Menu
2018-10-08T22:11:23-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
CEO da BRF

Pedro Parente está otimista com o futuro do Brasil e da BRF – seja lá quem for o presidente

Para o executivo, negócios da BRF devem se beneficiar tanto em um governo Haddad como em um governo Bolsonaro

8 de outubro de 2018
14:43 - atualizado às 22:11
Pedro Parente, CEO da BRF
Pedro Parente, CEO da BRF - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Depois de passar a campanha eleitoral do primeiro turno em compasso de espera e alertando sobre riscos, Pedro Parente resolveu assumir seu lado otimista nesta segunda-feira pós-eleição. O CEO da BRF afirmou que está otimista com relação ao futuro "seja qual for a escolha do eleitor".

A fala do executivo feita em São Paulo ocorre em um momento de euforia do mercado com um segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que possuem ideologias opostas. Para ele, tanto em um governo Haddad como um governo Bolsonaro, a BRF sairá favorecida.

"Não vejo o risco associado a um ou outro candidato, pois a produção de alimentos e as exportações, pontos fortes da empresa, continuam importantes em qualquer cenário", Pedro Parente

Vale lembrar que a vantagem de Bolsonaro teve efeito positivo sobre o dólar, que desabou 10 centavos nesta segunda. Citando essa forte movimentação, Parente informou que a queda da moeda norte-americana, no curto prazo, ajudará a BRF a reduzir a dívida da companhia. Já no médio e longo prazo, a desvalorização do real beneficia as exportações.

O otimismo do CEO, entretanto, não se refletiu nas ações da companhia. Enquanto os ativos seguiam o efeito manada de alta, os papéis da BRF fecharam o dia em queda de 0,09%.

E você, concorda com a visão do Pedro Parente? Deixe seu comentário aqui embaixo.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para BTG, ação da corretora está bem precificada

Para os analistas do banco, os papéis da empresa brasileira negociados na Nasdaq ainda podem recuar 4,14% em relação a cotação de ontem, a US$ 37

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

gringo longe

Investimento estrangeiro em ações brasileiras fica negativo em R$ 4,7 bilhões em 2019

Para 2020, a projeção é de saldo positivo de US$ 5,0 bilhões, segundo dados do Banco Central

Uma longa estrada à frente

Credit Suisse vê potencial de alta de 32% para bancos e eleva recomendação de ações do Santander

Os analistas do banco suíço não temem aumento da competição no setor e possuem indicação equivalente a compra para as ações dos quatro grandes bancos

balanço do ano

Rombo das contas externas chega a US$ 50 bilhões; resultado de 2019 foi o pior em 4 anos

Ainda assim, o resultado não chega a preocupar os especialistas, já que o déficit foi largamente superado pela entrada de recursos via Investimentos Diretos no País

Cautela elevada

Mercados em alerta: tensão com o coronavírus faz o Ibovespa cair mais de 2,5% e leva o dólar a R$ 4,21

A disseminação do coronavírus eleva a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Todas as ações do índice operam em queda, em especial as ligadas ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e siderúrgicas

proposta à mesa

Agora vai? JSL volta a avaliar IPO da Vamos

Empresa desistiu da oferta da Vamos em abril do ano passado após não ter demanda para faixa indicativa

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements