Menu
2019-09-18T09:44:48+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ainda está faltando dólar

BC americano volta a injetar dólares no mercado financeiro

Em nova operação, Federal Reserve (Fed) de Nova York coloca todo o lote ofertado de US$ 75 bilhões, demanda no mercado foi de US$ 80,05

18 de setembro de 2019
9:39 - atualizado às 9:44
Helicóptero joga dólares
Imagem: Shutterstock

O Federal Reserve (Fed) de Nova York, responsável pelas operações em mercado do banco central americano, concluiu mais um leilão de “repo”, instrumento semelhantes às nossas operações compromissadas, colocando US$ 75 bilhões no mercado. A oferta total era de US$ 75 bilhões e a demanda chegou a US$ 80,05 bilhões.

Ontem, o Fed de NY teve de correr para atuar com uma operação dessas, a primeira em 10 anos, conforme as taxas nos mercados de “money-market”, onde bancos e outros agentes trocam títulos por dinheiro de curto prazo, chegou a testar patamares próximos a 10%, evidenciando um problema de liquidez. A oferta de ontem movimentou US$ 53 bilhões.

De forma simplificada, as taxas nesse mercado têm de oscilar ao redor da taxa básica fixada pelo Fed, que está entre 2% e 2,25%. Se há um descolamento muito grande é sinal de problema. O Fed tem reunião na tarde desta quarta-feira e há expectativa de algum comentário sobre o tema.

Não há uma única explicação para esse raro fenômeno, que já antecedeu crises mais severas no mercado. As explicações passam pelo aumento da dívida americana, que drena recursos do mercado via emissão de títulos. Pagamento trimestral de impostos. Liquidação de US$ 78 bilhões em títulos do Tesouro. As negociações envolvendo a inclinação da curva americana, com compra de títulos curtos e venda de papéis mais longo. E o fim do programa de afrouxamento quantitativo (quantitative easing) pelo Fed, que deixou de comprar ativos.

O fato é que esse tipo de mercado foi pensado e desenhado para não ser notícia. Quanto ele vira ponto de discussão global é sinal de alerta. Há críticas com relação à atuação do Fed, que tem obrigação de manter as taxas de mercado coladas à meta fixada por seu colegiado, mas também há ponderação de que a conjunção de fatores foi mesmo uma surpresa.

Também temos discussões com relação às limitações prudenciais para bancos e outros agentes atuarem nesse “mercado de dinheiro”. Em tese, os bancos seriam os arbitradores naturais, ganhando com a diferença de taxas. No entanto, há limitação de exposição de balanço e esses agentes não puderam atuar.

Ponto interessante levantado em relatório do Credit Suisse é que apesar de pouco usual, toda essa movimentação não é motivo para pânico. Estamos de volta ao antigo regime, quando o Fed conduzia regulamente esse tipo de operação que troca títulos por dinheiro. Algo que foi abandado depois da crise e das massivas injeções de liquidez no mercado.

Além de fazer as "repo" (compromissadas) e as compras diretas, o Fed também pode reiniciar o "quantitative easing" e/ou reduzir o juro sobre o excedente de reservas bancárias, que está em 2,1%. Em tese, juros menores nesses depósitos que os bancos fazem junto ao BC estimularia maior colocação de dinheiro junto ao mercado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Em meio à crise

Líder do PSL na Câmara diz que partido não vai expulsar nenhum parlamentar

Delegado Waldir negou também que vá haver qualquer retaliação do partido em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

novidade lá fora

Google anuncia Pixel 4, celular que promete controle por gestos sem tocar na tela

Em evento nos EUA, companhia apresentou uma série de produtos novos, incluindo a segunda geração de seu alto-falante inteligente, o Nest Mini, e o notebook Pixelbook Go; ações sobem

no topo

PAN, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

Pan registrou índice de 149,58. Em segundo lugar, aparece o BMG (82,33) e, em terceiro, o Bradesco (24,16)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements