Menu
2019-12-05T08:54:09-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado renova otimismo sobre acordo comercial

Investidor monitora negociações entre EUA e China e possibilidade de remoção de aumento tarifário previsto para o dia 15

5 de dezembro de 2019
5:37 - atualizado às 8:54
expectativaguerra (1)
Perspectiva de acordo comercial e melhor percepção da economia brasileira embalam ativos locais

O otimismo renovado do mercado financeiro em relação a um acordo comercial entre Estados Unidos e China ainda sustenta um sinal positivo entre os ativos de risco no exterior. Os investidores monitoram as negociações em torno da fase um e a possibilidade de remoção de um aumento tarifário programado contra produtos chineses no próximo dia 15.  

Essa perspectiva, combinada com as estimativas de maior crescimento econômico do Brasil neste e no próximo ano, embalou a Bolsa brasileira ontem, levando o Ibovespa a atingir um novo topo histórico, ultrapassando os 110 mil pontos. O dólar, por sua vez, seguiu na faixa de R$ 4,20, em meio à maior saída de recursos estrangeiros do país desde 1982.

Mas, a cada dia, surge uma informação divergente quanto ao progresso (ou não) nas tratativas entre as duas maiores economias do mundo. Ainda assim, os mercados internacionais avançam com rumores de um acordo cujo entorno só piora, diante da escalada da tensão envolvendo as regiões autônomas chinesas de Hong Kong e Xin Jiang. 

Nesta manhã, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram em alta, após uma sessão de ganhos na Ásia, depois de relatos ontem de que as negociações comerciais prosseguem e que as declarações recentes do presidente dos EUA, Donald Trump, não deve ser entendidas como um indicativo de que as negociações estão paralisadas. 

Um dia antes, Trump havia afirmado não ter pressa em assinar um acordo e que seria melhor esperar até depois das eleições presidenciais norte-americanas, em novembro de 2020, para fazer um acordo com a China. Para os mercados, tal retórica está alinhada à estratégia de pressionar o rival, antes de conseguir o máximo desejado. 

Por isso, os investidores renovam o apetite por ativos de risco hoje, confiantes de que a fase um do acordo comercial será concluída antes que as tarifas dos EUA contra US$ 160 bilhões de produtos chineses aumentem, daqui a dez dias. Se isso acontecer, o rali de fim de ano estará garantido, garantindo um ambiente estável para os mercados.   

Agenda calibra apostas

A agenda econômica desta quinta-feira faz uma pausa no Brasil, após a série de dados relevantes no início desta semana, e traz apenas os números da Anfavea sobre a indústria automotiva em novembro (11h20). Os números tendem a lançar luz sobre o desempenho do setor industrial no mês passado, após o crescimento da produção pelo terceiro mês. 

O cenário de recuperação da atividade combinado com a visão de manutenção da inflação baixa e sob controle mantém a expectativa de corte dos juros básicos pelo Banco Central na próxima semana. A dúvida é em relação aos próximos passos do Comitê de Política Monetária (Copom) em relação à taxa Selic em 2020. 

Já no exterior, os indicadores econômicos dividem a cena com eventos de relevo, como a reunião de dois dias dos países produtores de petróleo (Opep) e o discurso da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. À espera do anúncio de novos cortes na produção, o petróleo tem leves baixas, apesar do dólar mais fraco ante as moedas rivais nesta manhã.   

Entre os indicadores, logo cedo, saem a leitura final do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro no terceiro trimestre deste ano e as vendas do varejo na região da moeda única em outubro. Nos EUA, serão conhecidos os dados de outubro da balança comercial (10h30) e das encomendas às fábricas (12h), além dos números semanais de seguro-desemprego (10h30) e sobre os estoques de petróleo e derivados (12h30).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Em grave crise econômica, Venezuela avalia privatizar petróleo

Representantes do governo conversaram com diferentes empresas, diz agência; medida abandonaria décadas de monopólio estatal

O que mexe com os negócios hoje

Com coronavírus no radar, mercados ensaiam dia de recuperação

Ontem o dia foi de temor nos mercados, como reflexo da rápida disseminação do coronavírus pelo mundo. Nas primeras horas da manhã tanto as sessões europeias como os índices futuros em Wall Street ensaiavam uma recuperação

bons negócios

JBS faz acordo com empresa chinesa que deve movimentar R$ 3 bilhões

Parceria com WH Group oferecerá portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara

agenda oficial

BNDES vai até Brasília explicar ‘caixa-preta’

Comitiva vai dar explicações sobre a auditoria de R$ 48 milhões; estudo não encontrou nenhuma irregularidade no banco

entrevista

Por que o coronavírus é mais um elemento de risco à economia, segundo este especialista

Segundo o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale, a doença aumenta as incertezas nos mercados; entenda

dados oficiais

Na China, número de mortes pelo coronavírus passa de 100

Autoridades de saúde da China afirmam que mais de 4 mil pessoas foram infectadas

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, só voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements