Menu
2019-04-05T09:53:32+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Banco Central

Diretoria do BC de Roberto Campos Neto vai tomando forma

Banco Central (BC) anuncia mudanças nas diretorias de Política Monetária e Organização do Sistema Financeiro

13 de dezembro de 2018
19:31 - atualizado às 9:53
Roberto Campos Neto
Imagem: Arquivo Pessoal

A diretoria do Banco Central do indicado à presidência da instituição, Roberto Campos Neto, vai tomando forma. Depois de anunciada a permanência de Carlos Viana, atual diretor de Política Econômica, o BC comunica duas novas alterações.

Como Roberto Campos Neto ainda precisa ser formalmente indicado, sabatinado e ter seu nome aprovado pelo Senado, as mudanças são anunciadas pelo atual presidente Ilan Goldfajn, que já avisou que seguirá no comando da instituição até a posse de Campos Neto, colaborando no processo de transição.

Em nota, o BC afirma que Ilan encaminhará ao presidente Michel Temer o pedido de exoneração do diretor Reinaldo Le Grazie, por razões pessoais. Depois de dois anos e meio à frente da diretoria de Política Monetária, Le Grazie deixará suas funções assim que o decreto presidencial for publicado.

Para seu lugar, a equipe de transição do governo Jair Bolsonaro anunciou Bruno Serra Fernandes, indicação que também terá de ser apreciada pelo Senado. Fernandes é economista formado pelo Ibmec, com mestrado em Economia pela USP. Fez carreira no sistema financeiro e atualmente é responsável no Itaú Unibanco pela mesa de renda fixa proprietária.

Entre as atribuições da diretoria de Política Monetária está o acompanhando dos mercados e a realização dos leilões de câmbio e operações compromissadas. A diretoria também está envolvida na modernização do sistema de pagamentos, como cartões e contas digitais.

Como Le Grazie deixa o cargo assim que o decreto for publicado será necessário um rearranjo temporário das diretorias. Assim, Carlos Viana deixa a área de Política Econômica e assume a diretoria de Política Monetária.

O atual diretor de Assuntos Internacionais, Tiago Berriel, acumulará, também, a diretoria de Política Econômica. Assim que Bruno Serra Fernandes for aprovado, Berriel e Viana retornam a seus respectivos postos.

Também a pedido, o diretor Sidnei Corrêa Marques deixará suas funções, depois de oito anos à frente da diretoria de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução. A diretoria teve papel central na definição de limitações à compra de participação na XP Investimentos pelo Itaú e também é a responsável pelas liquidações de instituições problemáticas, como o banco Neon.

Marques seguirá na diretoria até que o Senado também aprecie a indicação de João Manoel Pinho de Mello, feita pela equipe de transição. Pinho de Mello é o atual secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e professor titular do Insper. Ele é formado em administração pública, tem mestrado em economia pela PUC-Rio e PhD em economia pela Universidade de Stanford.

Pinho de Mello atuou intensamente ao lado do BC quando estava na secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência (Seprac) do Ministério das Fazenda, para aprovação da Taxa de Longo Prazo (TLP) que substituiu a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Pinho de Mello também defendeu a aprovação do cadastro positivo de crédito nas audiências públicas ao lado do BC entre outras medidas.

“Em nome do Banco Central, o presidente Ilan Goldfajn felicita os novos indicados Bruno Serra Fernandes e João Manoel de Pinho Mello e agradece aos diretores Reinaldo Le Grazie e Sidnei Corrêa Marques pelos relevantes serviços prestados ao Banco Central e, especialmente, à Diretoria Colegiada”, diz a nota do BC.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements