🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

O conclave dos banqueiros centrais vai começar: saiba o que esperar do simpósio de Jackson Hole

Foi em Jackson Hole que Jerome Powell previu erroneamente que a inflação nos Estados Unidos seria um fenômeno transitório

23 de agosto de 2022
9:17 - atualizado às 18:19
Placa indicando a localidade de Jackson Hole, onde se realiza o simpósio anual do Federal Reserve (Fed) e outros bancos centrais
Imagem: Divulgação Jackson Hole

Estamos em uma semana importante para os mercados internacionais. Depois de uma recuperação relevante entre meados de julho e o início de agosto, com alta de mais de 15% do S&P 500 (mais de 10% para o Dow Jones e cerca de 20% para o índice Nasdaq, que mais havia sofrido no primeiro semestre), voltamos a ver certa pressão sobre os ativos de risco.

Nos últimos dias, o mercado norte-americano interrompeu a sequência positiva.

O centro da questão é aquele que já tenho discutido em certo grau aqui nesta coluna: estamos em um novo mercado de alta ou o que vivemos nas últimas semanas, até a interrupção mais recente, é apenas um rali do mercado de baixa que se dissipará em breve, abrindo espaço para que os ativos busquem novas mínimas?

Minha resposta: para os mercados internacionais, entendo que seja o segundo caso.

Dados de inflação e emprego mudaram perspectiva dos investidores

Desde a última reunião do Federal Reserve, uma série de dados robustos da economia americana, de emprego e inflação, resultados do segundo trimestre não tão ruins quanto o esperado e uma retração nos preços das commodities proporcionaram uma mudança de perspectiva para os investidores.

Isto é, tais fatores funcionaram como catalisadores positivos para o sentimento geral.

Essa perspectiva de soft landing, no entanto, me parece um pouco de afobação do mercado. A inflação ainda parece distante de ser controlada, o ciclo de aperto monetário nas economias centrais está longe de acabar e a economia ainda precisa entrar em recessão.

Como Felipe Miranda, Estrategista-Chefe da Empiricus, colocou em recente carta para investidores:

"[...] se você vê atratividade no S&P 500 a 4.300 pontos [...], é como se concordasse também que: a capacidade explicativa de juros e inflação para determinar o comportamento das ações é a menor da história, lutar contra o Fed funciona ("fight the Fed works”) e o quantitative tightening (enxugamento do balanço do Banco Central) não traz grandes impactos, ainda que o quantitative easing (expansão do balanço do BC) tenha sido fundamental para guiar o preço dos ativos alguns anos atrás."

Ele tem um bom argumento.

O movimento parece não fazer sentido.

Dos 43 ralis de bear market desde 1929, nos quais o S&P 500 subiu mais de 10%, a valorização média foi de 17,2% e a subida durou 39 dias de negociações. Desta vez, o índice chegou a subir mais de 15%, num total de 41 pregões.

Olhando para isso, parece mesmo um "bear market rally".

Na semana passada, a ata dessa última reunião do Fed, junto de falas de autoridades monetárias americanas, pressionou a expectativa mais otimista de que o pior já passou.

Ainda vejo um tom hawkish a ser devidamente precificado pelo mercado. O Banco Central dos EUA parece bastante determinado em vencer a inflação, o que voltaria a elevar os yields nos diferentes vértices da curva, machucando novamente ativos de risco.

O que esperar de Jackson Hole

Por isso, os investidores estão bem atentos ao grande evento dos próximos dias: o Simpósio Anual de Política Econômica de Jackson Hole.

O encontro realizado em Wyoming é marcado por discussões de banqueiros centrais, ministros das finanças, acadêmicos e participantes do mercado financeiro de todo o mundo. Nele, comentários e discursos de banqueiros centrais e outras autoridades influentes podem gerar volatilidade significativa no mercado.

Tradicionalmente, as falas podem dar mais cor sobre os próximos passos da política monetária americana e, de maneira mais genérica, do mundo desenvolvido.

No ano passado, no evento de Wyoming, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse acreditar que as pressões inflacionárias provavelmente seriam transitórias. Ele logo percebeu que estava errado e teve que tentar recuperar o atraso (inflação fora de controle).

O desafio do combate à inflação

Com isso, os mercados voltam a esperar cada vez mais aumentos agressivos das taxas de juros do Fed, uma vez que ainda há muito trabalho pela frente para retornar a inflação de 8,5% para sua meta de 2% (levar a inflação de 8,5% para 4% será uma batalha e de 4% para 2% será outra, talvez muito mais difícil) — esperar mais uma alta de 75 pontos-base para a próxima reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), em 21 de setembro, já é a principal aposta do mercado, pelo menos por enquanto.

Em sendo o caso, o mercado poderia amargar novamente; afinal, ainda estamos com taxas de juros reais negativas nos EUA. A última vez em que o Fed encerrou um ciclo de aperto monetário com taxas de juro reais negativas foi em 1954.

Ou seja, há mais espaço para juros.

Dois outros pontos me chamaram a atenção:

  • i) na sexta-feira teremos o PCE, ou o Índice de Preços de Despesas com Consumo Pessoal dos EUA, que costumava ser o indicador favorito de inflação do Fed, por capturar melhor mudanças no padrão de consumo; e
  • ii) nem só de alta de juros que vive o aperto monetário ao redor do mundo.

Como fica o balanço de ativos do Fed

Sobre este segundo ponto, vale o espaço para lembrar que há também o aperto monetário sendo conduzido pela redução do balanço de ativos Fed. Em setembro, a autoridade monetária americana passará de uma redução de ativos de US$ 35 bilhões por mês para US$ 95 bilhões por mês.


Fonte: Soc Gen.

Vale lembrar que a função de liquidez do Fed tem uma correlação relevante com o desempenho do S&P 500. Poderíamos até justificar a alta recente, inclusive, com uma melhora marginal das condições de liquidez no curto prazo.

Se a liquidez voltar a piorar em um mês de volta das férias nos EUA (setembro), que costuma ser sazonalmente mais difícil e volátil que agosto, ao menos historicamente, temos uma fórmula interessante para correção adicional dos ativos de risco.

O Simpósio de Jackson Hole também poderá nos dar dicas de para onde o Fed quer levar esse balanço nos próximos anos, o que será um vetor importante para a valorização dos ativos no futuro.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no mundo e atividade no Brasil são os destaques da semana

11 de setembro de 2022 - 8:06

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

DEU RUIM!

Powell derruba as bolsas mundo afora ao dar um alerta que o mercado não queria ouvir — veja o recado do presidente do Fed em Jackson Hole

26 de agosto de 2022 - 12:26

O tão aguardado discurso do chefão do maior banco central do mundo aconteceu depois da divulgação de dados que mostraram que a inflação perdeu força nos EUA e, ainda assim, os investidores não gostaram do que ouviram; entenda por quê

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: simpósio de Jackson Hole é destaque; semana também conta com dados de inflação no Brasil e nos EUA

20 de agosto de 2022 - 7:11

O simpósio de Jackson Hole deve trazer sinalizações importantes por parte do Federal Reserve (Fed) quanto ao futuro dos juros no país

A CONTA GOTAS

Fed carrega na tinta da ata e pinta um quadro que o mercado não gostou; entenda

17 de agosto de 2022 - 16:27

Wall Street seguiu operando em queda depois da divulgação do documento, que deixou em aberto os próximos passos que o banco central norte-americano pode adotar

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

FECHAMENTO DO DIA

Máquina de gerar empregos dos EUA passa por cima do S&P 500 — entenda o que atropelou o índice hoje

5 de agosto de 2022 - 17:03

O mercado de trabalho norte-americano adicionou 528.000 novas vagas em julho, superando facilmente uma estimativa da Dow Jones de um aumento de 258.000; a taxa de desemprego fica abaixo do previsto e cai para 3,5%

Expert XP 2022

‘Estou confiante de que teremos uma recessão nos EUA dentro dos próximos 18 meses’, diz ex-secretário do Tesouro americano

4 de agosto de 2022 - 13:10

Lawrence Summers esteve presente na Expert XP 2022, onde fez duras críticas ao Fed e à política monetária dos Estados Unidos.

FECHAMENTO DO DIA

A explosão de ganhos patrocinada pelo Fed: entenda por que o S&P 500, o Nasdaq e o Dow Jones renovaram máximas

27 de julho de 2022 - 17:03

O banco central norte-americano elevou pela segunda vez seguida a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, mas calibre do aumento não assustou os investidores em Wall Street

NO FIO DA NAVALHA

Powell fala o que os investidores queriam ouvir — saiba o que o chefe do Fed disse e que fez Wall Street disparar

27 de julho de 2022 - 16:28

O banco central norte-americano anunciou a segunda alta de 0,75 ponto percentual seguida da taxa de juro, mas o mercado não se assustou com o calibre do aperto; entenda o que ajudou as bolsas a subirem

PACIÊNCIA, CAVALEIRO

Fed tenta sair da caverna do dragão com outra alta de juro de 0,75 pp — saiba tudo sobre mais essa decisão

27 de julho de 2022 - 15:09

Com o aumento desta quarta-feira (27), a taxa básica pulou para a faixa entre 2,25% e 2,50% ao ano; entenda por que essa elevação mexe com seus investimentos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies