Menu
2019-07-25T18:52:19-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Marcha ré

Ações da Tesla e da Ford caem forte após resultados decepcionantes no trimestre

As duas empresas reportaram balanços trimestrais que ficaram abaixo do esperado pelo mercado, levantando dúvidas quanto ao desempenho das companhias no futuro e gerando uma onda de apreensão no setor automotivo

25 de julho de 2019
16:37 - atualizado às 18:52
Tesla - Ford
Tesla e Ford entregaram números trimestrais fracos; ações despencam em NYImagem: Shutterstock

A Tesla e a Ford ocupam posições diametralmente opostas no mundo automobilístico: enquanto a primeira é sinônimo de inovação, a segunda está associada à tradição. Afinal, as empresas têm modelos de negócio muito diferentes — a companhia de Elon Musk aposta nos carros elétricos e na venda por encomendas, enquanto a montadora de Detroit segue apostando nos motores à combustão e na comercialização em massa.

Mas, nesta quinta-feira (25), as rivais estão andando lado a lado. E não é por um bom motivo: tanto a Tesla quanto a Ford reportaram resultados trimestrais bastante fracos, o que faz com que as ações de ambas as empresas operem em marcha ré em Nova York.

Ao fim do dia, os papéis da Ford fecharam em forte baixa de 7,45%,a US$ 9,56. Já os ativos da Tesla tiveram um desempenho ainda pior: despencaram 13,61%, a US$ 228,82.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Tanto a Tesla quanto a Ford viram seus resultados piorarem em relação ao segundo trimestre do ano passado. Mas os problemas não param por aí: ambos os balanços trouxeram elementos que ficaram aquém das expectativas e trouxeram apreensão quanto ao desempenho das duas companhias no curto prazo.

Fraqueza na Ford

A empresa de Detroit encerrou o período entre abril e junho deste ano com lucro líquido de US$ 148 milhões, o que representa uma queda de 86% na comparação com os ganhos contabilizados no mesmo período de 2018. Com isso, o lucro por ação (EPS) da Ford foi de apenas US$ 0,04 — muito abaixo dos US$ 0,27 vistos há um ano.

O resultado ficou bem abaixo do que era esperado pelos analistas: de acordo com a Bloomberg, o mercado projetava um lucro por ação de US$ 0,17 no segundo trimestre deste ano.

"Ao chegarmos à metade desse ano-chave, estamos satisfeitos com o progresso que estamos fazendo para criar um negócio mais dinâmico e rentável", diz Jim Hackett, presidente da Ford, em mensagem aos acionistas. "Estamos construindo um forte portfólio de produtos para os nossos consumidores".

Com as perdas de hoje, as ações da Ford retornam aos níveis do fim de maio — no dia 31 daquele mês, os ativos da companhia valiam US$ 9,52. No acumulado do ano, os papéis da empresa ainda têm ganhos de cerca de 25%.

Apreensão na Tesla

O resultado líquido da empresa de Elon Musk também ficou abaixo do esperado pelo mercado. No entanto, os resultados da Tesla trouxeram muitos outros focos de preocupação — o que justifica a forte baixa das ações.

A companhia encerrou o trimestre com prejuízo líquido de US$ 408,3 milhões — uma perda menor que a apurada entre abril e junho de 2018, de US$ 717,5 milhões, mas ainda assim superior à projetada pelos analistas. O forte prejuízo pegou o mercado de surpresa porque, no início do mês, a Tesla reportou números recordes de produção e entregas de veículos elétricos no segundo trimestre.

E a postura de Elon Musk em relação às perspectivas futuras para a empresa também desagradou os agentes financeiros. Em mensagem aos acionistas, ele disse que a Tesla vai "simplificar" as projeções: a empresa, agora, estará focada em expandir sua presença em novas regiões, lançar novos produtos e melhorar a experiência do consumidor.

Os termos vagos empregados por Musk, somados à ausência de qualquer previsão quanto à geração de lucro da fabricante de carros elétricos, não caíram nada bem. E, por fim, uma movimentação inesperada na direção da empresa trouxe mais uma pitada de dúvida quanto ao futuro: J. B. Straubel, um dos fundadores atual diretor de tecnologia da companhia, irá deixar o cargo para assumir um posto de "consultor sênior".

O resultado disso tudo é o retorno das ações da empresa aos níveis do início do mês, devolvendo os ganhos registrados logo após a divulgação dos fortes números de produção e entregas — agora, os papéis da Tesla acumulam baixa de mais de 30% no ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dinheiro no caixa

Notre Dame Intermédica define ação a R$ 57 em nova oferta e movimenta R$ 5 bilhões

Companhia faz a oferta para levantar recursos para novos investimentos, liquidar debêntures e para pagar a aquisição do grupo Clinipam

guerra comercial

Negociadores de comércios dos EUA e China ‘mantêm contato próximo’, diz Pequim

No domingo (15), vence o prazo para que os EUA adotem tarifas extras a mais US$ 156 bilhões em importações chinesas

em brasília

Senado aprova pacote anticrime de olho em possíveis vetos de Bolsonaro

Projeto foi desidratado em relação ao conteúdo original encaminhado pelo ex-juiz da Lava Jato; Moro já defendeu que os pontos retirados sejam novamente discutidos no Congresso

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Seu mentor de investimentos

Caça ao tesouro: as joias descobertas em minha longa carreira no mercado financeiro

Ivan Sant’Anna lembra das grandes tacadas que deu em sua carreira como broker e fala sobre o processo de descobrimento dos tesouros enterrados no mercado

A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements