Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-12T10:38:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Os touros estão de volta!

Gestores voltam a apostar no mercado de ações e enxergam Ibovespa acima dos 110 mil pontos

Progresso na agenda de reformas e melhor percepção com relação à economia melhoram humor dos investidores consultados pelo Bank of America. Emergentes se tornaram o mercado preferido entre gestores globais

12 de novembro de 2019
10:10 - atualizado às 10:38
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

Depois de uma baixa em outubro, o sentimento dos gestores pesquisados pelo Bank of America (BofA) voltou a melhorar com relação ao Brasil. O percentual de investidores que pretende elevar o investimento em ações atingiu 62% agora em novembro, maior leitura desde o começo da pesquisa.

Especificamente no Brasil, 85% dos gestores acreditam que o mercado de ações terá uma performance acima da média nos próximos seis meses, maior leitura desde março de 2018, e quase 70% acredita em Ibovespa acima dos 110 mil pontos, maior percentual em quatro meses. Em outubro, 47% tinham essa percepção com relação ao Ibovespa.

Segundo o BofA, a pesquisa com os gestores coincidiu com sinais de melhora na economia no Brasil, aprovação de reformas e alguns índices de confiança mostrando recuperação. Junto disso, segue o movimento de corte da Selic, e dois de cada três gestores trabalham com juro básico de 4,5%. Cenário que não se concretizaria apenas se o dólar superasse a linha dos R$ 4,20.

De fato, com relação ao câmbio, a maioria espera alguma apreciação do real até o fim do ano, com 70% trabalhando com a cotação do dólar entre R$ 3,8 e R$ 4,0, contra 50% na pesquisa de outubro. Aqui o BofA faz um adendo, lembrando que a pesquisa não capturou o resultado dos leilões do pré-sal, que praticamente não tiveram participação estrangeira.

Questionados sobre qual fator seria o mais relevante para uma retomada consistente da atividade, 80% dos investidores apontaram a retomada do investimento privado. Outros eventos listados tiveram pouca importância, como reforma tributária, melhora externa e privatizações.

O tom positivo com relação ao Brasil não se repete com outros pares da América Latina. No México, a avaliação é de menor crescimento e perda do grau de investimentos nos próximos anos. Na Argentina, se espera piora no quadro político ao longo dos próximos seis meses.

Nada de recessão

Na pesquisa global, a preocupação com uma recessão desapareceu, com o percentual líquido de participantes acreditando em uma economia global mais forte em 2020 atingindo 6%. Parece pouco, mas é uma alta de 43 pontos percentuais em comparação com outubro. Essa é a maior reversão de expectativas já captada pela pesquisa.

Os investidores também esperam maior inflação (31%, um salto de 29 pontos em um mês), e trabalham com curvas de juros positivamente inclinadas.

Para 52% dos gestores globais, o mercado de ações terá a melhor performance entre os ativos financeiros de 2020, seguido pelas commodities (21%).

“Os touros estão de volta”, disse o estrategista de investimentos do banco, Michael Hartnett, em comunicado.

E isso é boa notícia para os mercados emergentes, que passaram a ocupar a primeira posição entre os mercados preferidos pelos gestores globais. Posição, até então ocupada pelos EUA.

Segundo Hartnett, os investidores estão no modo “medo de ficar de fora” (Fomo - the fear of missing out, em inglês), o que impulsionou uma onda de otimismo e posicionamento no mercado de ações.

Com relação ao câmbio, a visão é de um dólar mais fraco ao longo dos próximos 12 meses para 37% dos entrevistados. Desde 2007 não se via um panorama tão fraco para o dólar.

Para 84% dos gestores, o Federal Reserve (Fed), banco central americano, não sobe a taxa de juros antes das eleições de 2020.

Com relação ao índice S&P 500, a visão é de que pico será aos 3.246 pontos, acima dos 3.166 pontos apontados em outubro. Atualmente, o S&P 500 está na faixa dos 3.080 pontos.

No lado dos riscos, sem novidade, a guerra comercial encabeça a lista de preocupações com 39% das menções. Assim, uma trégua comercial levaria os investidores a ampliar a exposição em ativos de risco. Na sequência dos medos está a bolha no mercado de títulos corporativos (16%), impotência da política monetária (12%) e desaceleração chinesa (11%).

A pesquisa foi realizada entre os dias 1 e 7 de novembro com 230 gestores responsáveis por UR$ 700 bilhões em ativos. Na pesquisa global foram 178 participantes, com US$ 574 bilhões, e 107 gestores participaram das sondagens regionais, com US$ 259 bilhões.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior tem dia de correção e bolsa brasileira deve ter desempenho fraco por mais um dia após fala de Paulo Guedes sobre teto de gastos

Os balanços do exterior devem movimentar os negócios, com Evergrande de volta ao radar após fracasso na venda de uma subsidiária

LAVANDO AS MÃOS

Guedes se isenta e diz que formato do Auxílio Brasil está ‘a cargo da política’

Segundo o ministro, governo teve de fazer um ‘encaixe’ dentro do arcabouço fiscal existente

Entrevista

Um dos maiores gestores de fundos imobiliários do mercado avisa: os shoppings estão baratos e o investidor ainda não percebeu

CEO da HSI, que tem R$ 11 bilhões sob gestão, diz que os shoppings estão começando a apresentar resultados como os de antes da pandemia e vê demanda de residencial alto padrão ainda forte

Casamento legal

Cade mantém aprovação de compra de fatia da BRF (BRFS3) pela Marfrig (MRFG3)

A conselheira que havia pedido a reabertura da análise da operação mudou de posição e desistiu da reavaliação

SEGURADORA EM APUROS

Vítima de ataque cibernético, Porto Seguro (PSSA3) diz ter restabelecido canais após quase uma semana de instabilidade

Corretores ouvidos pela reportagem disseram que, nos últimos dias, os sistemas da seguradora apresentaram problemas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies