Menu
2019-06-07T18:39:48-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado clama por corte de juros

Investidores apostam em cortes nos juros dos EUA e do Brasil, diante das preocupações com a guerra comercial e do otimismo com aprovação da reforma da Previdência

4 de junho de 2019
5:34 - atualizado às 18:39
mercadoclama
Aprovação da MP do pente-fino no INSS amplia onda de notícias políticas favoráveis

O mercado financeiro está necessitado de um corte de juros por parte dos bancos centrais dos Estados Unidos e do Brasil, para injetar liquidez nos negócios e gerar estímulos adicionais à economia. O colapso comercial entre Estados Unidos e China, com a tensão entre os dois países sendo um “novo normal”, e o otimismo com o cenário político em Brasília, alimentando esperança de aprovação da reforma da Previdência, dão motivos de sobra para a queda dos Fed Funds e da Selic neste ano.

Por isso, as atenções do dia se voltam para o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, pouco antes das 11h. Será importante observar na fala de “Jay” se o próximo passo da autoridade monetária na condução da taxa de juros será de queda, como prevê o mercado financeiro, diante do impacto da guerra comercial na economia dos EUA.

Ontem, o presidente da unidade de Saint Louis do Fed, James Bullard, foi o primeiro a sinalizar que um corte na taxa de juros do país pode acontecer “em breve”, dado o risco crescente ao crescimento econômico e também a fraca inflação. O problema é que Bullard parece se esquecer que o impacto nos EUA da tensão comercial é inflacionário.

Mesmo assim, a curva implícita dos EUA indica a chance de ao menos um corte nos juros norte-americanos ainda neste ano, mas apostas mais ousadas embutem a possibilidade de duas ou até três reduções até dezembro. Esse movimento refletiu dados mais fracos de atividade no país neste trimestre, indicando uma forte desaceleração ante o início de 2019.

Ao mesmo tempo, as chances de corte nos juros dos EUA também refletem a inversão da curva, após o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos (T-note) ficar abaixo de 2,10%. Mas fica a dúvida se esse retorno menor pago por um dos ativos mais seguros no mundo não estaria indicando, primeiro, um movimento de aversão ao risco por causa da escalada comercial - antes de antecipar a ameaça de recessão na economia dos EUA.

Corta ou não corta?

Além do Fed, os sinais de fraqueza da atividade no Brasil, com a retomada econômica em um ritmo mais lento que o esperado, combinados com a queda nas expectativas de inflação fortalecem as apostas de corte na taxa básica de juros ainda em 2019. A curva a termo embute chances de duas quedas na Selic, nas duas últimas reuniões do Copom neste ano.

Mas o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, manteve ontem o tom duro (“hawkish”) na fala, eliminando qualquer possibilidade de novas quedas. Segundo ele, o juro básico já está em um nível muito baixo e se a política monetária tem falhado em estimular a economia real, a solução não é afrouxar mais - apenas não subir a taxa tão logo.

Mas o ambiente político mais promissor sustenta o cenário de cortes na Selic, com os investidores avaliando que os riscos crescentes de o país entrar novamente em recessão elevaram o senso de urgência pelas reformas, favorecendo uma melhor coordenação entre os poderes. Há, então, o otimismo na aprovação de uma reforma da Previdência eficaz.

Porém, mesmo que regras duras para aposentadoria sejam aprovadas, o BC deve manter a cautela até decidir se vai (ou não) cortar a Selic. Afinal, já tem sido bradado aos quatro ventos que só a nova Previdência não irá colocar o Brasil no caminho do crescimento sustentável - ainda mais se o texto aprovado for visto pelo mercado como insuficiente.

Por outro lado, se passar algo acima de R$ 700 bilhões de economia fiscal em dez anos, há espaço para ajustar os ativos locais. Mas o fôlego de alta da Bolsa brasileira, bem como o terreno para queda dos juros e do dólar, vai depender da agenda de reformas do governo - que, segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, até agora não foi apresentada.

No Senado, a aprovação da Medida Provisória (MP) que autoriza um pente-fino nos benefícios da Previdência Social (INSS) foi aprovada horas antes de caducar. Em troca, porém, o governo negociou com a oposição mudanças no texto da reforma da Previdência que tramita na Câmara, ampliando o prazo de adaptação dos trabalhadores rurais.

Dia positivo

Enquanto Wall Street e os negócios locais mantêm a expectativa por cortes nos juros norte-americano e brasileiro, o Banco Central da Austrália (RBA) não gerou suspense e corte a taxa básica pela primeira vez em quase três anos, em 0,25 ponto percentual (pp), a 1,25%. Alguns economistas esperavam queda maior, de 0,50pp, mas só em 2020.

Segundo o RBA, a decisão de reduzir o custo do empréstimo no país visa ofuscar os efeitos da tensão global no comércio e da desaceleração econômica na China. Em reação, a Bolsa de Sydney encerrou o dia com alta de 0,2%, ao passo que o dólar australiano ganha terreno em relação ao xará norte-americano.

Já na Ásia, as principais bolsas da região encerraram o dia em queda, em meio à preocupação dos investidores com a guerra comercial. Xangai liderou as perdas, caindo quase 1%, enquanto Hong Kong cedeu 0,5% e Tóquio ficou de lado (-0,01%). No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York sobem, mas a Europa não tem direção definida.

Mas a troca de farpas entre EUA e China continuou, com autoridades norte-americanas afirmando que Pequim não está dizendo a verdade em relação ao recente fracasso nas negociações comerciais, culpando os chineses pelo retrocesso em promessas feitas, paralisando as conversas entre as partes.

Nos demais mercados, o petróleo segue em queda, enquanto o dólar mede forças em relação às moedas rivais, com a T-note ainda abaixo de 2,10%. Mas o movimento do dia nos ativos globais vai depender do tom da fala de Powell, à medida que os investidores estão convencidos de que o Fed deve cortar os juros antes do fim do ano.

Além do Powell, indústria em destaque

A agenda econômica desta terça-feira traz como destaque, no Brasil, o desempenho da indústria em abril. Os dados serão conhecidos às 9h e pode lançar luz sobre o ritmo da atividade na virada para o segundo trimestre, após mostrar retração no início deste ano. As expectativas são mais otimistas, com altas de 0,5% ante março e +1,00% em base anual.

No exterior, além do discurso do Powell, saem as encomendas às fábricas nos EUA em abril (11h). Logo cedo, a zona do euro informa a leitura preliminar de maio sobre a inflação ao consumidor (CPI) e a taxa de desemprego na região da moeda única em abril. No fim do dia, serão conhecidos dados de atividade no setor de serviços no Japão e na China.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

em compasso de espera

Gol nega revés após Boeing adiar novamente retorno do 737 MAX

Modelo foi suspenso por autoridades em todo o mundo após dois acidentes deixarem centenas de mortos no fim de 2018 e início de 2019

de olho na avaliação

Aprovação de Bolsonaro cai para 47,8% em um ano, diz CNT/MDA

O chefe do Planalto, no entanto, se recuperou quando a comparação ocorre entre a última pesquisa, em agosto, e agora

Bolada no Caixa

BNDES vai repassar R$ 15 bilhões em dividendos para a União

Receita de dividendos do BNDES em 2019 “salvou” o governo num momento em que o Orçamento estava bloqueado e a Esplanada dos Ministérios operando em alguns órgãos numa situação de quase paralisação

Fórum Econômico Mundial

Em Davos, governo encontra investidores para oferecer projetos, incluindo o 5G

Governo vai apresentar todos os 115 projetos já estruturados ou ainda em fase de estudo que compõem a carteira para 2020 e 2021, que equivalem a R$ 320 bilhões

No limite

Petrobras fica à beira da privatização com venda de ações do BNDES em oferta

Petroleira não deixará de ser estatal por muito pouco: participação do governo em ações ordinárias (com direito a voto) pode cair para 50,26% após a oferta de papéis que estão na carteira do BNDES

Ações disparam

Top pick: para o Bradesco BBI, a Usiminas é a melhor opção no setor de siderurgia

A possibilidade de um novo aumento no preço dos aços planos para a rede doméstica eleva o otimismo do Bradesco BBI em relação à Usiminas

tensão

Após ataques relatados por federação de jornalistas, Bolsonaro diz que evitará falar com a imprensa

Pesquisa indicou que o presidente foi responsável por 58% dos ataques à categoria no ano passado, de um total de 208

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Quero ser grande

E aí, B3, vamos atrair essas milhares de empresas brasileiras? Ou vamos continuar perdendo soldados para a Nasdaq? Temos que fazer algo, com urgência

Mercados hoje

Ibovespa se recupera das perdas de ontem e opera em alta; dólar cai a R$ 4,18

O Ibovespa e as bolsas globais se recuperam das perdas da sessão anterior, operando em alta nesta quarta-feira. O mercado segue monitorando o noticiário referente ao coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements