🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-05-25T16:04:32-03:00
Carolina Gama
NA CORRIDA CONTRA A INFLAÇÃO

Vai pisar fundo? O que a ata do Fed mostrou e fez o investidor patinar

Na reunião política monetária de 3 e 4 de maio, o banco central norte-americano aumentou a taxa de juros em 0,50 ponto percentual — o maior avanço em 22 anos

25 de maio de 2022
15:23 - atualizado às 16:04
Montagem de Jerome Powell em carro de fórmula 1 atrás da curva competindo com carro da frente com nome de inflação
Jerome Powell em carro de fórmula 1 atrás de carro da inflação que está na frente - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Divulgação

Na corrida contra a inflação, o Federal Reserve (Fed) está disposto a seguir pisando no acelerador dos juros para cruzar a linha de chegada antes dos preços altos. 

O piloto — o presidente do banco central dos EUA, Jerome Powell — já deixou claro que seguirá elevando a taxa básica até que haja evidências convincentes de que a inflação está desacelerando no país.

E a equipe nos boxes parece estar disposta a atender o pedido. A ata da reunião de 3 e 4 de maio mostrou que os dirigentes do Fed não só apoiaram o aumento de 0,50 ponto percentual (pp) na ocasião como estão preparados para dar o sinal verde para elevações da mesma magnitude nos próximos encontros.

Da arquibancada, o mercado assiste às revelações do documento sem saber se comemora ou se não. A reação inicial da bolsas em Nova York foi acelerar com Powell. Mas minutos depois, o S&P 500, por exemplo começou a oscilar entre perdas e ganhos.

O Fed não vai tirar o pé

Membros da equipe de Powell enfatizaram a necessidade de aumentar a taxa de juros rapidamente — e possivelmente mais do que os mercados antecipam — para enfrentar uma inflação que não dá tréguas, segundo a ata.

Eles observaram ainda que a política monetária pode ter que superar a chamada postura neutra — ou seja, quando não é favorável nem restritiva ao crescimento — uma consideração importante que pode ecoar pela economia.

A reunião de 3 a 4 de maio viu o comitê do Fed aprovar o aumento dos juros em 0,50 pp e traçar um plano, a partir de junho, para reduzir o balanço de US$ 9 trilhões do banco central, composto principalmente de títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas.

Essa foi a maior elevação da taxa em 22 anos e ocorreu quando o banco central norte-americano está tentando colocar um freio na inflação, que alcançou o maior nível em 40 anos nos EUA. Atualmente, a taxa de juros está na faixa entre 0,75% e 1,00% ao ano.

A precificação de mercado atualmente vê o Fed movendo-se para uma taxa básica de juros em torno de 2,5% a 2,75% até o final do ano, o que seria consistente com lugar onde muitos dirigentes veem uma taxa neutra. Declarações na ata, no entanto, indicam que o comitê está preparado para ir além.

“Todos os participantes reafirmaram seu forte compromisso e determinação em tomar as medidas necessárias para restaurar a estabilidade de preços”

Trecho da ata da reunião do Fed de 3 e 4 de maio deste ano

60 vezes inflação

Que a disparada de preços é uma preocupação do Fed — e do mundo neste momento — não há dúvidas. Tanto que o presidente do banco central norte-americano está disposto a arriscar colocar a economia dos EUA em recessão com uma política monetária agressiva para conter esse avanço.

A ata divulgada nesta quarta-feira (25) deixou essa preocupação ainda mais evidente. O documento menciona 60 vezes a palavra inflação.

Se de um lado, os membros do Fed demonstram confiança de que a política monetária e a flexibilização de vários fatores contribuintes, como problemas na cadeia de suprimentos, ajudariam a situação, de outro lado, as autoridades observaram que a guerra na Ucrânia e os bloqueios associados à covid-19 na China exacerbariam a inflação.

Em março, o índice de preços com consumo (PCE, a medida preferida do Fed para a inflação) subiu 6,6% ante igual período do ano anterior, registrando aceleração em relação aos 6,4% registrados em fevereiro — o maior valor registrado desde 1978.

Não é só a inflação que preocupa o Fed...

Junto com a determinação controlar a inflação, vieram as preocupações com a estabilidade financeira.

Os dirigentes do Fed expressaram preocupação de que uma política mais rígida possa causar instabilidade tanto no mercado de dívida via Treasuries quanto no mercado de commodities.

Especificamente, a ata alertou sobre “as práticas de negociação e gerenciamento de risco de alguns participantes-chave nos mercados de commodities [que] não são totalmente visíveis para as autoridades regulatórias”.

Questões de gerenciamento de risco “podem dar origem a demandas significativas de liquidez para grandes bancos, corretoras e seus clientes”.

Ainda assim, as autoridades continuaram comprometidas em aumentar a taxa de juros e reduzir o balanço. A ata afirma que isso deixaria o Fed “bem posicionado no final deste ano” para reavaliar o efeito que a política estava tendo sobre a inflação.

O balanço trilionário do Fed

Na questão do balanço, a ata mostrou que o plano será permitir que um nível máximo de recursos seja lançado a cada mês, um número que chegará a US$ 95 bilhões até agosto, incluindo US$ 60 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 35 bilhões em hipotecas.

A ata indica ainda que a venda definitiva de MBS, como são conhecidos os títulos lastreados em hipotecas, é possível, com aviso de que isso acontecerá com bastante antecedência.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ELEIÇÕES 2022

Ô abre alas que Braga Netto vem aí! General da reserva é exonerado e tem caminho livre para ser vice de Bolsonaro

Bolsonaro havia confirmado no domingo (27) o nome de Braga Netto como seu vice na chapa que disputará a reeleição deste ano, causando um pouco de desconforto entre aliados que esperavam a escolha de Tereza Cristina (PP), ex-ministra da Agricultura

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies