Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

21 de janeiro de 2019
6:01 - atualizado às 23:53
Imagem: POMB/Seu Dinheiro

Se investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos. Como tudo no mundo dos investimentos, aliás.

Por isso eu pedi a ajuda do consultor de valores mobiliários Marcelo d’Agosto para te explicar o que você considerar antes de aplicar em títulos privados de renda fixa.

As recomendações são válidas para o investimento em uma oferta de novos papéis no mercado, durante processos de ofertas públicas.

Você pode encontrar a maioria das informações listadas nesta matéria no material informativo que os bancos coordenadores costumam preparar ou no prospecto da oferta.

1 - Conheça o emissor

Investir em uma debênture equivale a emprestar o seu dinheiro para a empresa que emitiu o papel. Por isso é importante saber o ramo de negócio da companhia e o que ela pretende fazer com os recursos captados.

Quando se trata de uma emissão de debêntures infraestrutura, é importante saber quem são os sócios controladores do projeto. Mas lembre-se: um nome conhecido nem sempre é sinônimo de uma empresa com balanço saudável.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

2 - Saiba quem são os coordenadores da oferta

Depois de conhecer a empresa, saiba quem está envolvido no processo de venda das debêntures. A presença de bancos de primeira linha na operação – de preferência, mais de um – traz um maior conforto em relação à estrutura da emissão e das taxas propostas. Até porque em muitos casos eles oferecem a chamada “garantia firme”. Ou seja, eles se comprometem a ficar com os papéis que não conseguirem vender aos investidores no mercado.

3 - Confira a classificação de risco

Logo na primeira página do prospecto da emissão você encontra a classificação de risco das debêntures. A avaliação sobre a probabilidade de a empresa dar um calote na dívida é feita por uma agência de rating.

As notas variam conforme uma escala cujo nível máximo é “AAA”. Qualquer classificação abaixo de “A”, na escala nacional das agências, já representa um risco maior.

O sistema está longe de ser o ideal e está sujeito a conflitos de interesse, já que as as agências são pagas pela empresa que emite as debêntures. Por isso procure investir apenas nas ofertas que tenham rating das três principais empresas: Fitch, Moody’s ou S&P.

4 - Veja as condições das debêntures

Se a emissão passou pelas três condições acima, é hora de ver se o investimento vale a pena. Verifique o prazo de vencimento das debêntures e se a taxa de juros máxima que a empresa pretende pagar é compatível com a sua expectativa de retorno. Em linhas gerais, a debênture precisa oferecer uma taxa adicional (spread) em relação aos títulos públicos - quanto pior a nota de risco, maior deve ser esse spread.

A rentabilidade das debêntures é definida conforme as condições de oferta e demanda. Ou seja, se houver uma grande procura é bem provável que a taxa final fique bem abaixo do teto definido inicialmente. Por isso, na hora de fazer a reserva, você pode indicar a taxa pela qual está disposto a investir.

5 - Calcule a isenção de imposto

Um incentivo e tanto para você investir em debêntures foi dado em 2011, quando o governo concedeu isenção de imposto de renda para pessoas físicas e investidores estrangeiros em debêntures de infraestrutura.

Isso significa que, graças à isenção fiscal, o rendimento final dos papéis é maior que o do Tesouro Direto mesmo que a rentabilidade nominal seja a mesma.

Uma forma simples de calcular esse ganho é dividir a taxa de juros da debênture por 0,85, que equivale a incorporar no rendimento o imposto de 15% cobrado para investimentos em renda fixa acima de dois anos.

6 - Compre para ficar ou confira a liquidez

Se você resolver investir em debêntures, procure usar aquele dinheiro que você não vai precisar no curto prazo. Isso porque não há garantia de liquidez se você tiver que sair antes do vencimento, como acontece no Tesouro Direto. O que pode levar você a deixar dinheiro na mesa na hora de vender os papéis para outro investidor no mercado secundário.

Se liquidez for algo importante para você, verifique se a emissão terá a figura do formador de mercado. Trata-se de uma instituição financeira contratada para atuar comprando e vendendo os papéis e dar uma referência de preço.

Comentários
Leia também
Acima das expectativas

Localiza registra lucro líquido de R$ 181,4 milhões no 4º trimestre

Receita líquida consolidada no último trimestre do ano passado cresceu 24,9% ante o verificado um ano antes, para R$ 2,259 bilhões

Após Maduro fechar fronteira

EUA pressionam Brasil para garantir segurança na entrega de ajuda humanitária à Venezuela

Presidente venezuelano acusa os americanos de usarem os carregamentos como desculpa para tramar um golpe de Estado

Com venda de ativos

CSN quer captar R$ 5 bilhões até o fim do ano

Meta de captação é parte da estratégia de reduzir seu endividamento e de atingir a relação entre dívida e geração de caixa para 3 vezes

NA MIRA DO CADE

Disney deve abrir mão de “Fox Sports” para conseguir aprovação de compra da Fox pelo Cade

Venda foi a solução encontrada para resolver a principal preocupação do órgão em relação ao negócio já que a Disney é proprietária dos canais ESPN

Após tragédia de Brumadinho

Vale enfrenta 3ª ação coletiva nos EUA

Nova ação foi protocolada na Corte Distrital Sul de Nova York e foi movido por dois escritórios especializados neste tipo de processo: Pomerantz LLC e Bronstein, Gewirtz & Grossman

Vídeo

‘Hawkish’ vs. ‘Dovish’: o que falcões e pombos têm a ver com os bancos centrais (e com o seu bolso)

Você sabe o que significa dizer que um banqueiro central é mais hawkish ou mais dovish? Não, não estou falando de zoologia, mas de política monetária, e isso pode afetar o desempenho dos investimentos

A Bula do Mercado

Mercado mede riscos de tempo e diluição da Previdência

Ao investidor, cabe entender o quanto do conteúdo da proposta até a aprovação está embutido nos preços dos ativos

Temporada de balanços

Olha a Magalu aí gente! Magazine Luiza supera expectativa de analistas e registra lucro líquido anual de R$597,4 milhões em 2018

Nas estimativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg, a previsão era de um lucro líquido de R$ 389 milhões no ano passado

E aí, CVM?

Gafisa ‘rasga’ estatuto para nomear 2 novos conselheiros em meio à atrapalhada troca de comando

Três conselheiros que sobraram dos 7 eleitos em outubro indicaram Oscar Segall e Augusto Cruz para compor quadro após renúncia de Mu Hak You e seu filho. 5 advogados societários consultados pelo Seu Dinheiro consideraram manobra irregular – o certo seria a convocação de assembléia de acionistas

Companhia de cosméticos

Natura supera previsões do 4º trimestre e fecha o ano com lucro líquido de R$ 548,4 milhões

Resultado do quarto trimestre foi impactado por um Ebitda superior e por despesas financeiras menores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu