Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
2019-03-01T18:03:20-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 60

Veja bem, não é por aí

Turma do controle de danos entrou em campo para explicar o que o presidente realmente queria dizer

1 de março de 2019
18:03

O presidente Jair Bolsonaro teve apenas agendas internas no Palácio de Planalto. O que me chamou atenção é que o presidente está desde o dia 26 de fevereiro (estamos em 1º de março) sem postar nada na sua conta do “Twitter”. Algo pouco usual, ainda mais depois das conversas de que ele seria mais atuante nas redes em defesa da reforma da Previdência. Mesmo no período internado em São Paulo a conta sempre teve conteúdo seu ou "retuitado".

Ainda no campo da reforma, a turma do “veja bem” ou de “controle de danos” entrou em ação nesta sexta-feira para explicar as declarações de ontem de Bolsonaro sobre reduzir idade mínima para mulheres e cortar outras “gorduras” do texto original. O vice, general Hamilton Mourão, disse que o presidente foi “mal interpretado” e que ele queria mostrar que tem coisas que o Congresso poderá mudar. O líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), reforçou o coro dizendo que Bolsonaro apenas sinalizou a disposição de negociar. Então tá.

A melhor comparação que vi para o caso estava no “morning call” de uma corretora: “Ao lidar com o Congresso, o presidente seria o equivalente a um jogador de pôquer com uma boa mão, mas que começa a sorrir e suar de felicidade antes de fazer uma aposta, ou seja, parece que não sabe jogar o jogo. Dizer que ‘existe gordura para queimar’ é dar aos deputados exatamente o que eles queriam para satisfazer suas bases, argumentos contrários a pontos da reforma. Seria cômico, se não fosse trágico”. Ainda bem que não foi um "all-in" e ainda há fichas na mesa.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies