados redobram a cautela e adotam uma postura defensiva. Porém, o dólar perde terreno em relação às moedas rivais, o que beneficia as commodities. Os investidores também estão à espera do resultado das eleições parlamentares no Reino Unido e da decisão de juros na zona do euro. 

Hoje é a vez do BCE

Após as decisões de política monetária dos bancos centrais do Brasil (Copom) e dos EUA (Fed), hoje é a vez do anúncio do Banco Central Europeu (BCE) sobre a taxa de juros na zona do euro. Será a primeira reunião sob nova direção, com a ex-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Christine Lagarde, conduzindo o encontro. 

Ela também concederá entrevista coletiva para comentar a decisão, a partir das 10h30. Antes, sai o anúncio de política monetária do BCE, às 9h45. Ainda na agenda econômica na região da moeda única, sai a produção industrial em outubro. 

Já nos EUA, serão conhecidos o índice de preços ao produtor (PPI) em novembro e os pedidos semanais de seguro-desemprego feitos no país, ambos às 10h30. No Brasil, destaque para mais um indicador sobre a atividade econômica, desta vez, no setor de serviços em outubro (9h).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tecnologia

Sinqia anuncia aquisição da Itaú Soluções Previdenciárias por R$ 82 milhões

Aquisição será feita com recursos obtidos em oferta de ações no ano passado, pela qual a Sinqia obteve R$ 362 milhões

PRORROGAÇÃO DO BENEFÍCIO

Governo avalia a reformulação do auxílio emergencial de R$ 600, diz Guedes

A ideia é que o benefício seja prorrogado até dezembro, mas o valor das próximas prestações deve ser menor do que os R$ 600.

Nem tão feio

Ações do Iguatemi têm alta forte com balanço melhor que o esperado

Papéis disparam mais de 7% com resultado “não tão ruim”; Credit Suisse está otimistas com ações da empresa

Exile on Wall Street

“O que você faria para o futuro da Maria com até R$ 10 mil?”

Eu pensei em várias formas criativas de responder à sua pergunta. Concluí que, acima da criatividade, deveria vir a honestidade pura e simples.

mercado de trabalho

Setor privado cria 167 mil empregos em julho nos EUA

Número ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements