Menu
2019-10-08T16:21:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não é QE

Fed atuará de forma apropriada no juro e dará mais liquidez ao mercado

Presidente do Fed, Jerome Powell, repetiu mensagem de política monetária e acenou compra de títulos do Tesouro. Ele também descartou juro negativo nos EUA

8 de outubro de 2019
16:19 - atualizado às 16:21
Jerome Powell, presidente do Fed
Imagem: Federal Reserve

Em esperado discurso, o presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, manteve a mensagem que já vinha dando ao mercado de que vai atuar de forma apropriada para sustentar a expansão da economia. A novidade foi o aceno de compra de títulos do Tesouro e outras medidas para garantir a liquidez no mercado. Mas Powell foi explícito ao dizer que isso não é um programa de afrouxamento quantitativo (QE na sigla em inglês).

Essa é a primeira fala de Powell depois da divulgação de uma série de indicadores econômicos negativos, que levaram o mercado a elevar para cima dos 70% a probabilidade de novo corte de juro em 31 de outubro. Nos mercados, a reação, até o momento, foi baixa, com as bolsas em Wall Street mantendo baixa. O Dow Jones caía cerca de 0,70%. Por aqui, o Ibovespa seguia próximo da estabilidade. Já o dólar caía 0,35%, a R$ 4,09 (veja a cobertura completa de mercados).

As considerações sobre política monetária estão no fim de um discurso preparado para ser apresentado a “National Association for Business Economics” sobre “data-dependent” ou a importância dos dados para a tomada de decisão na política monetária. E foi um Fed “data-dependent” que Powell destacou.

Para o presidente do Fed, as ações já tomadas pelo colegiado, como a redução do juro em meio ponto nas últimas reuniões, estão dando suporte ao cenário base de crescimento econômico, mercado de trabalho forte e inflação rumando para a meta de 2%.

“A próxima reunião será daqui a algumas semanas e estaremos monitorando cuidadosamente as informações recebidas. Estaremos dependentes dos dados, avaliando as perspectivas e os riscos para as perspectivas, reunião a reunião. Levando tudo isso em consideração, atuaremos de forma apropriada para apoiar o crescimento, um forte mercado de trabalho e uma inflação voltando à meta de 2%”, diz Powell.

Operações de liquidez

O presidente do Fed também falou sobre as operações de mercado aberto que foram feitas em setembro para atender à demanda do mercado por liquidez e enfatizou que essas operações não podem ser confundidas com a compra em grande volume de ativos feitas pelo Fed após a crise de 2008/2009.

Powell falou que chegou a hora do Fed voltar a avaliar o tamanho do seu balanço de ativos, indicando que possíveis compras de títulos do Tesouro devem voltar a acontecer, mas com o objetivo de manter a taxa de juros de mercado em linha com a meta estabelecida pelo Fed.

Na parte de perguntas e respostas, Powell foi claro ao afirmar que o que está sendo feito não é um programa de afrouxamento quantitativo (QE). São operações para manter o bom funcionamento do mercado, sem implicações sobre a economia de forma geral.

No mês passado, as taxas de curto prazo subiram de forma acentuada, sinalizando falta de dólares no mercado para os bancos e outros agentes atenderem necessidades de caixa de curto prazo. Nesses momentos, o Fed atua, comprando títulos de curto prazo e entregando dinheiro ao mercado. Powell disse que ele e seus colegas vão, em breve, anunciar medidas para ampliar a liquidez no mercado.

Juro negativo

Para Powell, taxas de juros negativas não são vistas como uma ferramenta “ideal” dentro do contexto institucional do Fed. “Não temos isso como uma ferramenta de primeira ordem”, disse.

Powell comentava sobre as ferramentas à disposição do Fed para atuar em momentos de crise, como a de 2008. Ele disse que o Fed, vai usar sua “caixa de ferramenta” de forma agressiva se necessário, entre essas ferramentas está o controle da estrutura a termo da taxa de juros, que o Fed influencia via compra de ativos de longo prazo.

Inflação

Powell diz que o Fed quer ver a inflação e as expectativas ao redor da meta de 2%. O desafio é escapar de forças deflacionárias que já atuam em outras partes do mundo, pressionando a inflação esperada pelos agentes do mercado para baixo das metas. "Parece que o problema dessa era é impedir a inflação de ir para baixo."

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Lançamento

Marfrig lança hambúrguer vegetal na rede Chicohamburger

Produto será vendido com o nome de Revolution Burger CH; hambúrguer vegetal da Marfrig já tinha sido novidade do cardápio do Burger King em 2019

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados agora

Ibovespa sobe aos 115 mil pontos, atento aos sinais positivos da China; dólar avança a R$ 4,32

O Ibovespa abriu a semana em leve alta, pegando carona no bom humor externo com as medidas de estímulo adotadas pelo governo da China. Carrefour Brasil ON e Magazine Luiza ON estão entre os maiores avanços do índice

Exile on Wall Street

Você quer eliminar as perdas de seu portfólio?

Se você não está cometendo equívocos, é porque não está no seu limite, não está tentando o máximo que pode

maior desvalorização em 45 dias...

Fundos imobiliários perderam este ano R$ 3,28 milhões em valor de mercado

No total, a cesta que congrega os 131 fundos mais negociados do mercado, o Ifix, encolheu 5,15% em 2020 – em fevereiro, apesar da melhora dos últimos dias, a queda é de quase 1%

após IBC-Br

Mercado reduz projeção para alta do PIB em 2020

A atualização do número é apresentada após o próprio BC divulgar que o IBC-Br em 2019 avançou 0,89%, abaixo da previsão de analistas

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

A semana pré-carnaval promete ser intensa, com uma bateria de balanços corporativos. O dia começa com novidades vindas da Ásia sobre o coronavírus e o PIB do Japão. O Seu Dinheiro também traz um “check-up” das empresas de saúde, um segmento que ganhou relevância na bolsa nos últimos anos e que tem ações “queridinhas” dos […]

de olho no balanço

Lucro do Magazine Luiza cresce 54% e chega a R$ 921 milhões em 2019

Varejista divulgou as cifras do ano com os resultados do quarto trimestre de 2019. Entre os destaques dos últimos três meses, está novamente o e-commerce

Esquenta dos mercados

Atuação do BC chinês e agenda corporativa cheia dão força extra aos negócios

Os novos cortes nos juros pelo Banco Central chinês ajuda o mercado a balancear a notícia da queda do PIB japonês. As bolsas americanas ficam fechadas por conta de feriado

dinheiro na mão

Receita paga nesta segunda restituição do lote residual do Imposto de Renda de 2008 a 2019

Crédito bancário será feito para 116.188 contribuintes, somando mais de R$ 297 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements