Menu
2019-03-13T08:21:58+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Será que Campos Neto tira do bolso alguma indicação sobre a Selic?

Presidente do Banco Central discursa em cerimônia de transmissão de cargo e mercado, ou parte dele, espera algum aceno sobre taxa básica de juros

13 de março de 2019
8:21
Roberto Campos Neto CAE 260219
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE. - Imagem: Pedro França/Agência Senado

No comando do Banco Central (BC) desde 28 de fevereiro, Roberto Campos Neto, não faz pronunciamentos públicos desde sua sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado no dia 26. Na tarde dessa quarta-feira, ele volta a discursar e expectativa recai sobre algum aceno diferente da “cautela, serenidade e perseverança” com relação à condução da política monetária.

Uma possível resposta vem logo mais, às 15 horas, e vou estar lá para acompanhar. Além de Campos Neto, Ilan Goldfajn também faz seu discurso de despedida.

A cerimônia é uma das mais concorridas de Brasília, contando com a presença de banqueiros públicos e privados e demais estrelas do mercado. Mas como não é de bom tom ofuscar o novo presidente, a ilustrada plateia raramente se pronuncia ou se restringe a elogiar o novo presidente. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participa

Por ora, a indicação do Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne na semana que vem, é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, mínima histórica atingida em março do ano passado.

O colegiado também tem dois novos diretores, Bruno Serra Fernandes, na Política Monetária, e João Manoel Pinho de Mello, na Organização do Sistema Financeiro e Resolução.

O que temos até então

Na sua sabatina no Senado, Campos Neto transmitiu uma mensagem de continuidade da gestão de Ilan Goldfajn, ao refirmar a “cautela, serenidade e perseverança” como valores que devem ser preservados e aprimorados.

Os termos estão sendo utilizados para reforçar que o BC não se pauta por mudanças de curto prazo, mas sim por alterações em tendências das variáveis econômicas.

Além disso, na ata da sua reunião de janeiro, o Copom acenou que o estímulo monetário dado pela Selic está adequado e que o crescimento depende da redução da incerteza, que passa pela realização das reformas.

Em sua apresentação na CAE, Bruno Serra Fernandes falou da recuperação “bastante gradual”, mas relacionou a permanência da política monetária no “campo estimulativo” ao desenho da política fiscal e à sinalização de “contenção” dos déficits correntes nas contas públicas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desde a reunião de janeiro do Copom, o crescimento teima em decepcionar, a inflação segue comportada, e o Federal Reserve (Fed), banco central americano, reforça a sua “paciência” no ajuste das condições monetárias.

Para o BC, apesar da melhora no ambiente externo em comparação com o fim do ao passado, o balanço de riscos para a inflação continuaria assimétrico para o lado negativo. A chance de decepção com as reformas ainda tem peso superior que os vetores que podem manter a inflação abaixo da meta.

Selic em debate

Parte do mercado e da academia, no entanto, acredita que o Copom teria espaço para reduzir ainda mais a Selic, contribuindo para uma recuperação mais célere da atividade. Esse debate começou no fim do ano passado e se intensificada a cada indicador de atividade e inflação.

A mediana do mercado, captada pelo Focus, mostra Selic estável em 6,5% até o fim de 2019, mas olhando a distribuição de frequência das respostas, atualizada uma vez por mês, é possível observar que uma parcela de cerca de 10% dos analistas já considera juros menores, entre 5% e 5,5%.

Algumas casas de investimento também acreditam em espaço para queda da Selic, mas relacionam a atuação do BC à cenário mais claro de aprovação da reforma da Previdência.

O leitor já deve saber disso, mas quanto menor a Selic, melhor o cenário para os ativos de risco, como bolsa de valores. No entanto, outro “valor” relevante é uma taxa de juros que além de baixa, seja estável. E na sua comunicação oficial o BC coloca isso como um objetivo a ser perseguido.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Será que vem mudança?

Bolsonaro quer mecanismo para reavaliar patrimônio declarado no IR

Temática do projeto seria a reavaliação de patrimônios que “normalmente são declarados com valores históricos”

Agora passou!

Senado aprova MP que abre setor aéreo a capital estrangeiro

Senadores mantiverem o conteúdo como saiu da Câmara, retomando a franquia gratuita de bagagem

Foi por pouco

Câmara aprova texto base da MP da reforma administrativa

Votação de modificações como a volta do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o Ministério da Economia será feita separadamente

E vai adiando...

Maia assina prorrogação de envio de emendas para reforma da Previdência

Prazo de envio das emendas já havia sido postergada, mas dependia de um ato oficial do presidente da Casa

Crypto News

Falsatoshi ataca novamente

Piada da vez com Craig Wright foi ele dar entrada no pedido de direitos autorais do código original do Bitcoin e de seu white paper

Seu Dinheiro na sua noite

15 anos esta noite

Um dos grandes marcos do mercado de capitais brasileiro está para completar 15 anos. Trata-se da oferta de ações da empresa de cosméticos Natura. A abertura de capital aconteceu no dia 26 de maio de 2004 na antiga Bovespa – bem antes da fusão com a BM&F e da mudança de nome para B3. Desde […]

Estatal fará follow on

Petrobras bate o martelo: irá reduzir sua fatia na BR Distribuidora para menos de 50%

A Petrobras irá diminuir sua participação na BR Distribuidora por meio de uma oferta pública secundária de ações (follow on), mas a fatia exata a ser vendida ainda não foi definida

Investimento mais que bem-vindo

Fiat Chrysler vai investir R$ 500 milhões em nova fábrica de motores em Betim (MG)

Nova linha será instalada ao lado do prédio onde já funciona a fábrica de motores aspirados e pode gerar 1,2 mil empregos

Cedendo à pressão

Governo diz que vai apoiar reforma tributária do Congresso

Secretário da Receita Federal disse que o Executivo irá opinar sobre as medidas em “momento oportuno” na Comissão Especial

Proposta própria do Congresso

CCJ da Câmara aprova admissibilidade da reforma tributária

Proposta de emenda à Constituição é uma iniciativa da própria Casa, que decidiu não esperar o envio do texto do governo sobre o tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements