IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2022-08-17T16:27:54-03:00
Carolina Gama
A CONTA GOTAS

Fed carrega na tinta da ata e pinta um quadro que o mercado não gostou; entenda

Wall Street seguiu operando em queda depois da divulgação do documento, que deixou em aberto os próximos passos que o banco central norte-americano pode adotar

17 de agosto de 2022
16:27
Jerome Powell detonando uma bomba contra a inflação
Imagem: Montagem Andrei Morais / Divulgação Federal Reserve / Papa-Léguas

Se fosse uma exposição, certamente o quadro que a ata do Federal Reserve (Fed) desta quarta-feira (17) pintou não passaria pela curadoria do mercado financeiro. 

A paisagem retratada pelo documento mostra que o aperto monetário nos EUA não está nem perto de acabar e, mais grave, há agora um temor entre os membros do comitê de que o banco central norte-americano possa ter carregado nas tintas. 

A divulgação da ata não ajudou a mudar as cores das bolsas, que seguem no vermelho. Por volta de 16h20, o índice Dow Jones caía 0,57%, o S&P 500 recuava 0,78% e o Nasdaq, 1,23%. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Desde o início do ano, o Fed vem sinalizando que não medirá esforços para conter a inflação — que chegou ao maior nível em pelo menos 40 anos nos EUA. 

Diante do quadro dos preços altos, o presidente do BC norte-americano, Jerome Powell, não pensou duas vezes e sacou o pincel do aperto monetário. 

Em março de 2022, o Fed começou a elevar o juro com uma alta de 0,25 ponto percentual (pp) até chegar em duas elevações seguidas — junho e julho — de 0,75 pp cada, colocando a taxa básica na faixa atual de 2,25% a 2,50% ao ano. 

O Fed pesou na mão?

Desde que começou a ser mais agressivo no ritmo de aperto monetário, o Fed despertou entre os investidores o temor de que a economia norte-americana não aguentasse o tranco e entrasse em recessão. 

Em março, as ações precificavam uma probabilidade de 75% de recessão nos EUA. Em junho, essa chance caiu para 36% e agora está em 20%, de acordo com o Bank of America. 

E não foi à toa que essa probabilidade baixou a menos da metade. Em julho, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos EUA ficou estável na comparação com junho. Em 12 meses, o CPI subiu 8,5%, uma desaceleração em relação aos 9,1% de junho.

Com um mercado de trabalho criando 528 mil vagas no mês passado e uma taxa de desemprego a 3,5% com uma inflação zero no mesmo período, não só a chance de recessão baixou como muitos membros do comitê de política monetária começaram a temer as tintas carregadas do aperto monetário. 

Segundo a ata desta quarta-feira (17), existe o risco de o Fed apertar mais a política monetário do que o necessário para conter a inflação. 

“Muitos membros observaram que, tendo em vista a natureza em constante mudança do ambiente econômico e a existência de defasagens longas e variáveis ​​no efeito da política monetária sobre a economia, há o risco de que o Comitê possa apertar a política por mais do que o necessário para restaurar a estabilidade de preços”, diz a ata. 

Esses membros do Fed destacaram esse risco ao ressaltar a importância da abordagem dependente de dados para julgar o ritmo e a magnitude da consolidação de políticas nos próximos trimestres.

Temo, não nego, mas vou seguir apertando

Apesar de reconhecer a possibilidade de ter carregado nas tintas, tudo indica que o Fed não está convencido de que o ciclo de aperto monetário está chegando ao fim — como  BC brasileiro já indicou

A ata de hoje mostrou que os membros do comitê estão dispostos a reduzir o ritmo da alta, mas não colocar um freio nesse movimento. 

“Os participantes julgaram que, à medida que a postura da política monetária se tornasse mais restritiva, provavelmente seria apropriado em algum momento desacelerar o ritmo dos aumentos da taxa de juro enquanto avaliavam os efeitos dos ajustes cumulativos de política monetária sobre a atividade econômica e a inflação”, diz a ata.

E mais: o documento mostrou que uma vez que a taxa básica atingir um nível suficientemente restritivo, seria apropriado manter esse patamar por algum tempo para garantir que a inflação se mantenha no caminho de volta à meta de 2%.

Veja também: A Selic não deveria subir mais

Temos o quadro que o mercado não quer ver

E, com essas tintas, a ata do Fed pintou um quadro que o mercado não quer ver: o Fed não vai recuar no aumento do juro ainda que corra o risco de ter exagerado na mão. 

Por isso, as ações de Wall Street seguiram operando em queda depois da divulgação da ata — com o Dow Jones caminhando para a primeira baixa depois de seis pregões no azul. 

A precificação de mercado é para um aumento de 0,50 pp na reunião de setembro, embora o Fed não tenha sinalizado o calibre da elevação, observando que a decisão será tomada mais perto do encontro e com bases em novos dados econômicos. 

A ata do Fed em análise

Assim como os especialistas em avaliar quadros, os analistas financeiros também disseram o que pensam sobre a ata de hoje. 

Débora Nogueira, economista-chefe da Tenax Capital, diz que a  mensagem do documento foi na direção de cautela, depois de um ajuste importante do juro básico. 

“Seguem falando do risco de desancoragem das expectativas e da importância de trazer a inflação para a meta, mas a questão da atividade e o risco de aperto além do necessário está no radar”, afirmou Nogueira. 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

REVIRAVOLTA NA B3?

Sem tempo para esfriar o corpo! Oi (OIBR3) entra com pedido cautelar e pode se preparar para a sua segunda recuperação judicial em menos de dois meses

1 de fevereiro de 2023 - 23:24

Hoje, uma eventual falência da Oi afetaria mais de 62 mil colaboradores, com impactos para os cofres públicos, uma vez que a companhia honra cerca de R$ 2,85 bilhões em compromissos fiscais.

DIA 32

Eleições no Congresso: das favas contadas à vitória de Lula contra o avanço bolsonarista

1 de fevereiro de 2023 - 20:25

Rodrigo Pacheco foi reconduzido à presidência do Senado com 49 votos, enquanto Arthur Lira foi reeleito para o comando da Câmara — mas os números não contam o que estava em jogo

LUCRO NO EXTERIOR

Petrobras (PETR4) sofre derrota bilionária no CARF, mas garante que irá recorrer; entenda o caso

1 de fevereiro de 2023 - 19:44

A estatal perdeu em um julgamento de recursos contra duas cobranças que totalizam cerca de R$ 5,7 bilhões

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Jerome Powell encanta Wall Street, mas Ibovespa não acompanha; confira os destaques do dia

1 de fevereiro de 2023 - 19:34

Chamado de Eros no Monte Olimpo e de Cupido na Roma Antiga, o deus da paixão é fruto da união entre os deuses da guerra e do amor. Ainda que ganhe novos nomes por onde passa, a imagem de um ser angelical armado com a flecha dos enamorados é universalmente reconhecida — e parece ter […]

é hora de dizer adeus

Stone embolsa R$ 218 milhões com venda de ativos e dá adeus ao Inter

1 de fevereiro de 2023 - 19:30

Cada BDR negociado na B3 sob o ticker INBR32 corresponde a uma ação de Classe A negociada em Nova York. Nesta quarta-feira, o ativo recuou cerca de 6% após a operação.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies