Menu
2019-10-28T06:27:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
balanço

Azul sente custos, reduz margens e lucro no 1º tri de 2019, mas mantém projeções positivas

Companhia teve lucro líquido de R$ 137,7 milhões, numa queda de 20,1% em relação ao mesmo período de 2018; resultado é menor que o número projetado por analistas ouvidos pela Bloomberg, que falavam em lucro de R$ 149,11 milhões

9 de maio de 2019
8:40 - atualizado às 6:27
Avião da azul
Azul - Imagem: Shutterstock

A Azul divulgou lucro líquido de R$ 137,7 milhões no primeiro trimestre de 2019, ante R$ 172,3 milhões do mesmo período do ano passado (uma queda de 20,1%). O resultado é menor que o número projetado por analistas ouvidos pela Bloomberg. Eles falavam em lucro de R$ 149,11 milhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Com esses números, a Azul parece ter sentido um baque do próprio mercado das companhias aéreas brasileiras. O Setor, nos últimos anos, vem sofrendo sucessivas baixas (sendo a mais recente a Avianca), e da variação do dólar. Algo normal para um segmento em que 60% do custo é na moeda norte-americana.

Apesar disso, a empresa diz, em relatório que acompanha o balanço, que mantém seu plano de expansão de margem para os próximos anos. O projeto deve se sustentar no potencial da malha aérea da companhia. A Azul hoje atua em 113 cidades — é a maior companhia aérea em número de voos do País.

"Tenho certeza que a combinação da nossa malha diferenciada com o nosso plano de transformação de frota trará muitas oportunidades para a companhia", diz a empresa. "Com isso poderemos levar a experiência Azul para mais clientes e expandir margens".

A Azul diz que continua comprometida com as projeções financeiras anunciadas no início deste ano. Nos próximos meses, a companhia deve seguir com a estratégia de transformação da frota.

Mais números

Ainda no primeiro trimestre deste ano, a receita líquida da Azul foi de R$ 2,542,0 bilhões. Representando um aumento de 16% em relação ao primeiro trimestre de 2018. Já o resultado operacional (ebit) ficou em R$ 335,6 milhões, numa retração de 10,1%. O ebtida ficou em R$ 724,2, numa alta de 8,1% ante o mesmo período do ano passado.

O yield também apresentou queda, de 0,3%, em relação primeiro trimestre de 2018, ficando em 35,75 centavos. Esse é o valor médio pago por um passageiro para voar um quilômetro, calculado com a divisão da receita de passageiro pelo total de assento-quilômetro ocupado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Otimismo na bolsa

Firme e forte: Ibovespa engata a quarta alta seguida e chega a mais um recorde

O Ibovespa aproveitou-se da ausência de fatores negativos e do bom desempenho das ações da Petrobras para fechar em alta e cravar mais um recorde

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin indica alta e 12 criptomoedas alternativas para ficar de olho

Fausto Botelho fala sobre a alta recente do S&P, que está em sinal amarelo, sobre a tendência de alta do bitcoin e outras 12 altcoins para ficar de olho

Ganhando tração

Conversas sobre potencial venda da rede móvel da Oi estão acelerando, diz presidente da Tim

Segundo Labriola, uma eventual avaliação da compra da Oi só vai ocorrer caso o ativo seja formalmente colocado à venda, o que ainda não ocorreu

Novo recorde

O maior IPO da história: a Saudi Aramco vai levantar US$ 25,6 bilhões com sua abertura de capital

A petroleira Saudi Aramco, considerada uma das companhias mais rentáveis do mundo, divulgou há pouco os detalhes finais de sua oferta pública inicial de ações. E, pelos números reportados pela estatal saudita, não estamos falando de um IPO qualquer: trata-se da maior operação do tipo já feita na história. As ações da Aramco foram precificadas […]

Oferta da XP

CVM diz que fundo brasileiro pode captar recursos para investir em IPO nos EUA

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou hoje que fundos de investimento podem captar recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas de ações fora do país. “Em tese, não há restrição para que um ‘fundo brasileiro capte recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas públicas no exterior’”, disse a CVM, em nota. Eu […]

OLHO NA CONSTRUÇÃO

PIB da construção deve crescer 2% em 2019 e 3% em 2020, dizem Sinduscon-SP e FGV

O avanço do PIB da construção neste ano está sendo puxado, essencialmente, pelo consumo das famílias, enquanto as atividades empresariais ficaram em segundo plano

Fundos de investimento

Fundos de small caps são os mais rentáveis do ano; saiba quanto rendeu cada tipo de fundo até o fim de novembro

Fundos de ações tiveram o melhor desempenho do ano até agora; fundos que investem em títulos públicos de longo prazo também têm se saído bem

Gestoras

Dólar a R$ 4 ou R$ 4,50 pode impedir um rali na Bovespa?

Para gestora Persevera não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção

OLHA O RECORDE

Captação em mercado das empresas atinge recorde de R$440 bilhões, diz Anbima

A renda variável foi destaque, com R$ 78,3 bilhões em captações realizadas por meio de follow on e IPOs, de janeiro a novembro, contra R$ 11,3 bilhões no mesmo período de 2018

uma bolada

Indústria de fundos levanta R$ 228,1 bilhões até novembro e encosta no recorde de 2017

Fundos de ações chegaram a uma captação líquida de R$ 67,5 bilhões, quase três vezes ante o mesmo intervalo de 2018 e se destacaram como a classe que mais atraiu recursos até novembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements