Menu
2019-06-07T18:39:48-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado clama por corte de juros

Investidores apostam em cortes nos juros dos EUA e do Brasil, diante das preocupações com a guerra comercial e do otimismo com aprovação da reforma da Previdência

4 de junho de 2019
5:34 - atualizado às 18:39
mercadoclama
Aprovação da MP do pente-fino no INSS amplia onda de notícias políticas favoráveis

O mercado financeiro está necessitado de um corte de juros por parte dos bancos centrais dos Estados Unidos e do Brasil, para injetar liquidez nos negócios e gerar estímulos adicionais à economia. O colapso comercial entre Estados Unidos e China, com a tensão entre os dois países sendo um “novo normal”, e o otimismo com o cenário político em Brasília, alimentando esperança de aprovação da reforma da Previdência, dão motivos de sobra para a queda dos Fed Funds e da Selic neste ano.

Por isso, as atenções do dia se voltam para o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, pouco antes das 11h. Será importante observar na fala de “Jay” se o próximo passo da autoridade monetária na condução da taxa de juros será de queda, como prevê o mercado financeiro, diante do impacto da guerra comercial na economia dos EUA.

Ontem, o presidente da unidade de Saint Louis do Fed, James Bullard, foi o primeiro a sinalizar que um corte na taxa de juros do país pode acontecer “em breve”, dado o risco crescente ao crescimento econômico e também a fraca inflação. O problema é que Bullard parece se esquecer que o impacto nos EUA da tensão comercial é inflacionário.

Mesmo assim, a curva implícita dos EUA indica a chance de ao menos um corte nos juros norte-americanos ainda neste ano, mas apostas mais ousadas embutem a possibilidade de duas ou até três reduções até dezembro. Esse movimento refletiu dados mais fracos de atividade no país neste trimestre, indicando uma forte desaceleração ante o início de 2019.

Ao mesmo tempo, as chances de corte nos juros dos EUA também refletem a inversão da curva, após o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos (T-note) ficar abaixo de 2,10%. Mas fica a dúvida se esse retorno menor pago por um dos ativos mais seguros no mundo não estaria indicando, primeiro, um movimento de aversão ao risco por causa da escalada comercial - antes de antecipar a ameaça de recessão na economia dos EUA.

Corta ou não corta?

Além do Fed, os sinais de fraqueza da atividade no Brasil, com a retomada econômica em um ritmo mais lento que o esperado, combinados com a queda nas expectativas de inflação fortalecem as apostas de corte na taxa básica de juros ainda em 2019. A curva a termo embute chances de duas quedas na Selic, nas duas últimas reuniões do Copom neste ano.

Mas o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, manteve ontem o tom duro (“hawkish”) na fala, eliminando qualquer possibilidade de novas quedas. Segundo ele, o juro básico já está em um nível muito baixo e se a política monetária tem falhado em estimular a economia real, a solução não é afrouxar mais - apenas não subir a taxa tão logo.

Mas o ambiente político mais promissor sustenta o cenário de cortes na Selic, com os investidores avaliando que os riscos crescentes de o país entrar novamente em recessão elevaram o senso de urgência pelas reformas, favorecendo uma melhor coordenação entre os poderes. Há, então, o otimismo na aprovação de uma reforma da Previdência eficaz.

Porém, mesmo que regras duras para aposentadoria sejam aprovadas, o BC deve manter a cautela até decidir se vai (ou não) cortar a Selic. Afinal, já tem sido bradado aos quatro ventos que só a nova Previdência não irá colocar o Brasil no caminho do crescimento sustentável - ainda mais se o texto aprovado for visto pelo mercado como insuficiente.

Por outro lado, se passar algo acima de R$ 700 bilhões de economia fiscal em dez anos, há espaço para ajustar os ativos locais. Mas o fôlego de alta da Bolsa brasileira, bem como o terreno para queda dos juros e do dólar, vai depender da agenda de reformas do governo - que, segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, até agora não foi apresentada.

No Senado, a aprovação da Medida Provisória (MP) que autoriza um pente-fino nos benefícios da Previdência Social (INSS) foi aprovada horas antes de caducar. Em troca, porém, o governo negociou com a oposição mudanças no texto da reforma da Previdência que tramita na Câmara, ampliando o prazo de adaptação dos trabalhadores rurais.

Dia positivo

Enquanto Wall Street e os negócios locais mantêm a expectativa por cortes nos juros norte-americano e brasileiro, o Banco Central da Austrália (RBA) não gerou suspense e corte a taxa básica pela primeira vez em quase três anos, em 0,25 ponto percentual (pp), a 1,25%. Alguns economistas esperavam queda maior, de 0,50pp, mas só em 2020.

Segundo o RBA, a decisão de reduzir o custo do empréstimo no país visa ofuscar os efeitos da tensão global no comércio e da desaceleração econômica na China. Em reação, a Bolsa de Sydney encerrou o dia com alta de 0,2%, ao passo que o dólar australiano ganha terreno em relação ao xará norte-americano.

Já na Ásia, as principais bolsas da região encerraram o dia em queda, em meio à preocupação dos investidores com a guerra comercial. Xangai liderou as perdas, caindo quase 1%, enquanto Hong Kong cedeu 0,5% e Tóquio ficou de lado (-0,01%). No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York sobem, mas a Europa não tem direção definida.

Mas a troca de farpas entre EUA e China continuou, com autoridades norte-americanas afirmando que Pequim não está dizendo a verdade em relação ao recente fracasso nas negociações comerciais, culpando os chineses pelo retrocesso em promessas feitas, paralisando as conversas entre as partes.

Nos demais mercados, o petróleo segue em queda, enquanto o dólar mede forças em relação às moedas rivais, com a T-note ainda abaixo de 2,10%. Mas o movimento do dia nos ativos globais vai depender do tom da fala de Powell, à medida que os investidores estão convencidos de que o Fed deve cortar os juros antes do fim do ano.

Além do Powell, indústria em destaque

A agenda econômica desta terça-feira traz como destaque, no Brasil, o desempenho da indústria em abril. Os dados serão conhecidos às 9h e pode lançar luz sobre o ritmo da atividade na virada para o segundo trimestre, após mostrar retração no início deste ano. As expectativas são mais otimistas, com altas de 0,5% ante março e +1,00% em base anual.

No exterior, além do discurso do Powell, saem as encomendas às fábricas nos EUA em abril (11h). Logo cedo, a zona do euro informa a leitura preliminar de maio sobre a inflação ao consumidor (CPI) e a taxa de desemprego na região da moeda única em abril. No fim do dia, serão conhecidos dados de atividade no setor de serviços no Japão e na China.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies