Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-29T00:09:34-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, fortalecendo sua posição no mercado. Entenda o racional:

18 de junho de 2021
12:22 - atualizado às 0:09
Cachorro ração BRF Hercosul
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, já é líder nos quatro principais segmentos em que atua: frios, manteigas, congelados e embutidos. Sendo assim, como continuar se expandindo? A resposta está na criação e ampliação de novas avenidas de crescimento — e uma delas é o mercado pet.

Não, a empresa não vai vender presunto e mortadela para o seu bicho de estimação — na verdade, ela já é dona das marcas de ração Balance e Gud. Mas a gigante do setor de alimentos para humanos acaba de reforçar sua presença no segmento de comida para animais: comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos.

É um movimento que parece inusitado à primeira vista, mas que já vinha sendo ensaiado pela BRF. No fim do ano passado, a companhia divulgou seu plano estratégico para 2030 — e o documento já colocava o segmento pet como uma das prioridades.

A aquisição do grupo Hercosul não teve o valor revelado, o que impede uma análise mais aprofundada do impacto financeiro da operação. No entanto, o racional é bastante claro: após conquistar as mesas dos brasileiros, a BRF quer abastecer o potinho dos animais de estimação.

Hercosul para o pet

O grupo Hercosul é dono das marcas Biofresh, Three Dogs, Three Cats, Primocão, Primogato, Apolo e Átila. Os produtos têm distribuição em todo o país, embora sejam particularmente fortes na região Sul.

Mais que isso: a empresa exporta para diversos mercados na América Latina e África — a fábrica mais recente do grupo Hercosul, inclusive, está no distrito paraguaio de Doctor Juán Leon Mallorquín.

Essa instalação no Paraguai é um diferencial competitivo para a companhia, como destaca a Ativa Investimentos. Como os custos de produção são menores no país vizinho, os produtos acabam chegando ao mercado brasileiro com preços mais baixos que a concorrência.

O interesse da BRF no segmento pet não é à toa: dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET) mostram que, em 2019, o brasileiro gastou mais de R$ 16 bilhões com ração animal — uma alta de 8,4% em relação ao ano anterior.

BRF Pet Hercosul mercado
Evolução do mercado pet entre 2018 e 2019. Fonte: Abinpet

Ainda segundo a ABINPET, o Brasil tinha quase 142 milhões de animais de estimação em 2019, sendo 55 milhões de cães (+1,7% em um ano) e 25 milhões de gatos (+3%) — um mercado consumidor nada desprezível, convenhamos.

E o próprio grupo Hercosul é uma força relevante nesse universo, com uma participação de mercado de 4% no setor de ração para cães e gatos — o que significa que a BRF já chega com tudo nessa nova avenida de crescimento.

Há empresas mais poderosas, como a Mars (dona das marcas Pedigree, Whiskas e Royal Canin, entre outras), a PremierPet (Premier, Golden e Vitta) e a Nestlé (Purina). Ainda assim, o plano da BRF é ambicioso: ser uma das líderes no ramo até 2025.

BRF e a diversificação

Na ocasião do lançamento dos planos para 2030, a BRF afirmou que o mercado pet tem um crescimento estimado de 12% ao ano, podendo movimentar R$ 40 bilhões anuais. E, considerando a distribuição geográfica mais ampla da companhia, os custos de distribuição das rações tendem a ser reduzidos, o que traria ganhos de competitividade em relação aos rivais.

"A BRF também espera ocupar posição de protagonismo no mercado de substitutos de carne e novas fontes de proteína, no qual deverá ocorrer a maior transformação do setor de alimentos", disse a empresa, afirmando que esse mercado poderá superar os R$ 13 bilhões no futuro.

As chamadas carnes vegetais também estão na mira da JBS, que concluiu a compra da Vivera, uma empresa europeia de produtos a base de plantas — uma notícia que foi eclipsada pela mega-aquisição da Kerry Foods pela Pilgrim's Pride, sua subsidiária nos EUA.

Embora alinhada com o plano estratégico da BRF, a aquisição do grupo Hercosul não empolgou o mercado: nesta manhã, as ações ON da companhia (BRFS3) operavam em leve queda de 0,35%, a R$ 28,82.

BRF dados
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Será que sai?

Governo dos EUA está ‘confiante’ com o acordo bipartidário para pacote trilionário de infraestrutura

As discussões, porém, ainda enfrentam impasse em meio a discordâncias quanto aos montantes de recursos destinados para cada área

Líder do setor

Grupo FSB compra Giusti Comunicação e amplia seu portfólio de agências

Com a chegada da nova empresa, a FSB integra as contas de Aegea, Ame, Alpargatas, EDP, Grupo SBF, Centauro, SBT, Estadão, Protege, Centro Paula Souza e mais em sua lista de clientes

Reforma ministerial

Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para chefiar Casa Civil

No último dia 22, Bolsonaro confirmou o convite a Nogueira e a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência que antes fazia parte da pasta de Paulo Guedes

Mais novidade

Unifique (FIQE3) estreia na bolsa em queda de 1%

Mesmo com o IPO saindo próximo do piso, a Unifique tem uma estreia no vermelho, em dia negativo para a bolsa brasileira

Decisão unânime

Conselho do Magazine Luiza aprova aquisição da Kabum! por R$ 1 bilhão

A decisão inclui também o pagamento de R$ 2,5 bilhões por meio da emissão de 75 milhões de ações ordinárias da varejista em favor dos acionistas da empresa comprada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies