Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Economia em compasso de espera

Para Pedro Parente, as eleições são como uma densa névoa que pode esconder o sinal amarelo para os investimentos

CEO da BRF diz que o novo presidente deve largar o discurso extremista se quiser aprovar as reformas necessárias para a economia

2 de outubro de 2018
14:43 - atualizado às 16:55
Pedro Parente: "o eleito terá de deixar para trás radicalismo e sectarismo" - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Não é novidade nenhuma que muitos investidores, durante as campanhas presidenciais, preferem esperar os resultados das urnas para tomar suas decisões sobre como e onde aplicar seu dinheiro. Mas as eleições de 2018, considerada uma das mais imprevisíveis desde a redemocratização, vieram com uma dose especial de cautela.

O CEO da BRF, Pedro Parente, é uma prova concreta desse compasso de espera. Nesta terça-feira, 2, ele afirmou que o cenário político indefinido no Brasil torna impossível fazer qualquer previsão sobre a nossa economia para 2019 e que o retorno ao crescimento econômico sustentado depende de uma questão fundamental: a confiança.

"Sem confiança é muito difícil a gente voltar a investir", Pedro Parente, CEO da BRF

Vale lembrar que Parente deixou o comando da Petrobras em maio deste ano, dias depois do fim da greve de caminhoneiros. A decisão ocorreu em meio a intervenção do governo na política de preços da petroleira, que foi implantada pelo executivo (e era um dos principais alvos da greve).

Nenhum dos extremos serve

De todo o discurso feito hoje pelo CEO da BRF em Ribeirão Preto (SP), a parte mais interessante é quando ele fala dos desafios que o novo presidente terá para conseguir de fato governar.

Parente deixou claro que o novo governo deverá patrocinar a mais profunda agenda econômica dos últimos trinta anos, além de conciliar, simultaneamente, ajuste e crescimento econômico.

Mas como fazer tudo isso?

Na resposta, o líder da BRF foi muito direto: diálogo e consenso. "Vai depender de como o novo líder vai se comunicar com a sociedade. O eleito terá de deixar para trás radicalismo e sectarismo. Sem convergência, não seremos capazes de fazer as reformas que precisamos".

Pensando na fala de Parente e, analisando o fortalecimento dos discursos extremistas nos candidatos ao Planalto, o sinal é de alerta para os cenários econômico e de investimentos em 2019.

A velha pauta das reformas

Parente é mais um dos fortes defensores da agenda de reformas fiscais. Além do alerta ao próximo governo, ele também disse que o problema fiscal brasileiro tem natureza estrutural, ou seja, está nas bases da economia.

Se nenhuma das reformas for feita (nem a da Previdência, nem a tributária), o líder da BRF considera outras três saídas: aumento de impostos, crescimento do alta no endividamento público ou mais inflação. Mas tudo tem um porém: "com aumento de impostos não vamos ver um ambiente mais propício à realização de negócios no Brasil e qualquer dessas três hipóteses é muito ruim para o País", exemplificou.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também

Quem é a Pi

Somos uma plataforma aberta de investimentos formada por um time com pessoas de diferentes perfis, unidos por um único propósito: ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente. #Simples, porque temos uma loja de investimentos 100% digital a sua disposição mesmo antes de você abrir a conta; #Seguro […]

Tem que mudar isso aí!

Líderes de 13 partidos divulgam documento de apoio à Previdência, mas sem BPC e aposentadoria rural

Partidos que, juntos, somam 291 deputados também querem barrar proposta que retira da Constituição algumas regras para concessão e cálculo de benefícios

Olha a bomba!

Líderes de partidos na Câmara concordam em votar PEC que aumenta o poder do Congresso sobre o Orçamento

Projeto de 2015 foi ressuscitado pelos deputados em meio à crise política com o governo e pode ir a plenário já nesta terça-feira

Turma preocupada

Governadores alertam Guedes sobre a condução da reforma da Previdência

Líderes estaduais afirmam que a reforma da Previdência é uma condição de sobrevivência para União, Estados e municípios

Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

Agora vai?

Empresário deve assumir a comunicação do governo Bolsonaro

Mudança ocorre em meio ás críticas de que a comunicação do Planalto não “desenrolou” e que “já é abril e nada avançou”

DE OLHO NO GRÁFICO

Bull trap no ibovespa e S&P – Proteja-se

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Negócio de gigante

Uber compra Careem, sua rival no Oriente Médio, por US$ 3,1 bilhões

Negócio vai permitir que a Uber amplie sua influência na grande região que vai do Marrocos ao Paquistão

Tá feia a coisa

Avianca faz audiência para devolver aeronaves após eliminar rotas e fechar bases operacionais

Empresa justifica que as mudanças fazem parte de um processo de readequação das operações e redução da frota

De bem com o governo?

Maia volta ao time defensor da Previdência e se diz “preocupado com o Brasil sem reforma”

Presidente da Câmara defendeu o ministro Paulo Guedes após ele ter cancelado a participação na Comissão de Constituição e Justiça

Debate da reforma da Previdência

Oposição começa a recolher assinaturas para obrigar Paulo Guedes a comparecer à CCJ da Câmara

Iniciativa para convocar o ministro da Economia acontece após ele ter dar um “bolo” na comissão nesta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu