Menu
2019-05-03T06:05:00+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado mantém radar no exterior, em dia de payroll

Dados de emprego nos EUA em abril devem calibrar apostas em relação aos juros norte-americanos neste ano, após o Fed afastar a chance de corte

3 de maio de 2019
5:29 - atualizado às 6:05
payroll
Na agenda doméstica, destaque para os dados da indústria em março -

Com a reforma da Previdência só voltando ao radar do mercado financeiro doméstico na semana que vem, as atenções dos investidores seguem concentradas no cenário externo. Ainda mais porque hoje é dia de divulgação do relatório oficial de emprego nos Estados Unidos (payroll), às 9h30.

Os dados de abril sobre a geração de vagas e a renda do trabalhador devem calibrar as apostas em relação a um corte nos juros norte-americanos neste ano, após o Federal Reserve ter afastado essa possibilidade. A postura do Fed evitou a euforia dos investidores e trouxe uma correção nos preços dos ativos.

Os comentários não tão amenos (dovish) do presidente do Fed, Jerome Powell, nesta semana, dizendo que a autoridade monetária está “confortável” com a política atual, recalibrou o mercado de juros futuros, empurrando as apostas de um corte de 0,25 ponto na taxa norte-americano no fim deste ano para meados de 2020.

A previsão para o payroll é de abertura de 210 mil postos de trabalho, com a taxa de desemprego seguindo em 3,8%. Mas o foco estará mesmo no ganho médio salarial do trabalhador, que podem indicar pressões inflacionárias à frente. A estimativa é de aumento de 0,3% em relação a março, ganhando ritmo na comparação com a alta de 0,1% no período anterior, mas desacelerando-se a 3,2% no confronto com um ano antes.

Até então, os payrolls já divulgados têm mantido a tônica de sólido crescimento de emprego, sem preocupação com a inflação. Porém, à medida que o cenário de pleno emprego nos EUA se consolida, as dificuldades de contratações tendem a elevar os salários ofertados, permitindo às famílias gastarem mais e pressionando os preços ao consumidor.

Por ora, o Fed não vê nenhuma necessidade de ação, em termos de política monetária. Ao que tudo indica, o momento é de esperar para ver como irá se definir o atual fenômeno nos EUA de inflação baixa, atividade econômica aquecida, liquidez abundante e melhora constante do mercado de trabalho.

Nos mercados

À espera dos dados mais recentes de emprego no país, os índices futuros das bolsas de Nova York estão em alta, influenciados também pela temporada de balanços norte-americana. Mas os ganhos são limitados, em meio aos ajustes pós-Fed e à preocupação de que um acordo comercial entre EUA e China permanece elusivo.

Na Ásia, a Bolsa de Xangai permaneceu fechada hoje, devido a um feriado, assim como a de Tóquio, que celebra a nova era imperial ao longo de dez dias, o que enfraqueceu o volume financeiro na região. Hong Kong subiu e Seul caiu, enquanto, na Oceania, Sydney também fechou em queda. Na Europa, as principais bolsas estão à deriva.

Nos demais mercados, os juros projetados pelos títulos norte-americanos (Treasuries) estão de lado, após a alta das taxas ontem, ao passo que o dólar segue firme, ganhando terreno das moedas rivais. Entre as commodities, o petróleo continua em queda, após as fortes perdas nos últimos dias, e o cobre também está mais fraco.

De um modo geral, os investidores estão buscando um novo catalisador para engatar um rali entre os ativos de risco, apesar dos sinais de que o crescimento econômico global segue frágil.

Agenda também tem dados de atividade e inflação

Além do payroll, a agenda econômica desta sexta-feira tem outros destaques. No Brasil, as atenções se voltam para o desempenho da indústria em março (9h). A previsão é de que a produção tenha recuado 0,8%, anulando a alta registrada em fevereiro. No confronto anual, a atividade deve ter voltado a cair, em -2,5%, após interromper três quedas seguidas.

Se confirmados os números, o setor industrial deve acumular um desempenho negativo no acumulado dos três primeiros meses deste ano, elevando as chances de uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) no período. Essa contração realça a perda de dinamismo da economia brasileira na virada de 2018 para 2019.

A agenda política está esvaziada nesta semana. A capital federal segue em clima de feriado, o que mantém o ambiente mais calmo em Brasília, com poucos ruídos no ar. A reforma da Previdência só volta à pauta dos deputados na terça-feira que vem, quando a comissão especial inicia os trabalhos.

A questão mais sensível ao mercado é o tamanho dos cortes na proposta original. Já no exterior também serão conhecidos dados de atividade, mas referentes ao setor de serviços nos EUA e no Reino Unido em abril. Já na zona do euro, merecem atenção os índices de preços ao produtor (PPI) e ao consumidor (CPI) no mês passado, logo cedo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Pauta avançou no Congresso

Reforma tributária resultará em bom texto mesmo com mudança em comissão, diz Appy

Segundo Bernard Appy, a proposta de reforma tributária pode elevar em 10% o potencial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em um período de dez anos

governo de lado

Senadores já discutem agenda própria

Em almoço realizado nesta quarta-feira, 22, na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), líderes de bancadas avaliaram que o governo está “sem rumo”

Mais mercado, menos bancos

Crédito total no país é de R$ 9,5 trilhões ou 138% do PIB e governo fica com quase metade disso

Banco Central passa a apresentar dados sobre o crédito ampliado, que além das operações feitas no sistema financeiro, agrega títulos públicos, privados e operações externas

Blog da Angela

Se o risco é alto e a articulação deve ser perfeita, entregue-se ao inimigo…

A Nova Previdência será um passo fundamental para o reequilíbrio das contas públicas no médio e no longo prazo. Não é à toa que a reforma da Previdência é considerada a mãe das reformas estruturais que o Brasil precisa fazer

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

Ares agitados: o novo jogo do setor aéreo

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

Dia de cautela

Exterior negativo pressiona Ibovespa e dólar; mercado analisa cenário político local

O Ibovespa abriu o pregão desta quinta-feira (23) em queda, com os mercados exibindo um tom de prudência em relação à guerra comercial e à cena política doméstica. O dólar opera em alta

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

fim da lua de mel

Otimismo após eleições acaba e confiança do consumidor recua, afirma FGV

Quanto às perspectivas para os meses seguintes, o indicador que mede o otimismo relacionado à evolução da economia foi o que mais contribuiu para a queda da confiança no mês

Duras críticas

‘Setor privado não investe em ditaduras’, afirma Maia

Declarações ocorreram no dia seguinte à discussão pública com o líder do governo na Casa, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), motivada por críticas ao Legislativo

Batalha contra a crise

China tem amplos instrumentos para lidar com flutuações no câmbio, diz PBoC

Vice-presidente do Banco do Povo da China disse que o país não terá uma crise cambial, diante do tamanho da economia, do controle moderado pelo governo e por causa de seus mecanismos eficientes de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements