2019-02-19T09:18:29-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Banco Central

Senado inicia trâmites para sabatina de novo presidente do BC e diretores

Na sessão desta terça-feira senadores devem apresentar seus pareceres sobre Roberto Campos Neto e sobre os diretores Bruno Serra Fernandes e João Manoel Pinho de Mello

19 de fevereiro de 2019
9:18
Com a proximidade da decisão do Copom, ibovespa recua e opera no vermelho hoje - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Está na pauta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado a leitura dos relatórios sobre as indicações de Roberto Campos Neto, para presidente do Banco Central (BC), e dos diretores Bruno Serra Fernandes e João Manoel Pinho de Mello. A sabatina acontecerá na próxima terça-feira, dia 26.

O relatório sobre a indicação de Roberto Campos Neto está a cargo do senador Eduardo Braga (MDB-AM). Após considerar a apresentação feita por Campos Neto, na qual ele apresenta suas credenciais acadêmicas e diz alinhado à equipe econômica, o senador afirma que a comissão se encontra em condições de deliberar sobre a indicação.

O mesmo procedimento acontecerá para os indicados às diretorias. A relatoria do processo de Bruno Serra Fernandes para diretor de Política Monetária está com o senador Rodrigo Pacheco (DEM-RO).

Nos documentos enviados ao senado, Fernandes, relata sua trajetória profissional, com passagens pelo Boston Asset Management (2002), tesouraria do Bank Boston (2005), sua atuação na gestão de risco da instituição, após a compra do Boston pelo Itaú e posterior fusão com Itaú Unibanco (2006 a 2013). Em 2014, Fernandes assumiu a área de renda fixa proprietária, e descreve sua experiência no trato com investidores estrangeiros e participação em fóruns locais e internacionais voltados à promoção do mercado de capitais brasileiros.

Sobre sua participação acionária no Itaú Unibanco, Fernandes diz que fará alienação das ações até a data de sua posse. Fernandes é economista formado pelo Ibmec e mestre em economia pela USP.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

A indicação de João Manoel Pinho de Mello para a diretoria de Organização do Sistema Financeiro e Resolução está com o senador Wellington Fagundes (PR-MT).

Nos documentos enviados ao Senado, Pinho de Mello apresenta sua carreira acadêmica como professor em universidades no Brasil e no exterior e listou diversos artigos publicados. Entre 2013 e 2016 ele foi sócio da Pacífico Gestão de Recursos. Em março de 2017 chegou ao extinto Ministério da Fazenda, como chefe da assessoria especial para Reformas Microeconômicas, depois virou secretário de promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência e no fim de 2018 respondeu pela Secretaria de Política Econômica. O indicado tem PhD em economia pela universidade de Stanford.

Pinho de Mello afirma que no período em que exerceu cargos no Ministério da Fazenda atuou junto com o Banco Central na formulação e implementação de reformas para melhorar a intermediação financeira e promoção da concorrência. O indicado teve forte atuação, por exemplo, no projeto do cadastro positivo de crédito, e na adoção da Taxa de Longo Prazo (TLP), que substituiu a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nas operações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A sabatina dos três indicados está agendada para o dia 26 de fevereiro. Geralmente os indicados fazem um discurso inicial e depois respondem aos questionamentos dos senadores. Finda essa etapa é feita a votação/apuração de votos na comissão. Depois os nomes vão à apreciação do plenário do Senado.

Se aprovados, os indicados são formalmente nomeados e depois ocorre a posse em evento no Banco Central (BC). Todas essas etapas devem estar concluídas até o começo de março, permitindo que Campos Neto e os diretores votem na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) dos dias 19 e 20 de março.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional