Menu
2019-06-24T09:25:00-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Investidores ainda ecoam o tom suave do Fed

Donald Trump e Xi Jinping devem se reunir durante o G20 para tratar da disputa tarifária e a comissão especial na Câmara deve votar o parecer da reforma da Previdência

24 de junho de 2019
5:38 - atualizado às 9:25
semana
Tom suave dos BCs e pressão sobre o Irã ainda ecoam nos mercados -

Os investidores ainda ecoam nesta segunda-feira o tom suave (“dovish”) na fala dos principais bancos centrais globais. Na última semana, os BCs dos EUA (Fed), da zona do euro (BCE), da Inglaterra (BoE) e do Japão (BoJ) mostraram-se inclinados em adotar estímulos monetários, cortando suas respectivas taxas de juros nos próximos meses.

Os crescentes riscos geopolíticos, em meio à escalada da tensão entre EUA e Irã após o abatimento de um drone militar norte-americano, também são monitorados. Diante disso, os mercados internacionais mantêm o sinal positivo, com os ativos de risco embalados pelos BCs e o petróleo subindo, à espera de novas sanções contra o país persa.

As principais bolsas asiáticas encerraram em alta, com os investidores mostrando um otimismo cauteloso antes da retomada das negociações entre EUA e China. A agência de notícias estatal chinesa Xinhua confirmou que Xi irá participar da cúpula do G20, o que aliviou o pregão em Xangai (+0,2%) e fez o yuan chinês subir. Hong Kong ficou de lado.

No Ocidente, a postura dovish do Fed mantém os índices futuros das bolsas de Nova York no terreno positivo, sendo que o Dow Jones caminha para o melhor junho em oito décadas e o S&P 500, em mais de 60 anos. Na Europa, as principais praças da região tentam seguir o ritmo em Wall Street, mas são penalizadas pelas montadoras.

Nos demais mercados, o dólar continua perdendo força em relação às moedas rivais, com destaque para o salto da lira turca, após vitória do candidato da oposição na nova eleição em Istambul. O xará australiano também tem alta firme, com o BC local (RBA) admitindo haver limites à política monetária. Entre os bônus, as Treasuries estão estáveis.

À espera da Previdência

Esse apetite por risco vindo do exterior deve animar o mercado doméstico, ampliando a valorização dos ativos locais, após registrarem ganhos expressivos na última sexta-feira. Durante a sessão espremida entre o feriado e o fim de semana, o Ibovespa renovou o recorde de alta, alcançando os 102 mil pontos, enquanto o dólar caiu pela quarta vez consecutiva e os juros futuros (DIs) derreteram.

Além da postura dovish dos principais bancos centrais pelo mundo, os investidores também se mostraram mais confiantes com o avanço da reforma da Previdência no Congresso. A possibilidade de um acordo entre os deputados para a votação do texto no plenário da Câmara antes do recesso, em meados de julho, animou os negócios locais.

A expectativa é de que o relator da reforma apresente um voto complementar nesta semana, incorporando mudanças sugeridas durante os debates na proposta para a nova Previdência, abrindo caminho para a votação do texto na comissão especial. Além disso, os investidores também repercutiram as chances maiores de corte na Selic em breve.

BC é o destaque nacional

Aliás, a agenda econômica desta semana traz como destaque, no Brasil, as divulgações do Banco Central, que podem lançar luz sobre o momento exato em que a autoridade monetária pode iniciar o ciclo de cortes na Selic. A ata da reunião da semana passada, a ser conhecida amanhã, deve reforçar a dependência do processo à evolução das reformas.

O BC foi mais explícito, no comunicado que acompanhou a decisão deste mês, em relação à continuidade das reformas e ajustes na economia brasileira, ao dizer que o risco de frustração das expectativas é “preponderante”. Com isso, o mercado financeiro começou a ponderar se a queda do juro básico começa mesmo já em julho, ou só a partir de setembro.

A discussão sobre o espaço que o Comitê de Política Monetária (Copom) dispõe para reduzir a taxa básica tende a esquentar, à medida que a agenda de reformas avançar e as condições da atividade e inflação permitirem um corte. Por isso, ganha ainda mais importância a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), na quinta-feira.

Caso o documento referente ao segundo trimestre deste ano mostre que os modelos do BC capturaram uma melhora nos fatores de risco à inflação, a pressão sobre o Copom pode subir ainda mais. Entre os indicadores econômicos, merece atenção a prévia de junho do índice oficial de preços ao consumidor brasileiro (IPCA-15), que sai amanhã.

Na sexta-feira, é a vez dos dados atualizados sobre o desemprego no país até maio. Um dia antes, sai o IGP-M deste mês. Ao longo da semana, serão conhecidos índices de confiança dos diferentes agentes econômicos e as notas do BC sobre as contas externas (hoje, às 10h30), as operações de crédito (quinta-feira) e as contas públicas (sexta-feira).

PIB dos EUA antes do G20

Enquanto aguardam a retomada das negociações entre EUA e China no encontro do G20, os investidores recebem indicadores sobre a atividade econômica, que devem reforçar a percepção de desaceleração em curso, sem pressão nos preços. O destaque fica com a leitura final do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano no primeiro trimestre deste ano, na quinta-feira. No dia seguinte, saem a renda pessoal e os gastos com consumo no país.

Até lá, serão conhecidos dados sobre o setor imobiliário nos EUA e sobre a confiança de empresários e consumidores na zona do euro. Fora da região da moeda única, merece atenção também o PIB do Reino Unido, na sexta-feira. A ilha britânica segue cercada de incertezas, com o futuro do Brexit aguardando antes a definição do próximo primeiro-ministro, que só será conhecido oficialmente em julho.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

privatizações na agenda

Guedes diz que é preciso privatizar os Correios ‘antes que o ativo se deteriore’

Ministro classificou como importante a rede de entregas da estatal; ele justificou demora em desestatizações e reiterou que auxílio emergencial acaba no final do ano

Tudo normal?

Maioria das empresas está otimista para vendas na Black Friday, diz Boa Vista

Cerca de 66% das empresas acreditam que as vendas da Black Friday em 2020 serão iguais ou superiores às de 2019.

DINHEIRO NO BOLSO

BB Investimentos muda carteira de dividendos após resultados do 3º trimestre

Analistas avaliam que retomada da economia fomenta a expectativa de melhores resultados, resultando no maior pagamento de proventos

homem negro espancado

Carrefour tomba 6% e lidera quedas do Ibovespa após protestos e pedidos de boicote pela morte de João Alberto de Freitas

Homem negro foi assassinado por dois seguranças de um estabelecimento da rede de supermercados em Porto Alegre. Ato gerou pedidos de boicotes por artistas e usuários de redes sociais, além de manifestações em frente e dentro de lojas do Carrefour

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies