Menu
2019-05-03T14:58:04+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
queda

Produção industrial cai 1,3% em março ante fevereiro, revela IBGE

No acumulado do ano de 2019, que equivale à variação do primeiro trimestre ante igual período de 2018, a indústria teve queda de 2,2%

3 de maio de 2019
10:28 - atualizado às 14:58
Produção industrial
Produção industrial - Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

A produção industrial caiu 1,3% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, divulgou na manhã desta sexta-feira, 3, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda na produção veio igual à estimativa mais pessimista dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast. O intervalo ia de -1,30% a 0,10%, o que resultou em uma mediana de -0,80%.

Em relação a fevereiro de 2018, a produção caiu 6,10%. O recuo também veio igual à projeção mais pessimista entre os economistas consultados pelo Projeções Broadcast. Nessa comparação, sem ajuste, o intervalo das estimativas ia de -6,10% a -1,00%, com mediana de recuo de 5,0%.

A queda foi de 6,1% se comparado março ante março de 2018 — foi a maior nessa base de comparação desde maio do ano passado, quando houve tombo de 6,3% ante igual mês de 2017. Naquela ocasião, a greve dos caminhoneiros se abateu sobre a indústria.

Segundo o IBGE, embora a intensidade da queda possa ser explicada pelo menor número de dias úteis em março de 2019, por causa do carnaval, a retirada desse efeito não melhora o quadro negativo do setor.

Se feito o ajuste sazonal, para expurgar o efeito da variação de dias úteis, a queda na produção em março ante março de 2018 seria de 3,1%, reduzindo o tombo à metade.

Só que o mesmo deveria ser feito com fevereiro, já que fevereiro de 2019 teve dois dias úteis a mais do que igual mês de 2018. Feito o mesmo cálculo para fevereiro, o resultado da produção ante fevereiro de 2018 passaria de uma alta de 2,1% para uma queda de 1,5%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Bens de capital

A produção da indústria de bens de capital teve alta de 0,4% em março ante fevereiro, mas, na comparação com março de 2018, o indicador mostrou recuo de 11,5%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF).

No ano, houve recuo de 4,3% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 3,6%.

Bens de consumo

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou queda de 2,0% na passagem de fevereiro para março. Na comparação com março de 2018, houve queda de 7,7%. No ano, a produção de bens de consumo caiu 1,9%. No acumulado em 12 meses, houve alta de 0,3%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de março foi de recuo de 1,3% ante fevereiro. Em relação a março de 2018, houve queda de 15,8%. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve recuo de 1,1% na produção em março ante fevereiro. Na comparação com março do ano passado a produção encolheu 5,2%.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção recuou 1,5% em março ante fevereiro. Em relação a março do ano passado, houve uma retração de 4,4%. No ano, os bens intermediários tiveram redução de 2,0%. Em 12 meses, houve diminuição de 0,6% na produção. O índice de Média Móvel Trimestral da indústria teve queda de 0,5% em março.

Queda em 16 de 26 ramos

A queda de 1,3% na produção industrial na passagem de fevereiro para março reflete o recuo na produção de três das quatro grandes categorias econômicas e 16 dos 26 ramos pesquisados.
O gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, destacou que no acumulado de dezembro de 2018 a janeiro deste ano, a produção de bens de capital encolheu 10,7%. No acumulado de fevereiro e março, houve alta de 5,1%, insuficiente para recuperar as perdas.

Para Macedo, o quadro da produção industrial é de queda disseminada. "Há um claro predomínio de atividades e categorias econômicas em queda", afirmou o pesquisador do IBGE.

Segundo o órgão, entre as atividades industriais, a principal influência negativa foi em produtos alimentícios, (-4,9%), que eliminou parte da expansão de 13,8%, acumulada no período novembro de 2018 a fevereiro de 2019. A produção de veículos automotores, reboques e carrocerias caiu 3,2%.

Outras atividades

Também tiveram queda na produção na passagem de fevereiro a março as seguintes atividades: coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,7%), indústrias extrativas (-1,7%) e de outros produtos químicos (-3,3%).

Segundo Macedo, a queda na indústria extrativa ainda sofreu influência da paralisação das atividades da mineradora Vale após o rompimento de uma barragem de rejeitos em Brumadinho, no início do ano.

Na comparação de março com março de 2018, a queda de 6,1% foi acompanhada em 22 dos 26 ramos pesquisados pelo IBGE. Segundo Macedo, é o maior "espalhamento" de resultados negativos nessa base de comparação desde outubro de 2016, quando 23 dos 26 ramos pesquisados registraram queda.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Cannabusiness

O dia não tão distante em os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: Esse filme eu já vi

Na semana em que o futuro pareceu repetir o passado, o assunto mais comentado não podia ser outro: o tsumani político que varreu Brasília. O enredo que incluiu derrotas do governo no Congresso, investigações do Ministério Público, manifestações de rua e investidores à beira de um ataque de nervos de fato me trouxe recordações recentes, […]

Pague pelo celular

Após avanço do Itaú, Mercado Pago amplia parcerias com lojas para pagamentos instantâneos

Empresa do site Mercado Livre fecha parceria com redes de farmácia e de alimentos para aceitar pagamentos pelo sistema de “QR Code”, que agora entrou na mira do Itaú

Plano de expansão

Rede de pizzarias Domino’s quer crescer com lojas próprias

Comprada pelo fundo Vinci Partners por R$ 300 milhões, a Domino’s prevê a abertura mais 460 pontos de venda no país – hoje são 241

Aérea em crise

Dono da Avianca é tirado do comando da empresa pela United

A decisão da companhia americana ocorreu após a Avianca divulgar, na quinta-feira, prejuízo de US$ 67,9 milhões no primeiro trimestre de 2019

Combustíveis

Petrobras reduz em R$ 0,09 o preço da gasolina nas refinarias

Para a redução da gasolina chegar na bomba, porém, é preciso que os postos de combustível repassem a queda no preço

Que bolsa é essa?

Vale ainda é uma mina de problemas, mas resultados contam outra história

Depois de algum tempo defendendo que era hora de esperar e, com todo respeito às vítimas das tragédias em Brumadinho e Mariana, acho que está na hora de comprar as ações, desde que você tenha estômago para aguentar a inevitável volatilidade que devemos ter pela frente

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements