Menu
2021-06-03T12:54:12-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Movimentações acionárias

Nova investida: Marfrig compra mais ações e agora é dona de 31,7% da BRF

A Marfrig continua sua investida na BRF, comprando mais 60 milhões de papéis da rival e chegando a mais de 30% do capital social

3 de junho de 2021
12:54
Marfrig BRF Logo
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Quem achava que o apetite da Marfrig estava satisfeito após a compra de 24% do capital social da BRF no mês passado, se enganou. A companhia liderada por Marcos Molina deu mais uma cartada, aumentando ainda mais sua fatia na rival.

Em documento enviado à CVM, a Marfrig informa que, agora, é dona de mais de 257 mil ações da BRF, o que equivale à 31,66% do capital social da dona da Sadia e da Perdigão. Ou seja: foram comprados mais de 60 milhões de papéis nos últimos dias, sempre em operações no mercado.

A notícia não é de todo surpreendente: as ações ON da BRF (BRFS3) registraram altas fortes nesta semana, reagindo às especulações de uma nova investida da Marfrig.

Entre segunda e quarta-feira, foram registradas vendas em bloco das ações da BRF intermediadas pelo J.P. Morgan, a mesma instituição usada pela Marfrig para construir sua posição inicial de 24% na rival.

BRF composição acionária

BRF x Marfrig: parceiros ou inimigos?

A Marfrig segue com o mesmo discurso assumido na primeira rodada de compras: não pretende interferir diretamente nos rumos da BRF ou eleger membros para o Conselho de Administração — o investimento teria apenas um viés "estratégico" dentro de um segmento que já atua.

Eventuais novas aquisições de ações por parte da Marfrig parecem improváveis, uma vez que, pelo estatuto da BRF, qualquer acionista que atinja uma posição de 33,3% é obrigado a fazer uma oferta de compra aos demais investidores da companhia.

Ainda assim, os atuais 31,66% da Marfrig dão a ela um enorme poder de fogo nas assembleias e representam um investimento volumoso: R$ 7,56 bilhões, considerando o fechamento das ações ON da BRF ontem, a R$ 29,38.

Marfrig BRF ações
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies