🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Expert XP 2022

‘Estou confiante de que teremos uma recessão nos EUA dentro dos próximos 18 meses’, diz ex-secretário do Tesouro americano

Lawrence Summers esteve presente na Expert XP 2022, onde fez duras críticas ao Fed e à política monetária dos Estados Unidos.

Lawrence Summers, ex-secretário do Tesouro dos EUA, fala em painel na Expert XP 2022
Imagem: Divulgação

Algo recitado por 10 entre 10 economistas é que os EUA devem passar por uma recessão nos próximos meses. Inclusive, uma semana atrás, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do país já anunciaram uma recessão técnica — ou seja, dois trimestres consecutivos de queda da economia. 

E, nesta quinta-feira (4), o ex-secretário do Tesouro americano Lawrence Summers reforçou esse prognóstico à plateia da Expert XP 2022. “Eu posso estar errado, mas estou consideravelmente confiante de que teremos uma recessão dentro dos próximos 18 meses”, disse o economista.

A dúvida que resta é o que o Federal Reserve (Fed) vai precisar fazer para gerar essa recessão. Quão alto os juros têm de subir — e por quanto tempo?

Summers criticou os posicionamentos recentes do chefe do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, classificando-os como “analiticamente indefensáveis”. Vale lembrar que, na semana passada, Powell disse que o aperto mais recente da política monetária havia levado os juros para o patamar neutro.

“Fiquei muito surpreso quando ouvi o Powell dizer isso”, afirmou Summers.

Summers e os EUA: ceticismo com o Fed

O ex-secretário do Tesouro dos EUA também ironizou a confiança do Fed de que será possível eliminar a inflação sem aumentar os juros acima de 3 ou 4% ao ano.

“Vi que teremos o privilégio de estar com a Serena Williams mais tarde. Eu tenho confiança de que vou jogar uma partida de tênis com ela e que vou vencer em três games. Posso acreditar nisso, mas não é uma crença baseada na realidade”, disse Summers, arrancando risos da plateia.

O economista ainda fez críticas sobre a agenda progressista do Fed ao longo de 2020 e 2021, quando o banco central se posicionava mais sobre meio ambiente e distribuição de riqueza.

“Falavam sobre tudo, exceto sobre a estabilidade de preços. A partir de novembro do ano passado, o tom mudou para ‘por favor, Deus, não deixe que sejamos lembrados como o pessoal dos anos 1970’”, disse Summers, fazendo referência ao último período que os EUA viveram de descontrole da inflação.

Segundo o economista, há algumas décadas havia a esperança de que a América Latina fosse se tornar mais parecida com a América do Norte. Mas, de acordo com o economista aconteceu justamente o contrário: a América do Norte ficou mais parecida com a América Latina.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Esquenta dos mercados: Ibovespa futuro sobe com prévia do PIB e busca recuperação; dólar cai

17 de abril de 2024 - 6:49

RESUMO DO DIA: O Ibovespa futuro abriu a sessão desta quarta-feira em alta, impulsionado pelos resultados da prévia do PIB, o IBC-Br, e na esteira da valorização em Wall Street . Já o dólar amanheceu em alta, se aproximando do patamar dos R$ 5,30, mas passou a cair após a abertura. As principais bolsas pelo […]

REPORTAGEM ESPECIAL

O fracasso das empresas “sem dono” na B3. Por que o modelo das corporations vai mal na bolsa brasileira

16 de abril de 2024 - 15:54

São vários exemplos e de inúmeros setores de companhias sem uma estrutura de controle que passaram por graves problemas ou simplesmente fracassaram

MAIS 11 ATIVOS PARA A CONTA

Fundo imobiliário BTLG11 fecha acordo de quase R$ 2 bilhões por portfólio de imóveis em SP

16 de abril de 2024 - 11:36

O FII deve adquirir 11 ativos, com cerca de 550 mil metros quadrados prontos e performados

SÉRIE A DA B3

Auren (AURE3) fica de fora da segunda prévia do Ibovespa, que agora conta com a entrada de apenas uma ação

16 de abril de 2024 - 10:32

Se a previsão se confirmar, a carteira do Ibovespa contará com 87 ações de 84 empresas a partir de maio

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai pela quinta vez seguida pressionado por juros nos EUA e questão fiscal; dólar fecha no maior nível em 13 meses, a R$ 5,26

16 de abril de 2024 - 6:33

RESUMO DO DIA: A perspectiva de juros elevados por mais tempo nos Estados Unidos ganhou força mais uma vez e, combinada com a preocupação com o cenário fiscal doméstico, gerou mais lenha para a bolsa brasileira aumentar as cinzas. Pela quinta vez consecutiva, o Ibovespa terminou o dia no vermelho, com queda de 0,75%, aos […]

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos e Wall Street no vermelho; dólar sobe a R$ 5,18

15 de abril de 2024 - 6:43

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta segunda-feira (15) no vermelho, pressionado pelo desempenho dos bancos, que recuaram em meio à crescente aversão ao risco no mercado hoje. O principal índice de ações da B3 fechou o pregão em baixa de 0,49%, aos 125.333 pontos. Já o dólar à vista avançou 1,25%, aos […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Prévia do PIB no Brasil e balanços nos EUA são destaque junto com Livro Bege nos próximos dias

15 de abril de 2024 - 6:20

As reuniões do FMI ao longo da semana permanecem no radar, com discussões focadas na estabilidade financeira global e nas estratégias para enfrentar as incertezas econômicas

TOUROS E URSOS

O enigma da Petrobras (PETR4): entre dividendos e “risco Lula”, vale a pena ter ações da estatal?

14 de abril de 2024 - 7:45

Ruído da intervenção do governo impede a Petrobras de negociar no patamar de companhias como Chevron e Exxon, segundo analista

TEMPESTADE PERFEITA

Como a escalada das tensões no Oriente Médio derruba as ações da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) na B3

12 de abril de 2024 - 16:10

A crise geopolítica pressiona as cotações do petróleo e do dólar, o que afeta os negócios das companhias aéreas

RISCO GLOBAL

Dólar bate em R$ 5,14  e atinge maior nível em seis meses — e aqui estão três motivos para a disparada da moeda norte-americana hoje 

12 de abril de 2024 - 13:25

O dólar também se valoriza ante as divisas globais; as cotações do petróleo e do ouro renovam máximas históricas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies