Menu
2019-07-25T18:52:19+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Marcha ré

Ações da Tesla e da Ford caem forte após resultados decepcionantes no trimestre

As duas empresas reportaram balanços trimestrais que ficaram abaixo do esperado pelo mercado, levantando dúvidas quanto ao desempenho das companhias no futuro e gerando uma onda de apreensão no setor automotivo

25 de julho de 2019
16:37 - atualizado às 18:52
Tesla - Ford
Tesla e Ford entregaram números trimestrais fracos; ações despencam em NYImagem: Shutterstock

A Tesla e a Ford ocupam posições diametralmente opostas no mundo automobilístico: enquanto a primeira é sinônimo de inovação, a segunda está associada à tradição. Afinal, as empresas têm modelos de negócio muito diferentes — a companhia de Elon Musk aposta nos carros elétricos e na venda por encomendas, enquanto a montadora de Detroit segue apostando nos motores à combustão e na comercialização em massa.

Mas, nesta quinta-feira (25), as rivais estão andando lado a lado. E não é por um bom motivo: tanto a Tesla quanto a Ford reportaram resultados trimestrais bastante fracos, o que faz com que as ações de ambas as empresas operem em marcha ré em Nova York.

Ao fim do dia, os papéis da Ford fecharam em forte baixa de 7,45%,a US$ 9,56. Já os ativos da Tesla tiveram um desempenho ainda pior: despencaram 13,61%, a US$ 228,82.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Tanto a Tesla quanto a Ford viram seus resultados piorarem em relação ao segundo trimestre do ano passado. Mas os problemas não param por aí: ambos os balanços trouxeram elementos que ficaram aquém das expectativas e trouxeram apreensão quanto ao desempenho das duas companhias no curto prazo.

Fraqueza na Ford

A empresa de Detroit encerrou o período entre abril e junho deste ano com lucro líquido de US$ 148 milhões, o que representa uma queda de 86% na comparação com os ganhos contabilizados no mesmo período de 2018. Com isso, o lucro por ação (EPS) da Ford foi de apenas US$ 0,04 — muito abaixo dos US$ 0,27 vistos há um ano.

O resultado ficou bem abaixo do que era esperado pelos analistas: de acordo com a Bloomberg, o mercado projetava um lucro por ação de US$ 0,17 no segundo trimestre deste ano.

"Ao chegarmos à metade desse ano-chave, estamos satisfeitos com o progresso que estamos fazendo para criar um negócio mais dinâmico e rentável", diz Jim Hackett, presidente da Ford, em mensagem aos acionistas. "Estamos construindo um forte portfólio de produtos para os nossos consumidores".

Com as perdas de hoje, as ações da Ford retornam aos níveis do fim de maio — no dia 31 daquele mês, os ativos da companhia valiam US$ 9,52. No acumulado do ano, os papéis da empresa ainda têm ganhos de cerca de 25%.

Apreensão na Tesla

O resultado líquido da empresa de Elon Musk também ficou abaixo do esperado pelo mercado. No entanto, os resultados da Tesla trouxeram muitos outros focos de preocupação — o que justifica a forte baixa das ações.

A companhia encerrou o trimestre com prejuízo líquido de US$ 408,3 milhões — uma perda menor que a apurada entre abril e junho de 2018, de US$ 717,5 milhões, mas ainda assim superior à projetada pelos analistas. O forte prejuízo pegou o mercado de surpresa porque, no início do mês, a Tesla reportou números recordes de produção e entregas de veículos elétricos no segundo trimestre.

E a postura de Elon Musk em relação às perspectivas futuras para a empresa também desagradou os agentes financeiros. Em mensagem aos acionistas, ele disse que a Tesla vai "simplificar" as projeções: a empresa, agora, estará focada em expandir sua presença em novas regiões, lançar novos produtos e melhorar a experiência do consumidor.

Os termos vagos empregados por Musk, somados à ausência de qualquer previsão quanto à geração de lucro da fabricante de carros elétricos, não caíram nada bem. E, por fim, uma movimentação inesperada na direção da empresa trouxe mais uma pitada de dúvida quanto ao futuro: J. B. Straubel, um dos fundadores atual diretor de tecnologia da companhia, irá deixar o cargo para assumir um posto de "consultor sênior".

O resultado disso tudo é o retorno das ações da empresa aos níveis do início do mês, devolvendo os ganhos registrados logo após a divulgação dos fortes números de produção e entregas — agora, os papéis da Tesla acumulam baixa de mais de 30% no ano.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Gás na economia

FGTS deve ter impacto positivo sobre o PIB em 0,20 ponto percentual em 2019, diz consultoria

Considerando saques de R$ 36,5 bilhões no total até março de 2020, 4E Consultoria também projeta impacto de 0,08 ponto percentual no PIB do ano que vem

Tango (ainda mais) triste

Fitch rebaixa rating da Argentina de ‘B’ para ‘CCC’

Agência de classificação de risco afirma que rebaixamento reflete “elevada incerteza de políticas” após os resultados das eleições primárias

Balanço dos balanços

Petrobras lidera ranking de maiores lucros no 2º trimestre entre empresas de capital aberto; Oi é lanterninha

Resultado líquido positivo de R$ 18,8 bilhões registrado pela estatal foi quase três vezes maior do que o segundo colocado no ranking

estratégia que dá certo

‘Meu pai me ensinou a comprar com desconto’, diz Klein sobre Via Varejo

Comprar quando o setor ou o vendedor está em crise é estratégia de Michael Klein, a mesma usada para arrematar, em junho, 1,6% das ações da Via Varejo

Líder da negociação

Maia diz saber onde está ‘problema político’ de cada reforma tributária

Presidente da Câmara também disse não saber qual das reformas que estão na mesa é tecnicamente melhor

tá difícil

Economia opera abaixo da capacidade em todas as regiões do País, diz BC

Avaliação consta no Boletim Regional divulgado pelo Banco Central nesta sexta-feira, 16. Confira os detalhes por região

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements